Além das 4 linhas – Vender, vender, vender…

225

Na semana passada escrevi sobre a transformação que teve o Liverpool após ter seu controle passado para as mãos de uma empresa norte-americana. Esta transformação foi geral, dentro e fora de campo, inclusive no estádio, em um clube que não vencia o campeonato Inglês há 30 anos. Disse que eu considero positivo ao SPFC se isso também ocorresse no mais querido clube brasileiro.

Uma administração profissional seria uma reviravolta no clube e no futebol de todo o país. O mundo globalizado coloca o Brasil no foco de muita gente e de muitas atividades econômicas. Aqui o futebol é produto de primeira linha, talvez o melhor produto que temos desde sempre. Abrir nosso futebol a quem saiba fazer dele um negócio lucrativo e vencedor de fato seria uma coisa maravilhosa a todos, bem diferente  do que vemos no clube. E se vemos isso no clube há anos, isso significa que a atual gestão não é capaz de fazer muito diferente disso que está aí, que, na realidade, não é bom para quase ninguém. Talvez para a diretoria seja bom, afinal, eles querem continuar presidindo o clube, não é mesmo?

Por exemplo, graças aos maus resultados dos últimos anos, sempre escutamos que o clube precisa vender jogador. As bolas da vez são Antony, já vendido, Liziero e Igor Gomes.  Para quem é bom a saída destes 3 bons jogadores? Se o clube vai bem, eles seriam vendidos tão rapidamente? Eu acho que seriam vendidos após deixarem frutos esportivos também, além dos frutos financeiros, afinal, o futebol pode e deve ser visto como um negócio também.

O ciclo vicioso instalou-se no clube de forma a não querer sair e pela maneira como o clube é administrado parece até  que muitos querem que isso esteja acontecendo. É preciso inverter a roda e para isso é preciso mudar muita coisa, a começar pela gestão. O futebol mudou, hoje é um negócio que movimenta bilhões de dólares no mundo todo e, como eu disse,  o Brasil continua a ser o  grande celeiro, o lugar onde se joga o melhor futebol. No mundo não existe uma nacionalidade com tantos jogadores de alto nível jogando em tantos clubes de ponta mundo afora. É preciso gente graúda que saiba fazer deste limão uma ótima e doce limonada, e não me parece que temos este tipo de gente no comando nos últimos anos. Afinal, citando de novo o Liverpool, lá o clube mudou a gestão e o resto veio atrás de forma forte e muito vitoriosa. É o mesmo clube, só que bem administrado.

Estou convencido que esta mudança não virá de dentro para fora, será preciso a torcida cobrar uma transformação gigantesca dentro do SPFC. A mídia precisa passar a mostrar os caminhos que o mundo trilhou para fazer do futebol um negócio de muito dinheiro e sucesso. Nós torcedores podemos fazer nossa parte e começarmos a ler no Google o que fizeram os clubes da Europa, China, Japão, Estados Unidos, Argentina, México, Arábia e demais locais para terem dinheiro e virem aqui buscar nossos jogadores. Nós, ao invés de ficarmos falando que as vendas são um caminho natural, precisamos passar a nos questionar a como fazermos isso por aqui também. Por onde começa e continua a transformação que tanto precisamos?

Salve o tricolor paulista, o clube da fé.

Carlito Sampaio Góes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor entre com seu comentário!
Entre seu nome aqui

2 × 1 =