Rampa B – Os argentinos do São Paulo

194

No histórico recente, o São Paulo não tem se dado bem com jogadores argentinos. Adrián Gonzáles, Cañete e Clemente Rodríguez passaram pelo Morumbi sem deixar saudades. Do atual plantel, Centurión e Calleri chegaram com cartaz de craques, mas ainda não mostraram a que vieram.

Centurión até teve um começo promissor em seus primeiros jogos, mas aos poucos foi decaindo e hoje é um dos nomes mais questionados do grupo. No ano passado passou problemas particulares e chegou a afirmar na imprensa argentina que não estava adaptado ao Tricolor. Com a vinda de Bauza, surgiu uma esperança de que este jogador pudesse render o que se esperava dele, porém suas atuações em 2016 tem sido decepcionantes. E não pode reclamar de falta de oportunidades desde que o treinador argentino chegou. A questão é: vale a pena ter um pouco mais de paciência com Centurión ou já podemos cravar que não é jogador para o São Paulo?

Jonathan Calleri (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)
Jonathan Calleri (Foto: Rubens Chiri/saopaulofc.net)

Calleri chegou fazendo gols bonitos e parecia ser o grande nome do São Paulo pelo menos neste primeiro semestre, já que depois deve ir para a Europa, mas foi engolido pela má fase do time. De qualquer forma, é um jogador com indiscutível qualidade, inteligente e que se movimenta bem em campo. Terá nos três jogos que restam da fase de grupos da Libertadores a oportunidade de ser lembrado como um grande jogador que passou pelo São Paulo, mas se o time não se classificar na principal competição continental o nome Calleri soará apenas como mais um argentino que não deixou saudade. Espero que se concretize a primeira hipótese.


Quem tiver interesse em conhecer os detalhes da conquista do primeiro campeonato brasileiro do São Paulo, recomendo o ótimo livro “São Paulo Campeão Bra­si­leiro 1977”, de Alexandre Giesbrecht.


 

Em 3 de abril de 1994, o São Paulo conquistou o bicampeonato da Recopa Sul-americana ao bater o Botafogo, por 3 a 1, em Kobe, no Japão. Campeão da Libertadores e da Supercopa de 1993, o Tricolor deveria ser campeão da Recopa automaticamente, mas por questões contratuais com patrocinadores a Conmebol convidou o time carioca, campeão da Copa Conmebol, para disputar o título com o São Paulo. Com gols de Leonardo, Guilherme e Euller, o São Paulo garantiu mais um troféu internacional em sua rica história.

O Tricolor de Telê Santana foi bicampeão da Recopa com: Zetti, Vitor, Junior Baiano, Válber e André; Cafu (Axel), Doriva, Palhinha (Juninho) e Leonardo, Euller e Guilherme. Em janeiro de 1995, meses depois daquela partida, um grande terremoto devastou a cidade de Kobe.

https://www.youtube.com/watch?v=r8ahnOZL9xE


Fernando Alécio

Fernando Alécio é jornalista. Fundou a SPNet em 1996. Escreve neste espaço aos domingos.

ATENÇÃO: O conteúdo dessa coluna é de total responsabilidade de seu autor, sendo que as opiniões expressadas não representam necessariamente a posição da SPNet ou de sua equipe de colaboradores.

 

6 COMENTÁRIOS