Terças Tricolores – (Mais) Uma Nova Era

1

De novo trocamos de técnico. Dessa vez, na minha humilde opinião, acho que fizemos o correto. Pedi tempo ao Dorival, defendi a proteção que o Raí ofereceu e acho que fomos até onde dava. Mas é inaceitável a apatia do time e três derrotas em três clássicos. É vexatório, inadmissível. Dito isso, vamos ao que interessa: Diego Aguirre.

Para qualquer jornalista de São Paulo, seja ele esportivo ou não, é completamente improvável que se possa dizer algo do trabalho do uruguaio. Ele trabalhou no sul e em Minas, sendo que qualquer outra opinião seja clubista e sem embasamento. Se formos analisar apenas os números, veremos que ele tem mais de 50% de aproveitamento nos dois clubes em que passou, com campanhas de bom nível e times intensos.

Quem não lembra do Galo que fez 2 gols em 15 minutos na gente, naquela Libertadores? Ou do Peñarol que foi vice do Santos de Neymar e etc? Foram trabalhos bem feitos que não culminaram em títulos. As características que posso ressaltar em seu trabalho, pelo que li e pesquisei, são as seguintes:

  • Intensidade: o time vai brigar do começo ao fim, por todas as bolas, independente do resultado;
  • Gols no começo do jogo: O Aguirre gosta de gols no começo do jogo para jogar na segurança o resto da partida. Isso, por tabela, faz com que ele goste de um time rápido e que esteja bem postado atrás. Bom sinal para uma defesa que tem potencial, mas não se acha;
  • Velocidade: É um defensor de jogadas rápidas pelos lados e poucos toques para se chegar à zona de finalização adversária. Para tanto, o meio dos seus times costuma ser ágil e pouco individualista;
  • Os Garotos: Gosta de aproveitar e integrar os meninos da base ao time. Fez isso no Inter e deu boas oportunidades aos rapazes do Galo. Temos bons valores aqui que precisarão de respaldo e contarão com o apoio do uruguaio para trabalhar e mostrar seus respectivos potenciais.

Espero que o Aguirre monte uma equipe comprometida. Ser campeão de algum torneio ou não vai além do que podemos esperar. Mas podemos querer e exigir um time que batalhe, seja rápido e que não aceite perder. O treinador vem com o apoio da diretoria que, hoje, é composta de ídolos. Dizem que foi indicação do Lugano. Mais um motivo para acreditar.

Não peço que apoiem incondicionalmente, mas peço um pouco de tempo. O gringo está pegando uma bomba e precisará trabalhar com cuidado para não sofrer uma pressão antes da hora.

Aguirre, uma boa sorte e uma linda trajetória no SPFC! Torço pelo seu sucesso!

É isso!

Dúvidas ou reclamações?

@Abroliveira ou [email protected]

Abrahão de Oliveira é jornalista, formado pela Universidade Metodista de São Paulo, dono da @spinfoco e são-paulino desde que se conhece por gente.

Comentários

comentários

1 COMENTÁRIO