Além das 4 linhas – Crespo

443

O time sensação do campeonato paulista virou um time comum. Mas o que houve? Segundo dizem alguns que conhecem os bastidores do SPFC e entendem de futebol a grande questão é preparo físico ainda. O que acontece? O sistema de jogo que encantou a todos no início do ano não pode ser colocado em prática por conta de o elenco não aguentar. Simples assim. A preparação física de todos sofreu uma freada para não estourar. O treinador não consegue colocar seu método de jogo no clube neste momento.

No curto prazo dificilmente um treinador consegue mudar seu modo de jogar. O que fez o SPFC no paulista foi sensacional, isso é reconhecido. Aquele é o jeito Crespo de jogar. Ele trabalha assim e funciona, foi isso que fez Muricy o escolher. O elenco está sendo moldado para isso. O treinador tem contrato para mais uma temporada e o projeto era ganhar o Paulista e ir até onde foi nas copas. Ponto, foi feito. O que está fora do imaginado é o fraco futebol e a má classificação no BR21. O fato é que tudo indica que será um G9 este ano e o clube diz que precisa ir para a Libertadores 2022 por questões financeiras. A enorme pressão sobre o Argentino é para o futebol melhorar para garantir a classificação.

Crespo tem tentado alterar o modo de jogar, mas esbarra no preparo físico e na qualidade dos jogadores, além da dificuldade natural de fazer isso com o campeonato andando e sem tempo para treinar. Luciano e Calleri fora de forma. Lateral direita sem opção. O meia Benitez fora de forma e quando Igor joga nada produz de positivo. Sara também não anda ajudando. A defesa e o ataque estão fracos e o motivo é falta de preparo físico para colocar em prático o que tão bem funcionou no início do ano. Vão dispensar um treinador com ideia de futebol tão boa? Eu jamais faria isso. Acredito que condição para ir à Libertadores o time tem. Infelizmente não sabemos de tudo, mas neste momento a pressão é grande. Muricy tenta segurar o treinador, mas classificar o time para um financeiramente bom 2022 é fundamental. O futebol é terrível por questões emocionais, mas a questão financeira que assola o clube pesa e muito. Mas falemos a verdade: Mudar treinador agora é loucura. Nos últimos 13 anos foram 19 treinadores. Isso é loucura. Deixa o cara aí caramba!!!

Publicidade

Eu não queria estar na pele do velho e bom são paulino Muricy. Eu sou leigo, sei o que ouço os comentaristas que confio dizerem. Sou apenas um torcedor que tenta dar voz a uma parcela da nossa gigantesca torcida. E digo com clareza: Eu ficaria com Crespo salvo se um outro bom treinador também estrangeiro pudesse vir. Mas isso adiantaria alguma coisa? Pelo que ouço com problemas físicos o drama está instalado no Morumbi e nada mudaria com novo treinador. Mais uma vez digo: Sair de uma grave crise é muito difícil em qualquer lugar onde apenas a razão manda. Num lugar onde além da razão existe a emoção o quadro é dramático.

Olhando para a tabela de classificação o SPFC está a apenas 2 pontos do nono colocado. Faltando 16 jogos para o final vejo totais condições se Luciano e Calleri puderem jogar bem, além do Benitez, claro. O meio de campo é o lugar onde se ganham os jogos. O cara da ligação é fundamental, mas o vejo fora das partidas a toda hora e nada se fala sobre se o fato é falta de preparo e quando isso poderá acontecer. Mas mesmo com Benitez, a questão do resto do time e a falta de preparo físico para imprimir em campo o estilo de jogo do treinador é um drama gigante. Os treinadores acreditam nos seus dogmas e ficam com eles. Foi assim com Diniz. É assim que o português comanda nosso vizinho de CT. É assim que o treinador da seleção faz. Foi assim com mestre Telê e com todos. Muricy sabe disso e deve estar tentando internamente botar a rapaziada para jogar. Já houve mudanças no jeito de jogar, mas não vem dando certo. O fato é que são os caras que entram em campo e a cada partida que se encerra as críticas são sempre sobre o desempenho de cada jogador, mas conta vai pro treinador. O clube não tem estrutura de recuperação, mas a conta vai pro treinador.

Sinceramente não sei onde isso vai dar. O jogo contra o Santos é chave. Em casa o resultado pesa mais, mas propor o jogo em casa pede um preparo físico melhor. Que fase!

Salve o tricolor paulista, o clube da fé.

Carlito Sampaio Góes