Além das 4 linhas – O artilheiro

751

A consequência do Pablo não ter jogado incríveis 19 partidas dentro deste BR19 é o Reinaldo ser o vice artilheiro do time. Tá certo que o lateral tem bons números, mas a ausência das peças principais do elenco em grande parte das partidas colabora para o fato dele ser o vice. O fato de ter feito o número de gols que fez no ano é inegavelmente muito bom.

Hernanes não jogou muitas partidas e ainda não joga o que pode e pouco fez gols. Rojas não jogou em 2019. O Everton também luta contra constantes lesões. Pato não jogou várias partidas e fez poucos gols e Pablo é o grande problema do elenco. Estamos falando de todo o ataque titular com exceção do Antony, que também não anda rendendo o que pode e se ausentando por convocações. É demais! Além do Liziero que perdeu muitas partidas e não conseguiu ter uma sequencia ainda. Há alguns dias um programa do SporTv tratava disso como assunto de todo o clube. Dizia que o SPFC procura as razões para tantas lesões no elenco. Mas a avaliação é de que não há uma solução simples, pois direta ou indiretamente estão envolvidos no processo: O técnico, preparadores físicos, fisiologistas, médicos, fisioterapeutas e jogadores. A troca constante no comando técnico em 2018 e 2019 é um item importante nesta equação. Como sempre chegamos à mesma conclusão: O SPFC só tem um problema: A má gestão.

No momento que escrevo esta coluna leio a coluna do PVC que vem a corroborar com os meus pensamentos. Ele destaca que em 2019 o SPFC tem o pior ataque de todos os tempos. Vejam o texto no link a seguir(https://pvc.blogosfera.uol.com.br/2019/10/16/sao-paulo-chega-ao-jogo-50-no-ano-com-seu-pior-ataque-na-historia/). E os motivos são as ausências de jogadores, troca de treinadores e etc como já escrito acima.

Felizmente temos boas notícias também, já que vencemos mais um clássico dentro deste BR e com boas atuações de Igor e Luan, dois moleques bons de bola. A jogada do gol foi toda construída pelo Vítor Bueno que tocou para Hernanes da esquerda para o meio e correu para a parte direita dentro da grande área e recebeu de volta a bola num passe que só os bons podem dar. O time cresceu, como era de se esperar, já que não andava jogando nada. Ter a melhor defesa do campeonato é muito bom. O caminho natural agora é ajustar o meio de campo e depois o ataque. Para isso os jogadores precisam ter uma boa sequencia de jogos, coisa difícil no complicado SPFC de hoje em dia. Luan, Tchê, Liziero, Hernanes e Daniel são as principais peças do meio e possuem poucas partidas juntos. Com o ataque acontece a mesma coisa. Felizmente a defesa tem repetido escalações e o resultado é claro. O elenco do SPFC é forte e reconhecido, talvez o único ponto forte desta administração, que depois de jogar muito dinheiro fora trazendo e dispensando um monte de gente, parece ter conseguido montar um bom grupo. Como fazer uma boa administração deste elenco é que tem sido o ponto fraco.

No clássico a renda e o público foram bons. O horário do jogo eu não gosto. É muito importante manter boa presença e boa arrecadação se pretendemos nos manter no grupo dos fortes. Na verdade tenho a preocupação de o Flamengo tornar-se forte demais dentro do nosso futebol, já que a diferença de faturamento geral deles em relação ao SPFC é gigante e isso é o que explica o elenco que possuem. O SPFC pode reverter isso com uma ótima administração, mas é justamente isso o que não vem ocorrendo há muitos anos. Na verdade a política manda no clube em detrimento do lado profissional. Como uma grande e vitoriosa organização o SPFC deveria direcionar-se para a profissionalização total, com a separação do futebol profissional masculino de todas as demais áreas do clube. O que não existe neste mundo são meias verdades. Se o clube quer seu lugar no topo deve procurar a excelência, assim como todos nós.

Salve o tricolor paulista, o clube da fé.

Carlito Sampaio Góes