Opinião Tricolor – Raí Raiz

385

Salve nação tricolor.

O final de ano chega com gosto amargo, mais uma vez, para o torcedor são-paulino.

Porém, o segredo da vida, em qualquer segmento (no futebol não seria diferente), é olhar sempre para a frente. Os erros devem ser mais aprendizado, do que arrependimento.

Assim, diante de uma perpetuação do poder que faz tanto mal ao SPFC, surge a esperança de Raí.

Resultado de imagem para rai dirigente

Cidadão do mundo, diferenciado, no trato com a bola enquanto jogador e no abrir de portas, enquanto homem de sucesso.

DNA são-paulino, na polidez, educação, inteligência e respeito ao vermelho, branco e preto. Desde os tempos da sua formação no Botinha, de Ribeirão, que foi a vitrine para o maior tricolor do mundo.

No São Paulo, o irmão de Sócrates se tornou o Terror do Morumbi. Sim, o Magrão que se tornou irmão de Raí.

Conquistou tudo ao alcance de um atleta brasileiro. O estado, o país, a América, o mundo.

A Europa o chamou. Com classe, fez Paris se curvar.

Anos após, voltou ao seu lar para, mais uma vez, calar o rival alvi-negro.

O tempo passou. Gol de letra na vida.

Então, o desafio mais uma vez, agora, na condição de dirigente.

Recuperar a grandeza do maior clube brasileiro é um desafio titânico. Mas Raí não estará sozinho. Dessa vez, ao contrário da política, prevaleceu a capacidade de lutar pelo SPFC, em uma decisão diretiva.

Milhões estarão com o rei Raí.

Boa sorte!

Saudações Tricolores.

Carlos PortCarlos Port, idealizador do projeto Opinião Tricolor. Dois bacharelados na profissão de administrador, especialização em comunicação, neto e filho de são-paulinos, paulistano, patriota. No Twitter: @carlosport

ATENÇÃO: O conteúdo dessa coluna é de total responsabilidade de seu autor, sendo que as opiniões expressadas não representam necessariamente a posição da SPNet ou de sua equipe de colaboradores.