Rampa B – O dilema da camisa 1

3
170

Patón quer cinco reforços até julho. Ou seja, meio time. Não se sabe se entre os jogadores que indicou ou pretende indicar está um goleiro, mas é plausível supor que a camisa 1 deve ser uma das preocupações do treinador. O futebol é muito dinâmico. Dênis pode fechar o gol ou defender um pênalti e voltar de La Paz como herói da classificação. Vejamos Hudson, até outro dia achincalhado e hoje “monstro” do Morumbi. Mas o que temos de Dênis neste ano, pelo menos até hoje, são duas falhas nos dois jogos contra o River Plate que resultaram em dois gols, fato que fez o goleiro perder a confiança da torcida.

Na hipótese de o Tricolor buscar um novo goleiro no mercado, eis alguns nomes que supostamente estariam dentro das condições financeiras do São Paulo:

Armani: goleiro argentino que defende o Nacional de Medellín, ainda não tomou gols nesta edição da Libertadores. O são-paulino conhece este goleiro dos confrontos contra o time colombiano em 2013 e 2014. Tem 1,89m e 29 anos.

Fabiano: Terceiro goleiro do São Paulo em 2007, foi para a Europa e chegou a ser titular do Porto. Atualmente no Fenerbahçe, por empréstimo, não é titular no clube turco. Tem 1,97m.

Gallese: goleiro da seleção peruana e do modesto Juan Aurich, está na mira do River Plate para substituir Barovero. Tem 1,89m e completa 26 anos neste mês.

Tiago Volpi: goleiro que se destacou no Figueirense em 2014, quando a imprensa chegou a cogitar interesse do São Paulo. Desde 2015 defende o Querétaro, do México, onde se tornou ídolo. Tem 1,87m e 25 anos.

Torrico: Experiente goleiro de 36 anos, já trabalhou com Bauza no San Lorenzo campeão da Libertadores de 2014. Tem 1,86m.

Toselli: goleiro do Universidad Católica, o chileno tem 27 anos e 1,83m. Teve grande atuação contra o São Paulo na semifinal da Copa Sul-americana de 2012. Naquela ocasião, Rogério Ceni disse que Toselli era “o melhor goleiro que vi em anos”.

São apenas alguns nomes entre muitos. O goleiro que eu gostaria de ver no São Paulo é Tiago Volpi, é jovem e tem muito potencial. O problema é que tem mais um ano e meio de contrato com o time mexicano. E você leitor, qual goleiro gostaria de ver com a camisa 1 do Tricolor?


Fichas técnicas de jogos e dados de jogadores que passaram pelo Tricolor podem ser encontradas no Almanaque do São Paulo, de autoria de Raul Snell Jr. e José Renato Santiago Jr. Recomendo!

Almanaque do São Paulo


Em 29 de outubro de 2003, o Tricolor foi a La Paz enfrentar o The Strongest pela partida de ida das quartas-de-final da Copa Sul-americana. Sem tomar conhecimento do adversário e da altitude, o São Paulo goleou por 4 a 1, gols de Kléber Gladiador (dois), Luís Fabiano e Gustavo Nery. O curioso deste jogo é que, apesar da altitude, o São Paulo marcou três gols no segundo tempo. Na semana seguinte, o time do Morumbi confirmou a classificação em casa ao derrotar novamente a equipe boliviana, desta vez por 3 a 1. O goleiro do The Strongest naquele jogo era Mauricio Soria, treinador do time paceño até ontem, quando foi demitido.

THE STRONGEST 1 x 4 SÃO PAULO (29/10/2003)

Estádio: Hernando Siles (La Paz)

Arbitragem: Ubaldo Aquino (Paraguai).

Gols: Cristaldo, 23 do 2º tempo (TS); Kléber, 30 do 1º tempo e 34 do 2º tempo, Luís Fabiano 24 e Gustavo Nery aos 44 do 2º tempo.

The Strongest: Soria; Carballo, Sartori e Paz García; Gutiérrez (Morejón), Villalba (Castillo), Olivares (Alfaro), Alex da Rosa e Cristaldo; Coelho e Méndez. Técnico: Néstor Clausen.

São Paulo: Rogério Ceni; Lugano, Jean e Gustavo Nery; Gabriel (Adriano), Fábio Simplício (Edcarlos), Alexandre, Carlos Alberto e Fábio Santos; Kleber (Diego Tardelli) e Luís Fabiano. Técnico: Roberto Rojas.


Fernando AlécioFernando Alécio é jornalista. Fundou a SPNet em 1996. Escreve neste espaço aos domingos.

ATENÇÃO: O conteúdo dessa coluna é de total responsabilidade de seu autor, sendo que as opiniões expressadas não representam necessariamente a posição da SPNet ou de sua equipe de colaboradores.

Comentários

comentários

3 COMENTÁRIOS

  1. Não tenho essa paciência toda, Dênis é fraco, limitado quantas falhas mais precisam pra ver isso ?.
    Um clube como o São Paulo que vive uma má fase horrorosa há anos não pode se dar o luxo de manter um goleiro desse nível como titular absoluto.

  2. Sem dúvida, o Dênis tem apresentado falhas graves de saídas de gol, espalma sem técnica… mas alguns desses fundamentos só serão corrigidos com jogos e erros, para acertar. Tem bons reflexos, em contrapartida. O treinador dele é o Carlos, e confio no trabalho. Não deixariam o rapaz lá se não tivesse o aval de todos, inclusive do Rogério Ceni.