Além das 4 linhas – Treinador 3

198

Fui obrigado a escrever a parte 3 desta reflexão sobre as escalações que faz RC no SPFC. Na última coluna eu disse do risco de jogar sem volantes de marcação e previ o time atuando sem este homem contra o Coritiba. Mas RC me surpreendeu ao escalar um meio de campo clássico com Luan, Nestor e Igor Gomes. E para completar a alegria, Luan teve a atuação elogiada como a melhor entre os tricolores naquela partida. Tomara a contusão de agora seja leve.

Se RC pretende mesmo continuar a atuar com 3 zagueiros, o time está muito perto do ideal possível, já que Sara está fora, um titular do nosso treinador. Eu lamento o elenco ter peças que não rendem o esperado e com isso não jogam, casos de Patrick e Rigoni, sem contar o Nikão, que também não embalou. Juntando estes caras a Eder, é muita gente ganhando bem e jogando pouco. Eu confio na capacidade do Muricy e do RC de formarem um elenco, mesmo tendo o clube a dificuldade financeira que tem. Tenho certeza de que o tricolor tentará se livrar de Eder, Rigoni, Toró e Gabriel. Infelizmente Miranda tem certa idade, apesar de ter jogado muito bem contra o Coxa, mas é um jogador que tem salário alto e pode dar lugar a atleta mais jovem no elenco, aguardemos os próximos capítulos.

A recuperação do futebol do Luan é certamente uma ótima notícia, pois trata-se do titular absoluto da posição. O Colorado vai disputar a posição de segundo volante com o Nestor. O terceiro do meio de campo, hoje o Igor, disputará posição com André Anderson, Patrick, Nikão  e Alisson, caso o treinador insista no 3.5.2. Na frente vem outro assunto sério, o parceiro para Calleri. Luciano e Calleri, a dupla titular, não tem dado liga, diga-se a verdade. Eu penso que o parceiro ideal para nosso artilheiro seria um cara de velocidade e goleador, tipo Lucas, Luis Araújo e etc. Eu gosto muito do sistema 3.5.2 por claras razões, a começar pelo sucesso que fez no SPFC. Isso não impede de haver alteração do sistema. O treinador pode fazer isso em função das peças disponíveis ou do adversário.

Publicidade

E este é o assunto do momento: A falta de opção para o treinador. Pouco rendimento de alguns e contusões estão me deixando preocupado. Li esta semana que o clube procura por 4 atletas, um zagueiro, um primeiro volante, um camisa 9 para revezar com o Calleri e um cara de velocidade. Mas já estamos no meio do ano e Patrick e Nikão, contratações importantes para o atual momento tricolor, ainda não rendem e se machucam. O SPFC tem bolso pequeno, não pode escolher livremente, e quando contrata, o cara tem que render. A maior decepção é Rigoni, pelo que vi nos primeiros jogos dele no tricolor. Mas foi fogo de palha, logo apagou.

Tivemos uma vitória em casa, o que transformou o SPFC no melhor mandante desta edição do BR, coisa importante, apesar de ter sido o pior jogo do time. Fez os 3 pontos, um alento. Mas agora temos o jogo no RJ e uma vitória seria espetacular. Eu encontro gente reclamando, mas será que é para reclamar do desempenho do time com os problemas que tem o clube? Eu vejo o SPFC bem pelo que pode, sinceramente. Continuando a fazer trabalho sério no departamento de futebol em breve o clube estará no seu lugar, e isso não será, como não tem sido, uma coisa rápida. Eu vejo concorrentes contratando jogador caro, pagando salário alto, trazendo treinador de fora do país e etc, isso o nosso mais querido ainda não pode, e só brigará com os demais quando puder. O RC pede um ponta desde o dia em que chegou. O CebolInha está louco para voltar ao Brasil. Mas o SPFC pode pagar os R$ 80 milhões que o Flamengo está pagando? Pode pagar o salário dele depois?

Tem muito trabalho, muito chão pela frente.

Salve o tricolor paulista, o clube da fé.

Carlito Sampaio Góes