Além das 4 linhas – Sem ilusão

1771

Eu não tenho a mínima ilusão sobre o ano de 2020 do SPFC. Ao que tudo indica o ano terá um  treinador sem uma única conquista na curta e inexpressiva carreira. Será também um ano para refletirmos sobre os rumos que o clube poderá seguir com a eleição do fim do ano. Aqui sim um fato importante e que pode mudar o rumo da história recente.

A última vitória em casa no ano, contra o fraco e mal treinado Internacional, mostrou que se estivéssemos no mata-mata o time gaúcho teria eliminado o tricolor paulista já que fora de casa fomos derrotados por 1 x 0 e em casa vencemos por 2 x 1. Tudo indica que Antony, o nome do jogo, não estará no SPFC de 2020. É uma baixa considerável. O ataque, que foi o grande problema do ano, perderá seu principal nome. Para piorar, os nomes que temos para o setor não conseguiram emplacar neste ano e são as grandes incógnitas do momento tricolor. A nossa defesa vai bem, é pouco vazada. Mas Hernanes, o cara da criação e também goleador, Pato, um goleador nato, Everton, o cara que pode puxar bons ataques e Rojas, um velocista, são jogadores que nada podemos afirmar sobre o futuro. Isso é grave e por isso preocupa.

Mais uma verdade triste sobre 2019 é que não ficamos no famoso e planejado G4, ficamos no G6 e estamos na fase de grupos da Libertadores por conta das conquistas de dois clubes. Aliás, como escrevi semana passada, vejo no Atlético-PR um exemplo de boa administração com pouco dinheiro. Vejo a mesma coisa no Grêmio-RS. Dois clubes com menos recursos financeiros que o SPFC que estão conquistando mais do que o mais querido clube brasileiro. Qual o segredo disso? Simplesmente a boa administração. O Leco na realidade não sabe tocar um clube de futebol. O que falar de um presidente que teve 7 treinadores em 2 anos?

Vamos entrar em 2020 com algumas mudanças em vista. Podem sair Jucilei, Hudson, Arboleda, Liziero e Antony. Hernanes tem problemas particulares e não rendeu em 2019 uma fração do que pode.  Fez muita falta. Como citei acima, Everton e Pato são grandes interrogações e custam caro para o clube. Esse é um problema extra, pois, junto de Hudson e Jucilei, nada ou quase nada produzem e muito custam. São questões espinhosas e precisam de solução para não complicarem o próximo ano. Com o dinheiro desta galera, o clube pode trazer outros bons como eles, mas que joguem.

Eu acho um erro não contratar um treinador de ponta. Todos os títulos importantes da nossa história foram conquistados por bons times e bons treinadores. No futebol não tem milagres e o SPFC nunca ganhou nada sem merecer, é nossa característica. Tem clube que ganha com gol chorado, com ajuda de juiz ou de forma estranha. O SPFC não é assim.

Eu vejo claramente um monte de gente boa fora do clube hoje só por conta do Leco, a começar pelo Muricy e pelo Rogério Ceni. O MAC para mim deveria ser o presidente, pois é um cara com longa história no futebol, que todo mundo gosta e respeita. O Muricy deveria ser o cara logo acima do treinador, um cara que sabe lidar com jogador e tem longa experiência para poder fazer a ligação entre jogadores, comissão e diretoria. Muricy é um cara sério e que iria trabalhar muito bem o elenco. Quem sabe em 2021 o treinador já possa ser o RC?

Salve o tricolor paulista, o clube da fé.

Carlito Sampaio Góes