Endividado, São Paulo reduziu valor de Rodrigo Caio para amenizar crise

56

GloboEsporte.com – João Gabriel Rodrigues e Marcelo Prado

Rodrigo Caio São Paulo (Foto: Site oficial do SPFC)Valorizado, Rodrigo Caio deverá deixar o São Paulo no mês de julho (Foto: Site oficial do SPFC)

Os direitos de imagem estão atrasados há dois meses. O clube completará no mês que vem a marca de um ano sem patrocinador master. Por isso, a venda de jogadores é a alternativa para o São Paulo começar a colocar a casa em ordem. Tanto que o clube mudou de postura e fechou a venda do polivalente Rodrigo Caio por um valor menor do que o desejado inicialmente pelo presidente Carlos Miguel Aidar.

O mandatário queria € 20 milhões (R$ 70 milhões), mas fechou negócio por € 12,5 milhões (R$ 44 milhões). Se o atleta cumprir as metas que serão estipuladas no seu contrato, o Tricolor receberá mais € 2,5 milhões (R$ 9 milhões). O negócio será confirmado pela diretoria tricolor nos próximos dias, mas não está definido quando o atleta irá se apresentar ao novo clube. Isso porque, por um pedido do técnico Juan Carlos Osorio, o São Paulo tenta segurar o atleta até o final da temporada, em dezembro.

.A venda de Rodrigo Caio será muito bem recebida, principalmente porque os débitos com os atletas poderão ser quitados. O zagueiro Dória falou sobre o assunto na coletiva de quarta-feira e deu uma cutucada na diretoria tricolor.

– Vamos perder um grande jogador, mas quem está aqui tem tudo para suprir ausência dele. E, se ele sair também vai ajudar a pagar o salário de quem está atrasado. Inclusive o meu. Já vieram nos falar sobre possíveis soluções. Isso nos deixa tranquilos para confiar neles. Uma coisa é “deixar a Bangu” e pagar quando quiser. E outra é dar explicações – afirmou o defensor.

São Paulo negocia com empresas que saldariam a dívida total, estimada em R$ 160 milhões. Em troca, o novo parceiro ficaria por longo tempo com a receita da venda de ingressos ou do clube social.

O São Paulo procura maneiras de arrumar sua vida financeira. A dívida é estimada em R$ 160 milhões. Mensalmente, o clube gasta R$ 8 milhões em bancos, sendo R$ 5,2 milhões de parcelas de empréstimos e R$ 2,8 milhões de juros. A folha salarial é de R$ 8 milhões, sendo R$ 5,6 milhões relativos ao pagamento em carteira e R$ 2,4 milhões de direitos de imagem. Com isso, todos os meses o clube começa com um débito de R$ 16 milhões.

O presidente Carlos Miguel Aidar conversa com várias empresas que estariam interessadas em pagar o valor total da dívida do clube, estimada em R$ 160 milhões. Em troca, o novo parceiro ficaria por um longo tempo (algo em torno de 15 a 20 anos) com a receita da bilheteria dos jogos ou do clube social. O mandatário tricolor mostra otimismo e acredita que, sem a dívida bancária, o clube consegue se sustentar mesmo se perder uma de suas fontes de receita.