A Palavra da Corte – Patón: una buena sorpresa!

144

El Patón Bauza es una muy agradable sorpresa!

Salve, salve, Nação Tricolor! E aqui estamos com mais uma Palavra da Corte!

E te pergunto, de verdade: você acreditava que o Patón poderia dar certo? Eu não!

Mesmo chegando com todas as credenciais de bi-campeão da Libertadores, uma coisa é ganhar com LDU e San Lorenzo. Outra coisa é dirigir um dos maiores clubes do mundo!

Quando se dirige um time de menor expressão, a pressão é proporcionalmente menor, ou melhor dizendo, praticamente inexiste! Citando alguns times que nas últimas décadas ganharam títulos – se São Caetano, Bragantino, Ituano, Santo André e internacionalmente falando, Leicester, Tigres, Guarany-PAR entre outros  não ganharem os títulos que disputam, quem vai reclamar? Qual será o tamanho da pressão? Será notícia no mundo a eliminação de alguns desses de um torneio? Certamente não. Com certeza, o será localmente, pois todo time, por menor que seja, tem seus apaixonados, e respeito muito isso!

Agora, dirigir um time tri-campeão da América e do Mundo, há algum tempo sem ganhar um título de expressão, e no meio de uma crise institucional e financeira, com direito a renúncia do presidente (antes que fosse afastado pois de certo seria) e inéditos atrasos de salários, é outra coisa, meu amigo. E não digo só porque sou e escrevo para sãopaulinos. O mesmo seria se Bauza estivesse no Boca ou River, no Nacional ou Peñarol, ou até mesmo no time sem cor aqui de nosso país. Seria diferente o desafio de Bauza.

E Bauza, que disse abertamente que torcia para se segurar no cargo até Julho, para poder montar um time para o Brasileirão, está surpreeendendo a todos, entregando resultados antes do que havia prometido.

É claro que não ganhamos nada ainda. Ou melhor, ganhamos! Quando foi nossa última semifinal de Libertadores? Quando foi nossa última vitória em um clássico (principalmente levando-se em conta a atuação convincente e consistente do time)? Sem dizer nas incríveis surpresas que são Kelvin e Maicon (ou quem aqui vai dar uma de bonzão e dizer que tinha certeza que iriam arrebentar?). A recuperação de Wesley e Michel Bastos. O protagonismo de Ganso. A incrível transformação de Hudson em um jogador de elenco pra capitão do time. O sangue nos olhos do time para ganhar as partidas, o controle quando é pressionado ou até mesmo quando sai perdendo e até jogadores discutindo entre si por bolas perdidas ou por não ter passado a bola – não víamos isso no SPFC creio que há anos!!!

Na minha opinião há ainda coisas que não concordo com Bauza. Ainda acho que deveria aproveitar o tempo de pausa na Libertadores para testar Renan Ribeiro. Ainda acho que insiste demais com Centurion, com a cabeça dura de dizer que Rogério é meia. Mas nesse momento, o que podemos contestar do trabalho de Bauza com os resultados?

Estamos nas semis da Libertadores, com chances reais de passar. Temos um técnico que adora ganhar, não se importa em dizer que não liga pra futebol bonito, que quer é ganhar. E quer saber? De verdade? Acho que chegaremos as finais, muito provavelmente com o Boca. E fazendo um jogo épico em La Bombonera, teremos o tetra campeonato de uma forma fantástica, que a história do Mais Querido mais do que merece. E nós também.

É isso!

Salve o Tricolor Paulista, meu amor hoje e sempre!

artur130

Artur Couto é engenheiro,  sócio-torcedor e sócio do SPFC,  e é administrador da SPNet. Escreve nesse espaço todas as quartas-feiras.

Fale com o Artur no [email protected] ou Twitter @arturcouto

ATENÇÃO: O conteúdo dessa coluna é de total responsabilidade de seu autor, sendo que as opiniões expressadas não representam necessariamente a posição da SPNet ou de sua equipe de colaboradores.

1 COMENTÁRIO

  1. Quando contrataram Bauza logo de cara não era o técnico dos sonhos da torcida, e nem da diretoria: que preferia Sampaoli ou Cuca. Mas quando começou a treinar e manter as suas convicções vi que daria certo. A ele não importa a quem está agradando, o custo disso foi dificuldade de ganhar partidas até ridiculas no Campeonato Paulista, mas era exatamente o torneio que dava pra fazer isso.

    Hoje vejo que o São Paulo pode crescer ainda mais, especialmente no meio-campo.

    A mesma sensação tive com a chegada do Calleri, por puro desconhecimento. Eu pensei, pra que? Se já tem o Kardec? Estava redondamente enganado porque ele será um dos três melhores centroavantes do mundo, em breve.