Além das 4 linhas – Oscilações

1
284

É incrível, mas ainda tem muitos torcedores criticando o time do SPFC culpando o atual
treinador pelos problemas que vemos. O time faz um jogo bom e depois um jogo ruim. Perde fora e ganha em casa ou o contrário, imprevisível. Jogadores não conseguem manter uma regularidade. O que pode ser tudo isso?

As explicações já foram todas dadas pelas mais variadas pessoas e das formas mais didáticas possíveis. Eu ouvi o Caio Ribeiro falando assim: Início de temporada foi feito para os clubes ajustarem seus times, com o agravante que existe no Brasil uma grande mudança no elenco de ano a ano. Por isso quando o paulistinha começa, os grandes perdem muitos jogos para os clubes pequenos, pois estes começam a se preparar para a temporada muito mais cedo que os grandes que, muitas vezes, ainda aguardam contratações. O ano vai passando e os times vão crescendo. Em Outubro todos estão no auge, disputando os jogos finais dos campeonatos mais importantes, tudo dentro de um planejamento, certo? Tudo certo, menos para o SPFC.

Nos últimos jogos já estamos vendo o nosso gol mais protegido, conseqüência de treinos e
entrosamento entre Arboleda e Rodrigo. Além disso, Petros, que não é velho no elenco,
começa a se entrosar também. O Hernanes, outro que ajuda a marcar no meio, chegou faz
pouco tempo. Militão tem pouquíssimos jogos na direita, mas conseguiu equilibrar um setor
que os outros dois da posição não faziam com o treinador anterior. Mas a classificação do SPFC no segundo turno é muito melhor do que no primeiro, fruto de trabalho. Pena que não começou em Janeiro como todo mundo. O clube ficou quase o ano todo sem treinador, eita diretoria…

Também muito importante dizer sobre a escalação do Jucilei no último jogo contra o
Flamengo. Duas coisas são importantes a respeito: A primeira foi a chance que o treinador deu ao Lucas Fernandes para se afirmar no time. Todos depositam nele muitas esperanças. A torcida pedia sua escalação. Dorival disse logo que chegou que troca um volante por um meia moderno que marque. Foi o que fez. Deu sequência ao rapaz que andava tendo muitas contusões e nunca tinha tido esta oportunidade tão necessária a um jogador profissional que sonha crescer na carreira que acaba de iniciar. Mas parece que não foi desta vez. O menino não conquistou nossa confiança. Jucilei, que vinha jogando bem, mas sem muita velocidade e dinamismo, voltou ao time fazendo o que é preciso. Parece que ganhará o lugar. Mas é isso o que é bacana em ter elenco com opções.

Agora teremos um novo clássico em “casa” que pode trazer aquela confiança tão necessária a um time em formação. Mais um bom jogo contra o Santos e o time “pode” conquistar o equilíbrio dentro de campo, que passa pelo equilíbrio dentro da cabeça de cada jogador. Todos falam que jogar com a pressão negativa de Z 4 é péssimo, não é a mesma coisa de jogar com a pressão positiva de vitória para conquistar maiores objetivos. A zona da degola traz desequilíbrio emocional e o time não cresce taticamente, tecnicamente e fisicamente. Isso é ciência. É humano. Ainda mais num clube com o passado que tem o tricolor.

Com tantas trocas de jogadores, elenco sem muitas opções, treinador anterior sem nenhuma experiência e diretoria incompetente, o que deveria ser bem feito foi feito na marra: Um treinador com boa carreira chegou e aos poucos arruma a casa para o próximo ano que, espero, seja de um planejamento normal, ou seja, continuidade do trabalho ao longo da temporada.

Salve o tricolor paulista, o clube da Fé.

carlito150x150

Carlito é advogado, trabalha como representante comercial, frequenta o Morumbi desde 1977 e prefere o time que vence ao time que joga bonito. Escreve nesse espaço todas as quintas-feiras.

ATENÇÃO: O conteúdo dessa coluna é de total responsabilidade de seu autor, sendo que as opiniões expressadas não representam necessariamente a posição da SPNet ou de sua equipe de colaboradores.

Comentários

comentários

1 COMENTÁRIO

  1. Indiana Jones

    Parabéns pela coluna, perfeita em todos os pontos, sinceramente cheguei a me emocionar.

    O principal ponto foi o fato de termos ficado o ano inteiro sem treinador e não somente o desmanche que sofremos que com certeza TB atrapalhou.

    A presença nefasta desse elemento há muito tempo vem nos prejudicando, e quando assumiu o cargo de treinador mostrou que não havia respeito pela sua liderança e sim medo de ser queimado como ocorreu com Cuca e Nei Franco.

    O estagiário teve a pré temporada e nada fez, o máximo que conseguiu foi inimizades dentro do elenco, brigas com a imprensa, se queimou com grande parte da torcida e faturou 5 milhões.