Sofrer na fase de grupos ensinou o São Paulo a lutar

152

ESPNFC.com

Pedro Cuenca

O São Paulo chegou na Libertadores sem grandes expectativas, ainda mais pelo conturbado ano de 2015 que teve. Na primeira fase, contra o César Vallejo, muito sofrimento e uma classificação suada, na marra, na vontade. Chegamos, enfim, na fase de grupos, aquela que moldou o caráter do time nesta temporada.

A fase de grupos do São Paulo não foi nada fácil. Logo de cara, derrota em casa para o The Strongest e dois amargos empates como visitante. A reação veio na fase final e garantiu a classificação. No último jogo, contra os bolivianos, lá na altitude, o maior drama.

A partida contra o The Strongest, fora de casa, foi fundamental para uma virada do São Paulo na Libertadores. Empolgado pela vitória contra o River Plate e o apoio da torcida, o time entrou com uma vontade absurda e sem temer a altitude. Jogadores questionados pela torcida estavam dando carrinhos, brigando em campo e mostrando vontade. Mesmo com confusões, goleiro expulso, falta de ar e outros problemas mais, o time se aguentou e passou de fase, ficou cascudo, duro de aguentar.

Confusões, aliás, mostram quem é o novo São Paulo. Jogadores do River quiseram porrada no Morumbi, assim como os atletas do The Strongest, na Bolívia. Em ambos os casos, os tricolores não abaixaram a cabeça, mostraram união e se ajudaram. Um reflexo de como está o elenco.

 

Rubens Chiri / São Paulo FC

Rubens Chiri / São Paulo FC
Um reflexo do novo São Paulo: unido e pronto para vencer

 
Contra o Toluca, não podemos negar que foi a melhor apresentação do São Paulo no ano. Diria que a melhor do time em muitos anos, convenhamos. Foi uma aula de futebol. Antes de atacar, o time tem marcado muito bem, principalmente os volantes, independente de quem estiver em campo.

Ganso, ah, o Ganso. O camisa 10 tricolor vive uma fase única na carreira, esbanjando bom futebol e comandando a equipe de forma magistral. Foi dele, na última partida, o espetacular passe para o gol de Thiago Mendes. Grande momento dele que, há um bom tempo, já merecia pelo menos uma convocação. Aliás, quer saber? Deixe ele brilhar só aqui no São Paulo mesmo.

Michel e Centurión finalmente se redimiram. Criticados pelas fracas apresentações no ano, jogaram bem, marcaram gols e nos ajudaram muito na arrancada nas oitavas de final. Peças discretas na temporada, mas que brilharam muito quando mais precisamos. Assim que sempre queremos os dois, claro.

Ainda não tem nada decidido, pois 90 minutos de futebol ainda vão rolar, mas o São Paulo deu um importante passo para a próxima fase. Depois de tanto sofrer, o Tricolor aprendeu a lutar, aprendeu que time grande não pode tomar tanta porrada, que time com história manda e faz os outros correrem atrás.

Foi bonito de ver, até pareceu o São Paulo de verdade.