Rampa B – A chance de Kardec

0
151

Caso o São Paulo não consiga anular na Conmebol o cartão vermelho mostrado a Calleri em Laz Paz, Alan Kardec terá a chance de recuperar seu prestígio com a torcida tricolor. Um jogo importante, Morumbi cheio, o time no ataque, precisando de gols. É a condição ideal para um centroavante brilhar. Apesar das atuações discretas que teve neste ano, Kardec mostrou muita vontade e disposição nos minutos em que atuou na Bolívia. A oportunidade está aí e cabe a ele aproveitar. Quinta é o dia de Kardec provar que valeu a pena tirá-lo do Palmeiras.


Na coluna de 3 de abril comentamos neste espaço que Calleri teria, nos três jogos que então restavam da fase de grupo da Libertadores, a oportunidade de ser lembrado como um grande jogador que vestiu a camisa do São Paulo. Contra o Trujillanos, marcou quatro gols e colocou seu nome nas estatísticas históricas do clube. Contra o River, marcou os dois gols que manteve o São Paulo vivo na competição e, em La Paz, diante do The Strongest, anotou o tento da classificação.


O retrospecto do São Paulo contra mexicanos em fases de mata-mata na Libertadores é favorável ao Tricolor. Em 2005, na campanha do tri, o São Paulo eliminou o Tigres nas quartas-de-final, vencendo por 4 a 0 no Morumbi e perdendo de 2 a 1 no México. No ano seguinte, perdeu dois jogos para o Chivas por 2 a 1 na fase de grupos, mas deu o troco na semifinal derrotando duas vezes a equipe de Guadalajara: 1 a 0 no México e 3 a 0 no Morumbi. O Tricolor também deveria ter enfrentado o Chivas novamente nas oitavas da Libertadores de 2009, mas devido à epidemia da chamada gripe suína, o time mexicano se retirou da competição e o São Paulo avançou para a fase seguinte sem entrar em campo.


Em 27 de julho de 2002, o São Paulo recebeu o Toluca para um amistoso no Morumbi e massacrou o adversário mexicano por 7 a 1. Os gols tricolores foram anotados por Sandro Hiroshi (2), Reinaldo (2), Kaká, Rico e Reginaldo. Destaque para o segundo gol de Reinaldo, que saiu com a bola dominada no campo de defesa, passou por dois defensores e driblou o goleiro antes de empurrar para as redes. Lozano fez o tento de honra dos mexicanos. O amistoso marcou as estreias do zagueiro argentino Ameli e do lateral-esquerdo Jorginho Paulista, dois jogadores que não deixaram saudade no Morumbi.

SÃO PAULO 7 x 1 TOLUCA (27/07/2002)

Local: Morumbi
Árbitro: Marcelo Caetano
Público: 2.855
Gols: Sandro Hiroshi 21 e 37 e Reinaldo 43 e 44 do 1º tempo; Lozano 4, Kaká 25, Rico 32 e Reginaldo 43 do 2º tempo.

São Paulo: Rogério Ceni; Rafael, Ameli (Wilson), Jean (Reginaldo) e Jorginho Paulista (Júlio Santos); Maldonado (Daniel Rossi, depois Galo), Fábio Simplício, Júlio Baptista (Adriano) e Kaká; Sandro Hiroshi (Rico) e Reinaldo (Leandro Alves). Técnico: Oswaldo de Oliveira.

Toluca: Cristante (Albarrán); Carmona, Ramírez, Espinosa e Viades (Mora); López, Valdés (Ponce), Rafael García (Parada) e Naélson (Edgar García); Cruzalta (González) e Vicente Sánchez (Lozano). Técnico: Ricardo Lavolpe.

https://www.youtube.com/watch?v=nk1PVYwg0Tk


Fernando AlécioFernando Alécio é jornalista. Fundou a SPNet em 1996. Escreve neste espaço aos domingos.

ATENÇÃO: O conteúdo dessa coluna é de total responsabilidade de seu autor, sendo que as opiniões expressadas não representam necessariamente a posição da SPNet ou de sua equipe de colaboradores.

Comentários

comentários