São Paulo é derrotado pelo Atlético-MG no Morumbi

4
508

Em duelo franco e com boas oportunidades de gols para as duas equipes, o Tricolor foi derrotado pelo Atlético-MG por 2 a 1 na tarde deste domingo (18), no Morumbi, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro de 2017. Marcinho marcou para o São Paulo, enquanto Cazares e Rafael Moura anotaram os tentos dos visitantes. Com o revés, o time são-paulino caiu para a 13ª colocação, com dez pontos. Na próxima quarta-feira (21), às 21h45 (de Brasília), os paulistas visitarão o Atlético-PR na Arena Baixada.

O primeiro dos três títulos são-paulinos da Libertadores completou 25 anos no último sábado (17). Então, para homenagear os heróis da inédita conquista, os atletas são-paulinos jogaram com os nomes dos comandados de Telê Santana que protagonizaram o principal jogo da história do Morumbi. Em 17 de junho de 1992, o São Paulo mudou a forma como os times brasileiros encaravam a principal competição do continente.

Para encarar os atleticanos, o técnico Rogério Ceni não contou com Buffarini (faz trabalho físico antes do retorno), Maicosuel (segue a programação para reequilíbrio muscular), Morato (cirurgia no ligamento cruzado do joelho direito), João Schmidt (entorse no joelho esquerdo) e Rodrigo Caio (edema no músculo posterior da coxa esquerda).

Apesar das baixas, o time são-paulino contou com as voltas de Cueva, que estava na Seleção Peruana, e Araruna, Thiago Mendes e Bruno que ficaram como opção entre os suplentes. Dessa forma, o treinador escalou a equipe com Renan Ribeiro; Éder Militão, Maicon e Lucão; Marcinho, Jucilei, Cícero e Junior Tavares; Wellington Nem, Lucas Pratto e Cueva.

Já os mineiros atuaram com Victor; Alex Silva, Léo Silva, Felipe Santana e Fábio Santos; Rafael Carioca, Yago, Elias e Cazares; Robinho e Rafael Moura. Quando a bola rolou, São Paulo e Atlético-MG partiram em busca do gol. Aos oito minutos, Cazares bateu da entrada da área e abriu o placar: 1 a 0. Em busca do empate, o Tricolor tentou responder, mas tinha dificuldade para chegar à meta de Victor

Dessa forma, após superar um momento truncado da partida, o time paulista assustou aos 30 minutos: Wellington Nem tocou para Cueva, que enfiou a bola entre os zagueiros em direção a Pratto. O centroavante ajeitou o corpo e bateu colocado: a bola passou rente à trave. No minuto seguinte, em nova chegada, Marcinho cruzou por baixo e argentino desviou de primeira: a finalização levou perigo aos visitantes.

Os lances animaram o Tricolor, que partiu para cima do adversário e criaram outra boa oportunidade antes do intervalo. Aos 33 minutos, Marcinho, que era acionado constantemente na direita, cruzou na área e por pouco não encontrou Wellington Nem que entrou pelo meio. Apesar de insistir, o São Paulo não conseguiu deixar tudo igual na primeira etapa.

Na volta para o segundo tempo, Rogério mexeu no time e promoveu a entrada de Thiago Mendes, que entrou no lugar de Wellington Nem – o camisa 23 entrou na lateral direita, enquanto Marcinho foi deslocado para o ataque. E a alteração do comandante logo surtiu efeito no primeiro minuto: Junior Tavares fez belíssima jogada individual pela esquerda e rolou para Marcinho, que tocou rasteiro na saída de Victor para empatar: 1 a 1!

O gol deu ânimo extra ao Tricolor, que acuou a equipe mineira e agitou a torcida nas arquibancadas. Aos seis minutos, Cueva levantou e Pratto cabeceou com perigo. Depois, aos 17, Marcinho quase fez o segundo ao aproveitar a sobra na grande área: a bola passou por cima do travessão. Para manter a pressão e ter mais opções na frente, o técnico são-paulino colocou Bruno na vaga do zagueiro Éder Militão.

E quando buscava a virada, o São Paulo sofreu o tento dos mineiros aos 35 minutos: Rafael Moura fez 2 a 1. Na última tentativa de balançar as redes novamente, o Tricolor ainda contou com Gilberto, que ocupou o lugar de Cícero, mas o placar não foi alterado novamente. Na próxima quarta-feira (21), às 21h45 (de Brasília), os paulistas visitarão o Atlético-PR pela nona rodada, na Arena Baixada.

Comentários

comentários

4 COMENTÁRIOS

  1. Não acho que a situação seria diferente se estivéssemos com outro técnico, pra mim o nosso problema maior é o elenco.
    É claro que o Rogério, também tem culpa principalmente por insistir em jogador como Maicon, Lucão, Cícero etc…, achar que Wesley serve para o time e em não admitir que a sua tática de jogo não funciona ainda mais com um elenco limitado.
    Tenho certeza que quarta feira será outra derrota mas duvido em queda do RC mas também acho que vai ser difícil ele se manter no comando até o final do ano com esse time fraco.

  2. Acredito que na quarta feira contra o Atletico Paranaense naquela arena que mais parece campo de desafio ao galo, torcedor em cima de juizes e bandeirinhas fazendo pressão, devemos tomar outro sacode, quero acreditar que a diretoria ou a nobreza do Rogério Ceni falem mais alto, ou o convidam a sair, ou ele mesmo reconhece que não tem ainda condições de ser técnico de um time do tamanho do São Paulo, estamos indo ladeira abaixo, bando de indio em campo, jogadores que chegam a ser mediocres no elenco( Bruno, Lucão, Cicero, Wesley, Douglas, Denis e outros) . Se o São Paulo quer ficar na primeira divisão, precisa de atitude agora, pois não conseguimos ganhar fora do Morumbi e nem dentro dele, a coisa ta preta, a coisa ta feia, quem não for filho de Deus, ta na unha do capeta.