Opinião Tricolor – Leco, Natel e Pimenta

1
879

Salve nação tricolor!

O São Paulo de Ceni apruma seus últimos detalhes (com o M1to ainda aguardando reforços) já em meio ao cenário eleitoral, que começou a fervilhar antes mesmo do Paulistão 2017.

Uma grande surpresa ocorreu: o anúncio da candidatura de José Eduardo Mesquita Pimenta, o presidente mais vencedor da história do SPFC, pela oposição.

Certamente, uma hecatombe na perene situação que se encontravam Leco e Natel, adversários eleitorais, mas nem tanto. Afinal, são aliados históricos.

O início de bom astral pela conquista da Florida Cup e pela ausência de pressão no começo de Campeonato Paulista e Copa do Brasil (salvo tragédia no Nordeste, diante do maranhense Moto Club em jogo único) era um fator positivo para Leco. Rogério Ceni, com todo crédito e esperança da torcida, terá os primeiros meses do ano para evolução, sem pressão de grandes decisões, até o pleito tricolor.

Ou nem tanto, a eleição que definirá o novo presidente ocorrerá no período de semifinais do Paulistão. Fator positivo ou não, à época saberemos.

Mas é fato que argumentos muito maiores que sair da fila do estadual, estarão em jogo.

Profissionalização alinhada com o novo estatuto, redução de diretorias, fim de vice-presidências. Conselho de administração e fiscal, atuantes e com maior independência.

O Tricolor vai mudar muito. Ou, pelo menos, tem tudo pra isso.

Com as cartas definidas na mesa, as apostas são altas.

Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, de vasto currículo no futebol do SPFC, contestado pela grande maioria da torcida enquanto diretor, VP de futebol e vice-presidente do terceiro mandato de JJ, que agora se divide no apoio e crítica da nação tricolor na sua condição de presidente, em pleito vencido contra Newton do Chapéu, cargo assumido provisória e depois definitivamente, após o trágico final da era Aidar (que convidara Leco para ser candidato à presidência do Conselho Deliberativo, sendo ambos eleitos em 2014).

Roberto Natel, então vice-presidente ao lado de Leco, abandonou o cargo em setembro de 2016 e em dezembro, anunciou candidatura. Também oriundo da era JJ, teve cargos no futebol e na administração tricolor. Se diz via independente. Natel também foi vice-presidente geral de Carlos Miguel Aidar, onde também entregou o cargo. É sobrinho neto de Laudo Natel.

José Eduardo Mesquita Pimenta, o Pimenta, surge como o nome da oposição. Maior presidente campeão da história do São Paulo, tem a contratação de Telê Santana, os  dois mundiais e as duas Libertadores 1992 e 1993, como maiores façanhas. Conquistou ainda o Brasileirão 1991, Supercopa, Recopa e Paulistas, em finais contra Corinthians e Palmeiras, respectivamente em 1991 e 1992. Marcou época, mas foi acusado de suposta corrupção, em fita que comprovou inocência, por laudo técnico renomado. Expulso, retornou ao Conselho, após o reparo de injustiça.

Quem for o futuro presidente do São Paulo, precisa ter um compromisso público com o novo estatuto.

Só a gestão de governança tirará o Tricolor da estagnação.

O tempo de coadjuvante precisa se encerrar, urgentemente, não há mais tempo a perder.

Para o protagonismo, historicamente presente, voltar.

 

Saudações Tricolores!

Carlos PortCarlos Port, idealizador do projeto Opinião Tricolor. Dois bacharelados na profissão de administrador, especialização em comunicação, neto e filho de são-paulinos, paulistano, patriota. No Twitter: @carlosport

ATENÇÃO: O conteúdo dessa coluna é de total responsabilidade de seu autor, sendo que as opiniões expressadas não representam necessariamente a posição da SPNet ou de sua equipe de colaboradores.

Comentários

comentários