Após ano mais difícil da carreira, Denis quer aproveitar desafio final

33

GazetaEsportiva.net

Tomás Rosolino

Denis será o titular da equipe na partida contra o Cruzeiro, no Mineirão (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)
Denis será o titular da equipe na partida contra o Cruzeiro, no Mineirão (Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

O goleiro Denis não é novidade para o torcedor são-paulino, mas vive dias de iniciante no São Paulo. Apesar de já ter substituído Rogério Ceni em 90 oportunidades desde a sua chegada, em 2009, ele tem no duelo contra o Cruzeiro, neste domingo, no Mineirão, talvez sua última chance antes de, enfim, ser o goleiro titular do clube, já que o capitão tricolor tem aposentadoria marcada para o dia 6 de dezembro.

Por isso, o arqueiro vê com grande expectativa aquele que seria seu desafio final antes da iminente titularidade, principalmente devido ao tempo que ficou parado desde fevereiro. Na ocasião, teve de realizar uma cirurgia no ombro direito que o tirou de combate por oito meses.

“Foi o ano mais difícil para mim. Ficar todo esse tempo parado foi muito difícil”, relatou, explicando que não tem por que sentir a pressão justamente agora. “É só também o primeiro o desafio depois de uma cirurgia, mas já foram 90 jogos até hoje, sempre substituindo o Rogério. Fico feliz a cada vez que entro em campo e tento substituí-lo à altura”, comentou o jogador, sem confiar na aposentadoria do camisa 1, mesmo com o companheiro assegurando que não continuará a jogar em 2016 por mais de uma vez.

“Eu vou ter a minha oportunidade de jogar. Mas não sei como vai acontecer no ano que vem, não sei nem se o Rogério vai parar no final do ano. Ele não comentou isso com ninguém, nem comigo nem com qualquer outra pessoa, acho. Mas estou aí, me preparando para, quando tiver a chance, fazer o meu melhor”, contou.

Colocado como titular tanto diante do Sport e já confirmado na meta para o embate em Minas Gerais exatamente pelo tempo de casa, fator considerado como diferencial pelo técnico Doriva, ele deixa claro que não se considera à frente de Renan Ribeiro na briga para ser o titular no ano que vem.

“Venho mostrando meu trabalho nesses anos, não estou nem a frente nem atrás. Sou um cara de 28 anos, nem velho nem novo. É uma gratificação muito grande depois de sete anos eu ter minha oportunidade como titular. Temos de estar tranquilos para a aquele que entrar dar conta do trabalho”, disse, mantendo viva a disputa com o concorrente, três anos mais jovem.

“Acho que a equipe está bem servida de goleiros, sim. Tanto eu quanto o Renan estamos preparados para quando o Rogério parar. Enquanto isso não é definido, vamos continuar trabalhando para quando as oportunidades surgirem, eu entrar em campo e poder fazer meu melhor”, encerrou.

1 COMENTÁRIO