Além das 4 linhas – Valor dos ingressos

4

Há tempos o valor dos ingressos nos jogos do SPFC me preocupa. Isso porque nossos concorrentes da capital paulista cobram mais caro e com isso faturam mais.

Resultado de imagem para bilheteria morumbi

Quando o SPFC mandou o jogo contra o Corinthians na semifinal do paulista 2018, 42.830 pessoas pagaram ingressos e a renda total foi de R$ 1.488.811,00. No jogo seguinte, com o mando contrário, 43.062 pessoas pagaram ingressos e a renda total foi de R$ 2.603.440,00. No jogo da final entre os dois arqui-rivais, 43.535 pessoas foram ao Petrolão e a renda total foi de R$ 3.182.923,00. Não é preciso ser expert em assunto financeiro para imaginar o que vai com certeza acontecer no futuro: Os rivais terão bem mais dinheiro do que o SPFC.

Bom, no futebol dinheiro quer dizer time. Como fazer isso não acontecer? Temos que colocar na balança que Corinthians e Flamengo recebem mais dinheiro do que o SPFC das TVs. O Palmeiras, o Corinthians e o Flamengo recebem mais dinheiro dos patrocinadores de camisa do que o SPFC. Tudo somado, quando o futuro chegar o SPFC terá perdido a capacidade de concorrer com os rivais. Poderá o mais querido compensar isso com uma melhor administração? No passado isso poderia ser verdade. Mas hoje o esporte passa por ampla profissionalização e neste campo as coisas tendem a ser parelhas.

Como eu não penso apenas no presente, fiquei imaginando cenários para um futuro que pode ser próximo. O Brasil e sua economia já deixou de crescer faz um  certo tempo. Nossa economia patina e com isso investidores, fornecedores, torcedores e etc estão perdendo poder de compra do seu dinheiro frente a países que estão vendo suas economias crescerem mais do que a nossa. Isso também é um perigo. Quando eu era jovem, lá nos anos 80, nossos craques jogavam por aqui, apenas os muito bons saiam. A economia Européia cresceu, depois veio o Japão e agora a China. Grandes indústrias abriram suas portas nestes países, gerando empregos de qualidade com salários elevados. A conseqüência foi o poder de compra da população crescer e todos puderam pagar ingressos mais caros, comprar mais camisas originais,puderam pagar mais jogos na TV sem pirataria e etc. Os clubes ficaram ricos e hoje qualquer jogador médio quer sair do país do futebol e jogar nos países capitalistas onde rola dinheiro.

Este assunto é complexo, mas eu quis deixar aqui uma prévia do que acontece no mundo que fez nosso futebol cair tanto de qualidade. Brincando com amigos outro dia durante um jogo eu disse: Será que no intervalo entram Lucas, Hernanes e Calleri? Sim, não são jogadores top que não poderiam jogar num clube rico da hoje pobre América Latina. Qual a nossa responsabilidade nisso? Serve para refletir como eu ando fazendo. É um bom assunto sem dúvida.

Salve o tricolor paulista, o clube da Fé.

carlito150x150Carlito Sampaio Góes é advogado, trabalha como representante comercial, frequenta o Morumbi desde 1977 e prefere o time que vence ao time que joga bonito. Escreve nesse espaço todas as quintas-feiras.

ATENÇÃO: O conteúdo dessa coluna é de total responsabilidade de seu autor, sendo que as opiniões expressadas não representam necessariamente a posição da SPNet ou de sua equipe de colaboradores.

Comentários

comentários

4 COMENTÁRIOS

  1. Esta situação só vai mudar quando o SP gastar dinheiro com bons jogadores e voltar a ganhar campeonatos. Mesmo que fique endividado por um tempo, tem que pensar no retorno futuro.

    Como cobrar caro por um ingresso com o atual futebol do time? Além disso temos um estádio antigo, enorme e mal utilizado que teve a oportunidade de ser remodelado para a copa de 2014 mas graças à Diretoria não foi.

    Eis a pergunta: Será que haverão investidores para um Clube que há tempos não ganha nada e não possui previsão de melhoria?

  2. Culpado por estes desastres é o atual grupo político capitaneado pelo incompetente do Leco.
    Estamos na contramão da história graças a ele.
    Vende os bons e contrata lixos e bichados a preço de craque com altos salários e na verdade não passam de micos ao clube, sem mencionar as comissões envolvidas.