Terças Tricolores – O Custo-Benefício de Lucas Pratto

9
1499

No último jogo do São Paulo, lá pelo segundo tempo, o Dorival fez uma substituição tirando o Pratto e colocando o Gilberto em campo. Nada de novo, fora as vaias da torcida para o atacante argentino. Vaias que, até certo ponto, são válidas. Mas que precisam de algumas ressalvas.

Pelo que pude colher de informação, em uma pesquisa rápida pela internet, o jogador possui 12 gols em 48 jogos, sendo que fez seus 9 primeiros gols nos 16 primeiros jogos e apenas 3 gols nos últimos 32. Uma estatística decepcionante, se pararmos para pensar que o goleador custou  6 milhões de euros. O Calleri, por exemplo, com menos tempo de casa, fez 16 gols em 31 jogos.

Não estou dizendo quem é melhor ou pior (na MINHA OPINIÃO, acho o Calleri mais jogador), peço apenas que façamos um levantamento de uma equipe recente que teve algum sucesso e um exercício de raciocínio para compreendermos se as vaias são justas ou não. O nosso principal jogador na Libertadores do ano passado tinha um time aguerrido, isso não é novidade.

Atuando com muita raça chegamos à semifinal da Libertadores e o jogador foi a nossa principal arma, sendo mortal em diversos confrontos e, inclusive, deixando sua marca no Atlético Nacional. Mas é preciso ver como aquele time jogava. Com Bauza no comando, todo torcedor sabia o que esperar: uma defesa forte e um ataque faria um gol para garantir o resultado. Apenas isso, sendo que, sair atrás no placar era terrível, afinal, a chance de virar não era das maiores. Voltando ao time, podemos dizer que a equipe era superior a de hoje.

Michel Bastos, Ganso e Bruno, viveram seus melhores dias naquele campeonato. O primeiro distribuiu assistências e fez gols decisivos; o segundo jogou o que esperamos durante anos e, o terceiro, fez o que se esperava de um lateral. Quem ganhava com isso era o Calleri que, sempre, recebia (e não perdia) chances de gol.  O que quero dizer com tudo isso é: o Calleri tinha quem o servisse, seja pelo chão (Ganso) seja pelos lados, Bastos e Bruno. O resultado foi espetacular, com todos eles se entendendo e gerando muitos gols.

Vamos ao caso do Pratto. Contratado em definitivo para preencher essa lacuna no nosso ataque, ele chegou demonstrando muita qualidade, deixando dois contra o Mirassol, em um jogo que me empolguei de verdade, apesar do empate. Contudo, conforme o tempo foi passando, jogadores saindo, jogadores chegando, seus gols minguaram.

Sumiram por não termos mais um ponta que faça o que o Luiz Araújo fazia? Talvez. Apesar de ser um atleta de velocidade, o Marcos Guilherme tem características diferentes. Os laterais daquela época, Tavares e Bruno, também pararam de jogar o que vinham jogando, prejudicando ainda mais o futebol do gringo.

O nosso meio estava completamente perdido até a chegada do Hernanes que, com o Petros e Jucilei, arrumaram o setor e OBRIGARAM o peruano a jogar. Mesmo assim, dono das bolas paradas, Hernanes e sua liderança/qualidade e poder de decisão, “tirou” ainda mais gols que o Pratto poderia fazer. E, em uma incrível inversão de posições contra o Goianiense, o Pratto cruzou para o H15 fazer o gol de peito. Claro que a culpa não é do Profeta. Seu estilo de jogo sempre foi ser decisivo, fazedor de gols e o dono das bolas paradas.

O que quero dizer é que acredito ser mais má fase (e talvez lesão, como o gringo disse após o jogo) do que um “bonde” por seis milhões de euros. Ele perdeu gols contra o Grêmio e o Botafogo que não poderia ter perdido. Inaceitável e concordo com isso, ele merece críticas por esses lances.

Mas (sempre tem um “mas”) é preciso reconhecer algumas coisas. O Pratto colocou a cara para bater em todos os momentos ruins, deu entrevistas quando ninguém queria e nunca deixou de deixar a vida em campo. Ele teve hombridade e, como diria o Bauza, demonstrou “jerarquia” em um momento complicado. Demonstrou raça, fez mais do que deveria (a função dele é ficar na área, não dar carrinho e ajudar na marcação) e, muitas vezes, por essa vontade exacerbada, deixou de estar na área. Já cheguei a ver o Pratto cruzar para outro jogador tentar o cabeceio quando, obviamente ,o certo era o contrário.

Não tenho jogador de estimação, mas eu reconheço a dignidade, vergonha na cara e respeito quando vejo em campo. E ele teve tudo isso. Acho que ele ficou devendo, com relação aos gols. em 2017, mas sua importância para a fuga do rebaixamento foi imensa. Unindo o time, mostrando respeito ao dar a faixa para o Hernanes e suportando toda e qualquer crítica, sem JAMAIS desrespeitar o companheiro.

Eu cobro, agora, a diretoria. É preciso montar um time digno, que seja capaz de ajudar o atacante de 6 milhões de euros para, AÍ SIM, cobrá-lo com empenho e vaiá-lo, caso vá mal.

Eu manteria o gringo no elenco, mesmo com tudo que citei, E vocês? Fariam diferente? Concordam comigo?

Dúvidas ou reclamações?

@Abroliveira ou [email protected]

Abrahão de Oliveira é jornalista, formado pela Universidade Metodista de São Paulo, dono da @spinfoco, são-paulino e tem o sonho de cobrir um mundial de clubes com o clube do coração.

Comentários

comentários

9 COMENTÁRIOS

  1. Entendo que o Pratto é um bom jogador, nada além disto, a torcida (inclusive eu) depositou uma confiança nele, acreditamos que seria um matador artilheiro, que resolveria nosso fraco desempenho de ataque. Ele começou bem, porém sentiu a falta de um companheiro rápido para preparar jogadas e também de bons laterais para abrir espaço dentro da área. Nosso time não tem jogo pelos lados e um atacante como o Pratto, mais pesado e finalizador, precisa de jogo rápido pelo lado do campo para chegar de frente para o gol, ele não sabe jogar de costas para defesa, mata mal as bolas que chegam e não tem um bom passe. Acredito que se tivermos bons laterais e um jogado de lado mais inteligente que o Marcos Guilherme ele pode render.
    Concordo com os que disseram que o Dorival poupou demais ele das substituições, inclusive quando o Gilberto pedia passagem fazendo gols.

  2. Concordo que é esforçado, mas analisando custo e benéfico temos que levar em consideração que o cara foi contratado para ser o matador, o cara que mete a bola na rede, e o Pratto se você pegar as estatísticas dele, creio que não chega a uma finalização a cada 3 jogos. Deste jeito nem sendo muito bonzinho com ele da para aguentar. O cara finaliza pouquíssimo e ainda nas chances que tem perde gol´s imperdíveis, se fosse o Calleri hoje seria artilheiro do brasileirão com as chances que o Pratto perdeu.

  3. Perfeito Abrahao. O Pratto é um exemplo de caráter e compromisso. Fiquei puto com os Gols que ele perdeu, mas só quem jogou futebol para saber como é.
    Sobre o Bruno cabe observar que o Balza colocava o saudoso Mateus Caramelo para evitar os sustos na defesa, pois o Bruno é horroroso na marcação.
    E o Calleri, para mim, é melhor até que o Maradona!

  4. Com todo respeito ao colunista essa discussão é inócua. Foram pagos 5 milhões de euros, trata-se de um atacante de seleção com viabilidade de ir à próxima Copa do Mundo. Não tem mais o que dizer, é isto. Ademais, a última entrevista dele me pareceu das mais sinceras possíveis… até eles (jogadores) conversam com a diretoria sobre a formação do plantel e ele está disposto a buscar títulos com a camisa Tricolor no próximo ano.

    • Não, não é inócua.

      Talvez você não esteja em contato com a torcida, principalmente nos meios online, mas as reclamações sobre o Pratto são gigantes e recorrentes. Não tenho A MENOR CULPA se ele foi contratado para fazer gols e não os faz. Acredito que mereça mais chances, mas não adianta tapar o sol com a peneira: gols ele não fez e estou tentando descobrir a razão disso. Fim.

  5. Eu venderia a depender do valor a ser pago.

    Ele parou de fazer gols também porque sai muito da área, daí fica difícil. Por mais que o time esteja ruim, ele tem que ficar mais a frente. Prova disso é Gilberto, quase sempre faz seus gols quando entra em campo.