Prancheta Tricolor – Precisamos falar sobre Juan e a base

1357

Quando Deivid entrou sozinho para superar o Weverton no gol que sacramentou a classificação para a semifinal da Copa do Brasil, no Allianz Parque, tinha recebido a bola de Juan. O chute de fora da área do Luciano na Neo Química Arena, que bateu na trave, nas costas do Cássio e depois entrou, foi após uma assistência do Juan. No Maracanã, no primeiro jogo da final, Juan ajudou um cansado Rafinha a marcar o Bruno Henrique, se sacrificando pelo grupo.

Juan sofreu o pênalti contra o Ituano que impediu a eliminação do São Paulo na primeira fase do Paulista. O atacante entra para ajudar a marcação, cria espaços e é elogiado por todos os treinadores do passado recente do São Paulo, de Rogério Ceni a Zubeldía. Peca ainda na finalização, mas seus gols perdidos são sempre amplificados – Luciano e Calleri também perderam gols ridículos nos últimos meses.

A torcida do São Paulo adora pegar jogadores da base para bode expiatório. O da vez é o Juan, atacante de 22 anos, mas já foi Gabriel Sara, o “Astronauta”, eleito o melhor jogador da temporada da segunda divisão inglesa, já foi Rodrigo Nestor, autor do gol mais importante do São Paulo dos últimos 18 anos, e, acreditem, até mesmo Casemiro e Kaká, em um passado mais distante.

Ironicamente existe uma paciência maior para medalhões ou jogadores medianos, que até tiveram bons momentos com a camisa tricolor, mas que caíram no gosto da torcida, talvez por não ter saído dos campos de Cotia. Um exemplo óbvio, e recente, é James Rodríguez, que jamais fez um décimo do que Juan com a camisa do São Paulo, mas volta e meia retorna às bocas de torcedores que, sabe-se lá por qual motivo, defendem sua presença em campo.

Publicidade

Outro foi levado recentemente aos tópicos mais comentados da rede social do bilionário por ter rescindido contrato com seu time da MLS: Rigoni. O argentino chegou e desandou a fazer gols com a camisa tricolor com Crespo como treinador, mas logo passou a perder na mesma intensidade. Alguns até piores do que os de Juan. E tem torcedor pedindo o seu retorno, sabe-se lá por qual motivo.

Posso citar inúmeros exemplos de jogadores pedidos pela torcida por um período de glória recente – Pato, Maicon “God of Zaga” – e jogadores da base extremamente criticados por alguns erros comuns em atletas em formação – Nathan, Patryck. Por que tanta falta de paciência com Cotia e tanta complacência com quem vem de fora?

Não acho que Juan será um craque, longe disso. Mas é um jogador extremamente útil para o elenco, capaz de fazer diversas funções em campo e com uma força física importante para atacantes. E aqui deixo as palavras de Luis Zubeldía sobre ele:

“É um jogador que permanentemente está dando opções profundas, tratando de marcar um movimento profundo. Depois, sempre digo o que passei com o Cano, no Lanús, onde tinha o Pepe Sand, que foi um goleador na Argentina. Eles, às vezes, terminam dando os gols que têm de dar, mas que a princípio erram. Passei isso com o Cano. Perguntem a ele como foi o processo. Claro que esperam gols dos atacantes, mas também têm de entender que às vezes isso não é tudo, porque o movimento, o espaço que pode nos dar o atacante, nesse caso o Juan, se ele não faz o gol, pode dar para quem está ao redor”.

Juan, Patryck e Rodriguinho são três atletas que Zubeldía tem tudo para fazer crescer, por terem bom histórico na base e demonstrarem bons fundamentos como profissionais. Estão prontos? Não. Mas podem compor elenco e, quem sabe?, até assumir a titularidade. Alisson é um exemplo de superação – e este foi xingado, mesmo sem ser de Cotia e é a exceção que confirma a regra deste texto.

Este texto foi inspirado em um post do Gustavo Nic (@gustavonic_)

André Barros é jornalista e são-paulino, não necessariamente nesta ordem.