Análise SPNet – Por que não Calleri?

2070

Por Eduardo Achar

Na quinta feira dia 25/05, o ex-centroavante tricolor Jonathan Calleri foi dispensado do West Ham e então já começaram os milhares de pedidos para a volta do jogador ao São Paulo.

  • Qual a situação contratual do jogador agora?

Calleri estava emprestado ao West Ham pelo Deportivo Maldonado. E quem é esse Deportivo Maldonado?

Basicamente um clube controlado pelo grupo de empresários que é utilizado para que os empresários possam comprar o passe do jogador, seguindo as regras da FIFA. Algo parecido com o Tombense controlado por Eduardo Uram.

Então, com o fim do empréstimo, o jogador volta a ter seus direitos federativos vinculados ao time da segunda divisão uruguaia. Obviamente Calleri não jogará pelo Deportivo Maldonado, e será repassado a algum outro clube, seja por empréstimo, ou pela sua venda.

Muito provavelmente o atacante deva ser emprestado a algum clube de menor expressão na Europa, para que possa ser vendido posteriormente com lucro para o grupo de empresários, ou venha para algum time argentino/brasileiro de maior expressão.

Aquela velha ladainha de que “no Brasil só jogo em tal clube” a gente sabe que na prática não funciona bem assim, então não se assustem se caso o São Paulo não queira o jogador, ele pinte com a camisa de outro clube em terras tupiniquins…

  • Temos Pratto e precisamos de um meia, qual seria a vantagem?

Para essa questão, eu gostaria de dissociar a resposta em duas vertentes. Primeiro, como o time pode sim funcionar com 2 centroavantes e em segundo, como Pratto pode ser recuado para meia-atacante ou “enganache” como conhecido na Argentina

2.1) Dois centro avantes podem jogar juntos?

SIM. Isso basicamente responde a pergunta, mas vamos a explicação:

Calleri despontou no Boca Junior em 2015, com a chegada de Tévez em julho de 2015, o garoto não sucumbiu a concorrência e permaneceu titular. O então técnico dos Xeneizes, Rodolfo Arruabarrena, armou o time num 4-3-1-2, com 3 volantes, Lodeiro de meia atacante, Tévez e Calleri de centro avantes.

O time foi campeão argentino com uma rodada de antecedência. Carlitos chegou no meio da temporada e marcou 5 gols em 12 jogos na “Primeira División” já Calleri, o coadjuvante que se tornou personagem principal, marcou 10 gols em 27 jogos, sendo artilheiro da equipe no campeonato.

Além dos dois, Chavez e Palacios eram figuras que sempre apareciam nas escalações de Arruabarrena, mantendo os 2 centroavantes.

Trazendo isso para o elenco atual do SPFC, os 3 volantes nós já estamos acostumados (ainda que se possa tirar um deles e colocar Araújo para jogo, já pensou? Cueva, Araújo, Calleri e Pratto?) Cueva faria a função do Lodeiro, explorando os dois centroavantes Calleri e Pratto, ambos com MUITA mobilidade e VONTADE de usar a camisa tricolor, uma característica que tem faltado no elenco atual.

O time supriria o “meia-atacante” tão desejado para dividir as funções com Cueva com mais um atacante. Calleri e Pratto sabem buscar o jogo e poderiam alternar posições durante o jogo. Enquanto um ficaria mais fixo no meio dos zagueiros, o outro poderia receber a bola de Cueva e de frente pro gol, resolver a jogada.

Veja a declaração que Carlitos deu a Fox Sports da Argentina em 2016, após a saída de Calleri

“Me mata o fato de não termos outro 9. Posso jogar assim, mas não conseguirei dar os meus 100% à equipe. Quando jogava com Calleri, ele que disputava a bola com os defensores. Agora sobrou para mim. Calleri fazia o trabalho sujo para mim e me aliviava”

Se para você somente isso não quer dizer que uma formação com 2 centroavantes pode funcionar MUITO BEM e “resolver” nosso ataque sem a necessidade de a vinda de mais um meia, vou enumerar alguns elencos que já funcionaram com dois “9”.

Um dos elencos mais importantes da história são paulina, SPFC de 2005, jogava com dois centroavantes. Na final da Libertadores com Luizão e Amoroso, ambos marcando gol.

No mundial? O eterno Chulapa substitui Luizão. De quem partiu o passe para o eterno gol de mineiro? Ah, do tal do “9”, que jogava com a “14”….

Brasil de 1994 dispensa comentários, Bebeto e Romário, Romário e Bebeto.

2.2) Como Pratto poderia ser deslocado para a “meia”, com a chegada de Calleri?

O Vélez de 2014 explica. Na melhor temporada de Lucas na Argentina, a dupla de ataque do nosso algoz de 94 era formada por Pratto e Mauro Zárate.

Pratto jogava como um segundo atacante. Um “9” mais recuado que o normal. Durante todo o primeiro semestre daquela temporada, Pratto teve a companhia de Mauro Zárate. Juntos marcaram 36 gols. Além de Mauro, Nanni e Caraglio(aquele mesmo) também fizeram companhia ao Urso, que jogando mais atrás do homem de referência, teve 9 assistências durante o ano e para desespero dos que falam que Pratto não funcionaria nessa posição. O craque foi artilheiro da Primeira Divisão Argentina e foi negociado com o Atlético MG no ano seguinte.

Nessa nova posição, Pratto ajudaria Cueva na armação do time, e nós não perderíamos poderio ofensivo, ganharíamos. Se Calleri não é do mesmo nível de Pratto dentro da área nesse momento, tem potencial para ser melhor ainda.

Com a falta de opções para a meia, com Everton Ribeiro indo para o Flamengo, Valdívia para o Galo, a vinda de Calleri pode SIM, arrumar o poderio ofensivo tricolor de vez. Por que não tentar? O jogador tem identificação com o clube, está sem time, e pode ser vantajoso para ambos. Vindo por empréstimo, o jogador pode voltar a ter visibilidade, jogar muita bola como sabe, e ir finalmente para um time grande Europeu, que é o seu grande sonho.

E o São Paulo? Teria de volta um de seus maiores talentos da última década, tão fraca quando comparada com a rica história tricolor e ainda fortaleceria seu elenco para o complexo campeonato brasileiro.

2 COMENTÁRIOS

  1. Os Diretores Velhos e Idiotas não entendem de negociação e principalmente de futebol nunca vão fazer uma contratação importante.
    Temos como exemplo emprestaram o Wellington para o Internacional de graça sendo que ele é tão inutil que foi devolvido, não teve a prioridade para contratar o Valdivia que foi para o Atletico MG.
    Emprestaram o Rogerio para o Sport praticamente de graça depois os idiotas queriam de volta, o que aconteceu o Sport comprou por um preço irrisório.
    Agora eles vão renovar o contrato do Velhugano com um salário digno de zagueiro de 1ª linha de um time grande, para ficar no banco sugando o Tricolor e levando cartão amarelo e tomando o lugar dos outros que tem mais qualidade.
    Estamos nas mãos de uns velhos incompetentes que não almejam um futuro melhor para o Tricolor, com Libertadores que rendem no minimo R$ 20 milhoes para o Clube, mantendo um técnico aprendiz e amador dirigindo o maior time da America e pagando para atletas acabados para o futebol

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor entre com seu comentário!
Entre seu nome aqui

dez + dezenove =