Além das 4 linhas – Continuidade

0
153

Sabemos que o elenco do SPFC não é um ótimo elenco, mas não é para estar na tabela de classificação do BR no lugar em que esta. Muitos fatores levaram o clube a este lugar incomodo de crise eterna e a falta de continuidade nos trabalhos contribui muito.

Neste período todo dois trabalhos que poderiam trazer bons frutos foram interrompidos por fatores que fogem do poder do clube  de decidir: A saída do Colombiano Ozório e do Paton Bauza. Uma pena. São dois treinadores experientes e que poderiam ter trazido bons frutos.

Agora estamos também com um treinador experiente, com várias conquistas na carreira e que pode nos trazer frutos se puder ficar por todo seu contrato, até Dezembro de 2018. O resto deste  ano deve ser considerado como o de montagem de elenco e permanência na elite. Se para o próximo ano tivermos poucas saídas e boas contratações pontuais, acredito no trabalho atual.

A humildade é uma grande virtude e precisamos aprender com nossos erros, com os erros e acertos dos outros, sem nenhum problema. Nosso rival sem cor teve um 2016 muito ruim e também com muita troca de jogadores. Nas palavras do gerente de futebol deles, foi a continuidade do trabalho, fixação do elenco que começou o ano e a manutenção do treinador que trouxeram os bons frutos que eles estão colhendo num ano que poderia estar sendo de outro clube rival, mas este teve também trocas importantes de jogadores e de treinador, ou seja, não teve continuidade e um novo trabalho iniciou, o que demanda tempo.

Quando o SPFC foi vice campeão da Libertadores em 2006, alguns já pediram a cabeça do Muricy. O ainda bom JJ o manteve, bancou o bom e honesto treinador e o clube conquistou simplesmente o título inédito de tri campeão brasileiro. Lembro que também pediram a cabeça do Muricy após a eliminação da Libertadores 2007. Na época alguns achavam que ganhar “só” o brasileiro era pouco e a Libertadores era o “mínimo” que deveríamos conquistar. O resultado da não continuidade daquele bom trabalho nós sabemos.

O complemento da continuidade de um bom trabalho é o planejamento que ele vai tendo, pois o treinador que é mantido vai aperfeiçoando o trabalho e melhorando o perfil do elenco em função das suas crenças futebolísticas.  É o que chamamos de círculo virtuoso, o  contrário do círculo vicioso que o SPFC vem vivendo.

Então meus amigos, o que aconteceu com nossos rivais também pode mais uma vez acontecer conosco se o clube mantiver o trabalho atual, que se não é com um treinador top, é com um treinador sério, trabalhador e conhecedor de futebol.  Com o conhecimento que o Dorival terá este ano sobre o elenco e o clube, ele poderá fazer um bom trabalho até fim de 2018.

Estamos vendo que o dinheiro não é o mais importante no futebol, pois Palmeiras e Flamengo possuem bem mais recursos do que o Corinthians, que deve R$ 2,5 bilhões e não pode pegar um centavo do dinheiro que entra pelas bilheterias, pois este tem que obrigatoriamente ir  para pagar os R$ 2 bilhões da dívida que os ótimos presidentes do clube e o ex da república do Brasil arrumaram para eles com o estádio de futebol que nós pagamos  e que agora o clube  tem que nos devolver.

O que eles fizeram foi manter um trabalho com um treinador que está se mostrando bom  e com um elenco que se dedica muito apesar das limitações técnicas, ao contrário dos dois clubes citados acima.

É com humildade que escrevo esta simples coluna.

Salve o tricolor paulista, o clube da Fé.

Carlito Sampaio Góes

carlito150x150Carlito é advogado, trabalha como representante comercial, frequenta o Morumbi desde 1977 e prefere o time que vence ao time que joga bonito. Escreve nesse espaço todas as quintas-feiras.

ATENÇÃO: O conteúdo dessa coluna é de total responsabilidade de seu autor, sendo que as opiniões expressadas não representam necessariamente a posição da SPNet ou de sua equipe de colaboradores.

 

Comentários

comentários