Dorival Jr não define zaga, mas descarta Aderlan contra a Ponte

130

GazetaEsportiva.net

Marcelo Baseggio

O técnico Dorival Jr segue evitando dar pistas sobre a equipe que colocará em campo neste sábado, contra a Ponte Preta, às 19h (de Brasília), no estádio do Morumbi, em partida válida pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após trabalhar com todas as opções disponíveis para compor a dupla de zaga junto de Rodrigo Caio durante essa semana, o comandante são-paulino manteve o mistério, mas deu como certa a ausência de Aderlan, ex-Valencia, que não foi relacionado para esta partida.

“Trabalhei com as três possibilidades. No penúltimo treinamento foi com o Bruno [Alves], trabalhamos com o Lugano e também com o Aderlan, que é o único que não estará em condições porque não foi convocado para esse momento”, disse Dorival Jr.

Chegando ao fim do longo período de treinamentos, Dorival Jr segue escondendo o jogo antes de pegar a Ponte Preta (Foto: Fernando Dantas/Gazeta Press)

Com três cartões amarelos, Arboleda não poderá ir a campo contra a Ponte Preta. Desta forma, o miolo de zaga terá de sofrer modificações. Se com uma sequência a Rodrigo Caio e ao equatoriano o desempenho tricolor não tem sido bom, uma nova parceria na defesa levanta ainda mais questionamentos e faz com que os torcedores mantenham um pé atrás em relação ao que o time pode apresentar contra a Macaca.

Somando 19 gols sofridos nos últimos dez jogos, o São Paulo espera apresentar neste sábado, diante de mais um jogo com boa presença de sua torcida, uma melhora no setor defensivo. Ciente da importância de manter uma boa consistência na parte de trás da equipe, Dorival Jr ainda aguarda o treinamento desta sexta-feira para saber se poderá contar com outras peças importantes, como Jucilei, que ainda é dúvida após receber um choque na coxa esquerda no treino da última segunda-feira.

“Ontem ele treinou normalmente, vamos ver hoje a reação dele em campo”, comentou o treinador sobre o volante.

Por fim, Dorival Jr comentou sobre as carências no elenco. Com a certeza de que não chegará mais reforços ao Morumbi, o treinador terá de se virar com o que tem à disposição para livrar o Tricolor do rebaixamento, e se engana quem pensa que ele está incomodado com a mão de obra limitada.

“Carências todas as equipes têm. Às vezes você pode ter um grande jogador na equipe ou dois na mesma função e esses dois podem não estar apresentando um bom futebol. Temos que procurar as soluções internamente, posicionando um atleta, trazendo um garoto da base. Mas todos nós apresentamos esse tipo de situação e temos que saber conviver. Acho que os clubes tem que ter esse equilíbrio, não ir ao mercado toda a hora”, concluiu.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor entre com seu comentário!
Entre seu nome aqui

11 − 11 =