Memórias Tricolor #21 – Cara ou coroa, e a moeda caiu em pé!

0
242

De 1936 a 1942 o título Paulista foi dividido somente entre Corinthians e Palmeiras (Palestra Itália), clubes que já colecionavam diversas conquistas deste campeonato, então os dirigentes de ambos os clubes faziam a brincadeira que se decidia o campeão jogando uma moeda…

Dotados de grande soberba, os dirigentes de Corinthians e Palmeiras desdenhavam dos outros clubes, o futebol passara recentemente por uma de suas maiores transformações, a profissionalização. Clubes como o São Paulo Athletic, Paulistano e Germânia (atual Esporte Clube Pinheiros) não aceitaram se profissionalizar e deram início ao São Paulo da Floresta. Com isso Corinthians e Palmeiras passaram a dominar o Campeonato Paulista tendo sua hegemonia quebrada em raros anos.

Então antes do início do Campeonato, como é comum ainda hoje, os dirigentes de todos os clubes participantes se reunem para discutir a regras e regulamento e naquele início de 1943 um dos presentes reclamou que a discussão era muito longa e desnecessária, que bastaria jogar uma moeda para cima e se definir o campeão, pois se cair cara, o campeão seria o alvinegro, e se caisse coroa o alviverde. Atento um diretor do São Paulo questionou “mas e São Paulo?” em tom de grande deboche um dos rivais respondeu: “Só que a moeda cair em pé”.

O São Paulo tinha sido fundado em janeiro de 1930, era a fusão do futebol de 3 grandes equipes, os 3 mais vitoriosos campeões paulista, mas que seus dirigentes não aceitavam a profissionalização. O São Paulo da Floresta nasceu com estádio, foi campeão já em seu 2º ano, 1931, nos demais sempre Vice-Campeão, era rico e mau administrado, logo vieram a dificuldades e em 14 de maio de 1935 parou suas atividade, vindo a ressurgir somente em 16 de dezembro de 35, mas como São Paulo Futebol Clube.

Os anos eram difíceis, os erros do passado não poderiam ser repetidos e então o time não consegui bons resultados, mas os dirigente eram arrojados e em 1942 resolveram inovar e investir no time e trouxeram craques da época: Zezé Procópio, Noronha, Ruy, Zarzur e Sastre, o grande ídolo que os rivais ironizavam chamado de “Desastre”, Sastre era um jogador experiente e foi o líder que o time precisava. Também em 1942 chegou o grande ídolo Leônidas da Silva mas o São Paulo Futebol Clube ficou em 3º lugar..

O que era provocação virou incentivo e após a fundação naquele dezembro de 1935 os dirigentes Tricolores falavam que o São Paulo era o Clube da Fé, nosso nome homenageava a cidade que por sua vez era em homenagem ao Santo Paulo, o São Paulo era de quem acreditava e sonhava longe. E então em 21 de março o campeonato começou para o Tricolor e logo um 4 x 1 contra o Comercial.

Foram 19 jogos, 15 vitórias, 2 empates e 2 derrotas, 63 Gols Marcados e apenas 22 sofridos, os dois últimos duas vitória sendo 2 x 0 contra o Corinthians e 4 x 1 no Santos, e então chegou dia 3 de outubro e o útlimo jogo contra o Palmeiras. O Palco era o Estádio Municipal de São Paulo, Pacaembu, que na época não tinha o atual nome Paulo Machado de Carvalho.

O Palmeiras precisava da vitória, para o São Paulo um empate bastava, mas o Palmeiras era favorito, afinal o campeonato era decidido no Cara ou Coroa, o Palmeiras tinha um grande eleonco formado por:

Oberdan, Junqueira e Osvaldo; Brandao, Og Moreira e Dacumo; Caxambu, Gonzales, Cabeção, Villadoniga e Canhotinho. Técnico: Del Debbio.

O Tricolor era formado por King; Piolim e Virgílio; Zezé Procópio, Zarzur e Noronha; Luizinho, Antonio Sastre, Leônidas, Remo e Pardal. Técnico: Joreca.

Presentes ao Pacaembu mais de 42 mil pessoas, sendo o público pagante formado por 42.143 pessoas. O resultado final 0 x 0, e não é que a MOEDA CAIU EM PÉ.

Para a alegria de nosso presidente Décio Pacheco Pedroso que foi eternizado pelos desenhos de Nino Borges no jornal A Gazeta Esportiva pelo engraçado momento de deboche ao perguntar aos dirigentes rivais: “Mas e o São Paulo?”. Aqueles que no início de 1943 deram gargalhadas ao esnobar o Clube da Fé tinham agora que admitir o São Paulo Futebol Clube era Campeão, a MOEDA CAIU EM PÉ!

Estádio Municipal de São Paulo (Pacaembu), 3 de outubro de 1943, São Paulo Futebol Clube Campeão Paulista, o Primeiro Título de muitos que vieram a seguir.

Gustavo Flemming, 40 anos de amor ao SPFC, é empresário no segmento de pesquisa de mercado e consultoria em marketing.

Contato: [email protected]

ATENÇÃO: O conteúdo dessa coluna é de total responsabilidade de seu autor, sendo que as opiniões expressadas não representam necessariamente a posição dos proprietários da SPNet ou de sua equipe de colaboradores.

Comentários

comentários