Terças Tricolores – Os 90 Anos da Lenda!

1
214

Um dos maiores atletas da história do esporte brasileiro foi o lendário Adhemar Ferreira da Silva, o primeiro bicampeão olímpico do nosso país. Esse ícone do nosso país nasceu no dia 29 de setembro de 1927, na cidade de São Paulo, mais especificamente, no bairro da Casa Verde.

Filho de um ferroviário e de uma cozinheira começou a trabalhar cedo para ajudar nas despesas domésticas. A primeira vez que entrou em uma pista de atletismo foi aos 18 anos, quando um amigo o convidou. E foi paixão a primeira vista.

Passou a treinar o salto triplo nos intervalos de seu trabalho e, sua primeira competição, foi o Troféu Brasil, em 1947. Na ocasião, saltou 13,05 metros. A partir de então, foi só sucesso. Ele se tornou destaque na modalidade e buscou recordes sul americanos e mundiais.

Representou o Brasil nas Olimpíadas de Helsinque, na Finlândia, em 1952, quando conquistou a medalha de ouro. Em uma mesma tarde bate quatro vezes o recorde olímpico. Saltou 16,05 m, 16,09 m, 16,12 m e 16,22 m. Pela primeira vez, um atleta deu uma volta olímpica na pista, para ser aplaudido de perto pelo público. Sua marca superava em 21 cm o recorde anterior, de 16,01 m.

Em 1956, em Melbourne, na Austrália, ficou outra vez com o ouro e estabeleceu novo recorde de 16,35 m. Venceu o campeonato luso brasileiro em Lisboa no ano de 1960. Adhemar foi atleta do São Paulo Futebol Clube e do Clube de Regatas Vasco da Gama. Além disso, foi pentacampeão sul americano e tricampeão pan-americano (1951,1955 e 1959).

Encerrou sua carreira, na prova realizada no Complexo Esportivo do Maracanã, no Rio de Janeiro, no dia 1 de outubro de 1960. No mesmo ano, tuberculoso, é desclassificado nos Jogos de Roma e desde então, não participa mais de Olimpíadas.

Formou-se em Educação Física na Escola do Exército, em Direito na Universidade do Brasil e em Relações Públicas. Entre 1964 e 1967 foi adido cultural na Embaixada Brasileira em Lagos, na Nigéria.

Depois de anos trabalhando para o Estado, em atividades ligadas ao atletismo, assumiu, em 1996, o cargo de coordenador da área de esportes das Faculdades Santana, em São Paulo. Adhemar Ferreira da Silva morreu em São Paulo, São Paulo, no dia 12 de janeiro de 2001.

A grande curiosidade relacionada a Adhemar Ferreira da Silva fica por conta das estrelas amarelas do nosso escudo. Você acha que é por causa das medalhas olímpicas? Errou!

Segundo uma matéria da UOL, “as duas estrelas douradas que aparecem no escudo do São Paulo Futebol Clube não se referem às medalhas olímpicas do saltador Adhemar Ferreira da Silva, e sim aos recordes alcançados pelo atleta em 1952 (olímpico e mundial, nas Olimpíadas de Hensinque) e em 1955 (mundial, alcançado nos Jogos Panamericanos do México)”. Aqui você acha mais informações.

Sabia dessa?

Dúvidas ou reclamações?

@Abroliveira ou [email protected]

Abrahão de Oliveira é jornalista, formado pela Universidade Metodista de São Paulo, dono da @spinfoco, são-paulino e tem o sonho de cobrir um mundial de clubes com o clube do coração. 

Comentários

comentários

1 COMENTÁRIO

  1. O maior atleta brasileiro de todos os tempos. Quebrou recordes numa época com poucos recursos (nada de tênis com fibra de carbono e aminoácidos na dieta).
    Um gigante, aclamado no estádio de Helsinki (os espectadores gritavam “da silva, da silva”).
    Poliglota, exemplo a ser seguido.
    Merecia um monumento no Morumbi. Como disse em outro tópico, infelizmente neste lugar só homenageiam políticos…
    Quem quiser saber mais sobre nossos campeão, recomendo a leitura de”herói por nós”, de Tânia Mara.