Memória Tricolor #07 – Araken Patusca, na seleção desde 1930

1
435

Hoje nossa coluna irá contar sobre aquele que foi o primeiro atleta do São Paulo convocado pela Seleção Brasileira, mesmo contra a vontade dos dirigentes da CBD que só queriam contar com atletas cariocas…

Araken Patusca, ou simplesmente Araken, nasceu em Santos no dia 7 de julho de 1905. Iniciou sua carreira no Santos, entre 1923 e 1929, em 1925 jogou pelo Paulistano. Em 1930 brigou com a diretoria do Santos e resolveu ir para um novo clube o São Paulo da Floresta onde jogou por 124 partidas e marcou 67 gols. Em 1935 até 1937 voltou para o Santos, neste ano também defendeu o Estudante Paulista. Em 1938 retornou a São Paulo, agora, porém para jogar no São Paulo Futebol Clube jogando em 1938 e 1939.

O São Paulo nasceu, curiosamente, no ano em que foi realizada a primeira Copa do Mundo, 1930. E já naquele ano contou com um representante no selecionado canarinho, mas óbvio que sempre com fatos curiosos e memoráveis como é nossa história Araken quando da convocação da CBD, estava expulso do quadro de sócios do Santos, mas ainda registrado na APEA (federação paulista) como jogador daquela equipe. O craque já se alinhava em campo pela equipe do São Paulo, então no bairro da Floresta. O Santos posteriormente tentou revogar a expulsão proferida, mas Araken permaneceu no Tricolor, fazendo carreira no clube até 1935.

O caso de Araken não foi a única confusão na primeira Copa do Mundo. Houve uma série de atritos entre as federações paulista e carioca que acabou ocasionando um boicote pela associação paulista, impedindo que outros ídolos tricolores convocados participassem do torneio, Araken acabou sendo registrado, de última hora e de modo um tanto quanto “pirata”,  aproveitando-se do litígio com o Santos como jogador do Flamengo. Haviam sido convocados: Nestor, goleiro, Clodô, zagueiro, Friedenreich e Luizinho, atacantes, mas esses foram impedidos de atuar pela Seleção.

A caminho de Montevidéu, integrou-se ao elenco, contrariando os dirigentes paulistas e também contra a vontade dos dirigentes da CBD, que eram totalmente cariocas, e só queriam jogadores que atuassem no Rio de Janeiro. Sem contar com sua força máxima, o Brasil foi eliminado logo na primeira fase, sendo ele criticado pelos outros jogadores da seleção, que o teriam chamado de “bailarino”.

Fez parte do primeiro time do Santos a entrar para a história, muito antes da era Pelé. Em 1927 formou com Omar, Camarão, Feitiço e Evangelista o ataque dos cem gols dos quais 31 pertenceram a ele. A marcação de 100 gols em uma edição de Campeonato Paulista já seria um feito digno de nota mas, o que chamou mesmo a atenção, foi o fato dos jogadores terem levado apenas 16 partidas para alcançarem esse número, resultando em uma média fantástica de 6,25 gols por partida que, até hoje, é recorde mundial de média de gols marcados em um campeonato oficial.

O ingresso de Araken no futebol teve um fato curioso, Araken estava na Vila Belmiro vendo o jogo amistoso entre Santos e Jundiaí, ele era filho do então presidente e fundador do Santos, Sizino Patusca, e foi posto para jogar em lugar de Edgar da Silva Marques, que havia passado mau momentos antes da partida. Araken tinha apenas quinze anos e marcou quatro dos cinco gols do Santos, no empate com o Jundiaí em 5 a 5.

Aumentou sua fama quando foi emprestado pelo Santos para participar de uma excursão à Europa, em 1925, do Paulistano, clube que não se profissionalizou. Jogando ao lado de outro craque, Arthur Friedenreich, o ótimo desempenho levou a que os jogadores brasileiros fossem chamados de “reis do futebol” pelos jornais franceses. Vaidoso, gostava de jogar usando uma boina.

Ousado, Araken escreveu um livro sobre a brilhante atuação do Paulistano em campos europeus com o título de “Os reis do futebol”.

Pelo antigo São Paulo da Floresta, foi campeão paulista em 1931, pelo Santos foi vice-campeão paulista em 1927, 1928 e 1929, sendo campeão pelo Santos somente na sua volta, em 1935.

Depois de encerrar a carreira ficou na cidade de Santos onde veio a falecer no dia 24 de Janeiro de 1990 aos 85 anos.

Araken é um dos grandes jogadores que desfilaram sua arte pelo Tricolor e figura em nossa galeria de craques, um de nossos primeiros craques.

Gustavo Flemming, 39 anos de amor ao SPFC, é empresário no segmento de pesquisa de mercado e consultoria em marketing. Esta coluna é escrita em parceria com André Bovenzi, um apaixonado Tricolor que mora em Joinville – SC.

Contato: [email protected]

ATENÇÃO: O conteúdo dessa coluna é de total responsabilidade de seu autor, sendo que as opiniões expressadas não representam necessariamente a posição dos proprietários da SPNet ou de sua equipe de colaboradores.

 

Comentários

comentários

1 COMENTÁRIO