Enciclopédia: Todos os Treinadores

213
tele-site.png

Por Arquivo Histórico do São Paulo FC

Telê Santana. É o nome que todos logo relacionam a qualquer lista dos melhores técnicos da história do São Paulo. Também pudera, não há como dissociar o nome do grande técnico das maiores vitórias e conquistas do clube. Foram 10 títulos oficiais e outros 11 torneios amistosos vencidos por Telê no Tricolor.

Com 410 jogos no comando do São Paulo, Telê tem uma média de conquista de um título oficial a cada 40 jogos, praticamente. Se considerarmos então as competições amistosas (até por que nesses 410 jogos são consideradas partidas desse tipo), a média se torna absolutamente espantosa: um título a cada 20 jogos!

Publicidade

Nenhum outro técnico possui tantos títulos oficiais pelo Tricolor, confira o ranking:

 

TÍTULOS OFICIAIS

CTTreinadorTorneiosAnoCTTreinadorTorneiosAno
10Telê SantanaBrasileiro19912Paulo AutuoriMundial2005
Paulista1991Libertadores2005
Mundial19922Vicente FeolaPaulista1948
Libertadores1992Paulista1949
Paulista19921Béla GuttmannPaulista1957
Mundial19931Emerson LeãoPaulista2005
Libertadores19931FormigaPaulista1981
Supercopa19931Jim LopesPaulista1953
Recopa19931José PoyPaulista1975
Recopa19941Levir CulpiPaulista2000
5Muricy RamalhoConmebol19941Nelsinho BatistaPaulista1998
M. Conmebol19961Ney FrancoSul-Americana2012
Brasileiro20061Osvaldo BrandãoPaulista1971
Brasileiro20071Oswaldo AlvarezRio São-Paulo2001
Brasileiro20081Osw. de OliveiraSuper Paulistão2002
3JorecaPaulista19431PepeBrasileiro1986
Paulista19451Rubens MinelliBrasileiro1977
Paulista19461Rubens SalesPaulista1931
2Carlos A. SilvaPaulista19801Zezé MoreiraPaulista1970
Paulista1989
2CilinhoPaulista1985
Paulista1987

Além desses, Telê Santana também possui no currículo a Taça Prefeitura Municipal de Rio Claro (1973), o Troféu Cidade de Barcelona (1991 e 1992), o Torneio Tereza Herrera e o Ramón de Carranza (1992); a Taça Cidade de Los Angeles, Cidade de Santiago e o Troféu Jalisco (todos de 1993), além do Troféu San Lorenzo de Almagro (1994) e a Copa dos Campeões Mundiais e o Troféu Achilie e Cesare Bortolotti (ambos de 1995).

Muricy Ramalho, o segundo colocado na lista, possui além dos cinco títulos oficiais, outro cinco títulos de torneios amistosos: Aniversário de Ribeirão Preto (1995), Torneio Rei Dadá (1995), Copa dos Campeões Mundiais (1996), Troféu Cerveja Cristal (1996) e Taça Clubes Irmãos (1997). A média de títulos por partida de Muricy é de uma conquista a cada 95 jogos (ou 47, considerando os torneios não-oficiais).

Porém, outros grandes treinadores passaram pelo São Paulo e deixaram, se não um título importante, uma marca ou curiosidade significativa. Acompanhe, nos rankings abaixo, os dados completos. Vale dizer que em 2017 as pesquisas do Arquivo Histórico sobre partidas no final dos anos 30 e início dos 40 mudaram a quantidade de jogos de vários técnicos (Feola é o maior exemplo), corrigindo os números.

Como ainda existem jogos com pouca ou nenhuma documentação confiável referente, isso ainda pode voltar a ocorrer no futuro com novas descobertas.

 

JOGOS EM GERAL

Os técnicos que mais jogos comandaram o São Paulo

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Vicente Feola555310111134130976262,522,361,37
Muricy Ramalho4742551249580346362,521,690,98
José Poy4222131298066236160,661,570,86
Telê Santana4101981219161038858,131,490,95
Cilinho249111875137523256,221,510,93
Joreca172115312652124572,873,031,42
Rubens Minelli16679474024514257,031,480,86
Carlos Alberto Silva15467582920312456,061,320,81
Osvaldo Brandão14284292926215765,961,851,11
10ºPC Carpegiani11470133123013765,202,021,20

Completam a lista de técnicos com mais de 100 jogos no comando do Tricolor: Jim Lopes, com 111 e Nelsinho Baptista, com 108.

Vicente Feola, técnico que mais vezes dirigiu o time até hoje, começou a carreira no Tricolor em 1937, vindo do CA Estudantes de São Paulo. Foi campeão paulista de 1948 e 1949. Se tornou dirigente do clube posteriormente, mas volta e meia reassumia o cargo técnico, chegando, assim, a comandar a seleção brasileira no primeiro título mundial do Brasil, em 1958. O acréscimo no número de jogos deste treinador se deve a atribuição de partidas por ele chefiadas antes atribuídas a Tito Rodrigues e Conrado Ross.

 

Os técnicos com os melhores aproveitamentos de pontos

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Clodoaldo Caldeira7452111123110075,233,121,35
Joreca172115312652124572,873,031,42
Jim Lopes11170192222110368,771,990,93
Emerson Leão895318181859566,292,081,07
Osvaldo Brandão14284292926215765,961,851,11
PC Carpegiani11470133123013765,202,021,20
Formiga714210191266563,851,770,92
Vicente Feola555310111134130976262,522,361,37
Muricy Ramalho4742551249580346362,521,690,98
10ºLevir Culpi7842181816111061,542,061,41

*Mínimo de 63 jogos no comando do time, que é a média atual de jogos de um treinador no clube.

Clodoaldo Caldeira, o Clodô, foi um defensor do São Paulo que veio do Paulistano, quando da fundação do novo clube. Após se aposentar, assumiu o comando do time em 1933 e o dirigiu até o fim da primeira fase do clube, em 1935. Foi vice-campeão paulista de 1933 e 1934 e vice do Torneio Rio-São Paulo de 1933.

 

Os técnicos com melhores aproveitamentos de pontos como mandante 

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Clodoaldo Caldeira3328231283786,873,881,12
Emerson Leão4537621143386,672,530,73
Jim Lopes4435631083184,092,450,70
Béla Guttman39261031164775,212,971,21
Vicente Feola210147303357224874,762,721,18
Mário Travaglini312092511774,191,650,55
Muricy Ramalho232152512946119072,841,990,82
PC Carpegiani54361081185472,842,191,00
Osvaldo Brandão62429111265872,582,030,94
10ºJoreca7751141224610672,293,191,38

*Mínimo de 63 jogos no comando do time, no geral.

 

Os técnicos com melhores aproveitamentos de pontos como visitante

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Joreca8661141126012176,363,021,41
Clodoaldo Caldeira4024881026266,672,551,55
Osvaldo Brandão774019181329760,171,711,26
Jim Lopes623311181036559,141,661,05
Formiga3519511533659,051,511,03
PC Carpegiani59333231108257,631,861,39
Mário Juliato51231810653956,861,270,76
Vicente Feola320154729469547555,632,171,48
José Poy22699765132821455,011,450,95
10ºMuricy Ramalho23599706632626852,061,391,14

*Mínimo de 63 jogos no comando do time, no geral.

Jorge Gomes de Lima, o Joreca, foi treinador do São Paulo de 1943 a 1947, sagrando-se, assim, campeão paulista de 1943 – o primeiro após a refundação -, 1945 e 1946, esse último de modo invicto. Comandou o clube na época do famoso Rolo Compressor, com Leônidas, Sastre, Luizinho e companhia.

 

Os técnicos com os ataques mais ofensivos (melhor média de gols marcados)

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Clodoaldo Caldeira7452111123110075,233,121,35
Joreca172115312652124572,873,031,42
Vicente Feola555310111134130976262,522,361,37
Béla Guttman9747282221813058,082,251,34
Nelsinho Baptista10852223423116054,942,141,48
Emerson Leão895318181859566,292,081,07
Levir Culpi7842181816111061,542,061,41
PC Carpegiani11470133123013765,202,021,20
Jim Lopes11170192222110368,771,990,93
10ºFlávio Costa6523172512910844,101,981,66

*Mínimo de 63 jogos no comando do time.

Os times do São Paulo, naquela primeira metade dos anos 30, se caracterizavam pela excepcional média de gols marcados. Clodô, um dos técnicos do período, é um dos responsáveis pelo grande ataque do Tricolor em 1933, ao lado de Waldemar de Brito, centroavante.

Curiosamente, Telê Santana, dentre os 28 treinadores com o mínimo de jogos considerados é o 5º com pior média de gols marcados, somente 1,49 por jogo, somente atrás de Rubens Minelli e Ricardo Gomes (1,48), Carlos Alberto Silva (1,32) e Mário Juliato (1,26).

 

Os técnicos com as melhores defesas (menor média de gols sofridos)

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Mário Juliato77362516976157,581,260,79
Carlos Alberto Silva15467582920312456,061,320,81
Rubens Minelli16679474024514257,031,480,86
José Poy4222131298066236160,661,570,86
Formiga714210191266563,851,770,92
Ney Franco794017221277357,811,610,92
Jim Lopes11170192222110368,771,990,93
Cilinho249111875137523256,221,510,93
Telê Santana4101981219161038858,131,490,95
10ºMuricy Ramalho4742551249580346362,521,690,98

Mínimo de 63 jogos no comando do time.

Inicialmente auxiliar técnico, Mário Juliato comandava o time “expressinho” do Tricolor até assumir o cargo no time principal após a saída de Rubens Minelli, em 1978. Como em toda a década de 70, o time do São Paulo em suas mãos se baseava em uma forte defesa. Permaneceu no clube até o final de 1979.

Em termos defensivos, os treinadores com piores números, dentre os 25 possíveis citados, são: Flávio Costa (1,66), Nelsinho Baptista (1,48) e Joreca (1,42).

 

JOGOS DE COMPETIÇÃO

Os técnicos que comandaram o São Paulo em mais jogos competitivos*

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Muricy Ramalho4582461179577845362,231,700,99
José Poy3691791177355831159,081,510,84
Telê Santana3631771077954233858,591,490,93
Vicente Feola302179616273439766,002,431,31
Cilinho228100804833621455,561,470,94
Rubens Minelli15172423722513256,951,490,87
Carlos Alberto Silva13458502617010455,721,270,78
Osvaldo Brandão10960232618211862,081,671,08
Paulo César Carpegiani10965133121113563,611,941,24
10ºNelsinho Baptista10852223423116054,942,141,48

*Jogos de competição oficial, organizados pelas federações competentes. 

Muricy Ramalho é o treinador que mais vezes esteve a frente do time em jogos de competição oficial, tendo superado Poy em 2013. A primeira disputa de competição oficial do técnico tricampeão brasileiro foi o Campeonato Paulista de 1994, quando era ainda auxiliar de Telê Santana.

Completa o “clube dos 100” jogos: Joreca, exatamente com 100 partidas.

 

Os técnicos com melhores aproveitamentos de pontos em jogos competitivos

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Joreca10069201130112575,673,011,25
Jim Lopes764912151526869,742,000,89
Emerson Leão895318181859566,292,081,07
Vicente Feola302179616273439766,002,431,31
Paulo César Carpegiani10965133121113563,611,941,24
Formiga643710171115763,021,730,89
Muricy Ramalho4582461179577845362,231,700,99
Osvaldo Brandão10960232618211862,081,671,08
Oswaldo de Oliveira573112141308161,402,281,42
10ºLevir Culpi7640181815310760,532,011,41

*Mínimo de 55 jogos competitivos no comando.

 

Os técnicos com melhores aproveitamentos de pontos em jogos competitivos como mandante

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Jim Lopes352942912586,672,600,71
Emerson Leão4537621143386,672,530,73
Vicente Feola148110221643016879,282,911,14
Joreca4432751515478,033,431,23
Mário Travaglini302082511775,561,700,57
Béla Guttman3322831044174,753,151,24
Muricy Ramalho229150502945418872,781,980,82
Telê Santana184119402533715071,921,830,82
Paulo César Carpegiani52341081095371,792,101,02
10ºFormiga332256652371,721,970,70

*Mínimo de 55 jogos competitivos no comando, no geral, neste critério.

Emerson Leão foi campeão paulista de 2005 com somente uma derrota. O desempenho do técnico no estádio se manteve regular nas outras competições que disputou (a maior parte das partidas foram do Campeonato Paulista). Suas únicas duas derrotas no estádio foram para a Ponte Preta, em 2005, quando o campeonato já estava decidido, e para o Santos, em 2012.

 

Os técnicos com melhores aproveitamentos de pontos em jogos competitivos como visitante

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Joreca48341041365877,782,831,21
Jim Lopes3719612523656,761,410,97
Paulo César Carpegiani57313231028256,141,791,44
Formiga3115511463453,761,481,10
Vicente Feola14465354428521353,241,981,48
Oswaldo de Oliveira271278444153,091,631,52
Osvaldo Brandão54241416716653,091,311,22
Levir Culpi3616812746151,852,061,69
Muricy Ramalho22794676631426251,251,381,15
10ºJosé Poy18974684724518151,151,300,96

*Mínimo de 55 jogos competitivos no comando, no geral, neste critério.

 

Os técnicos com os melhores ataques em jogos competitivos (média de gols marcados)

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Joreca10069201130112575,673,011,25
Béla Guttman593114141498360,452,531,41
Vicente Feola302179616273439766,002,431,31
Oswaldo de Oliveira573112141308161,402,281,42
Nelsinho Baptista10852223423116054,942,141,48
Emerson Leão895318181859566,292,081,07
Levir Culpi7640181815310760,532,011,41
Jim Lopes764912151526869,742,000,89
Paulo César Carpegiani10965133121113563,611,941,24
10ºFormiga643710171115763,021,730,89

*Mínimo de 55 jogos competitivos no comando, no geral, neste critério.

 

Os técnicos com as melhores defesas em jogos competitivos (média de gols sofridos)

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Carlos Alberto Silva13458502617010455,721,270,78
José Poy3691791177355831159,081,510,84
Mário Travaglini5928238875160,451,470,86
Rubens Minelli15172423722513256,951,490,87
Formiga643710171115763,021,730,89
Jim Lopes764912151526869,742,000,89
Ney Franco773917211257158,011,620,92
Telê Santana3631771077954233858,591,490,93
Cilinho228100804833621455,561,470,94
10ºSylvio Pirillo673022151116655,721,660,99
10ºMuricy Ramalho4582461179577845362,231,700,99

*Mínimo de 55 jogos competitivos no comando, no geral, neste critério.

De certa maneira é surpreendente que as defesas montadas por Carlos Alberto Silva, campeão paulista em 1980 e 1989 superem marcas dos já muito reconhecidos sistemas defensivos de Poy (detentor do recorde de partidas invictas pelo clube) e Minelli (campeão brasileiro de 1977). Contudo, ao saber que Oscar e Darío Pereyra, em 1980, e Adilson e Ricardo Rocha, em 1989, eram a base desse forte esquema, o ranking deixa de ser surpresa.

 

JOGOS NO MORUMBI

Os técnicos com mais jogos no Morumbi

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Muricy Ramalho209135502440216872,571,920,80
Telê Santana176111412432314670,831,840,83
José Poy15276482823411660,531,540,76
Cilinho1105933181748763,641,580,79
Carlos Alberto Silva784917121255470,091,600,69
Rubens Minelli723521161217058,331,680,97
Nelsinho Baptista523011111256064,742,401,15
PC Carpegiani5032991145470,002,281,08
Ricardo Gomes432896783072,091,810,70
10ºEmerson Leão4335621093286,052,530,74

 

Os técnicos com os melhores aproveitamentos de pontos no Morumbi

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Emerson Leão4335621093286,052,530,74
Levir Culpi412795884573,172,151,10
Muricy Ramalho209135502440216872,571,920,80
Ricardo Gomes432896783072,091,810,70
Telê Santana176111412432314670,831,840,83
Carlos Alberto Silva784917121255470,091,600,69
PC Carpegiani5032991145470,002,281,08
Osvaldo Brandão412687733769,921,780,90
Mário Travaglini3420104552468,631,620,71
10ºNey Franco372377652368,471,760,62

*Mínimo de 29 jogos comandando o time no Morumbi.

 

Os técnicos com os melhores ataques no Morumbi (média de gols marcados)

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Emerson Leão4335621093286,052,530,74
Nelsinho Baptista523011111256064,742,401,15
PC Carpegiani5032991145470,002,281,08
Levir Culpi412795884573,172,151,10
Formiga342167683167,652,000,91
Paulo Autuori321778623960,421,941,22
Muricy Ramalho209135502440216872,571,920,80
Telê Santana176111412432314670,831,840,83
Ricardo Gomes432896783072,091,810,70
10ºOsvaldo Brandão412687733769,921,780,90

*Mínimo de 29 jogos comandando o time no Morumbi.

 

Os técnicos com as melhores defesas no Morumbi (média de gols sofridos)

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Ney Franco372377652368,471,760,62
Carlos Alberto Silva784917121255470,091,600,69
Ricardo Gomes432896783072,091,810,70
Mário Travaglini3420104552468,631,620,71
Emerson Leão4335621093286,052,530,74
José Poy15276482823411660,531,540,76
Cilinho1105933181748763,641,580,79
Muricy Ramalho209135502440216872,571,920,80
Telê Santana176111412432314670,831,840,83
10ºOsvaldo Brandão412687733769,921,780,90

*Mínimo de 29 jogos comandando o time no Morumbi.

 

JOGOS NO CAMPEONATO BRASILEIRO

Os técnicos que mais vezes comandaram o time no Campeonato Brasileiro

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Muricy Ramalho181100503128715664,461,590,86
José Poy15771602622711657,961,450,74
Telê Santana13258403416512154,041,250,92
Ricardo Gomes59261518816352,541,371,07
Cilinho57221718776948,541,351,21
Paulo Autuori52181321837942,951,601,52
Carlos Alberto Silva5021236794557,331,580,90
PC Carpegiani4525416826158,521,821,36
Nelsinho Baptista4117915686048,781,661,46
10ºRoberto Rojas40201010685358,331,701,33

 

Os técnicos com melhores aproveitamentos de pontos no Campeonato Brasileiro

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Muricy Ramalho181100503128715664,461,590,86
Oswaldo de Oliveira331869725460,612,181,64
Rubens Minelli3920910743558,971,900,90
Paulo César Carpegiani4525416826158,521,821,36
Roberto Rojas40201010685358,331,701,33
José Poy15771602622711657,961,450,74
Carlos Alberto Silva5021236794557,331,580,90
Ney Franco3517810563156,191,600,89
Telê Santana13258403416512154,041,250,92
10ºRicardo Gomes59261518816352,541,371,07

*Mínimo de 32 partidas no comando do time nesse campeonato.

Obviamente, o técnico que foi tricampeão consecutivo pelo Tricolor, justamente na era dos pontos corridos, seria o líder nesse quesito. E com a média de jogos de um treinador são-paulino no Brasileirão caindo para 32 partidas, Oswaldo de Oliveira entrou na comparação, aparecendo na segunda colocação.

 

Os técnicos com os melhores ataques no Campeonato Brasileiro (média de gols marcados)

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Oswaldo de Oliveira331869725460,612,181,64
Rubens Minelli3920910743558,971,900,90
Paulo César Carpegiani4525416826158,521,821,36
Roberto Rojas40201010685358,331,701,33
Nelsinho Baptista4117915686048,781,661,46
Ney Franco3517810563156,191,600,89
Paulo Autuori52181321837942,951,601,52
Muricy Ramalho181100503128715664,461,590,86
Carlos Alberto Silva5021236794557,331,580,90
10ºJosé Poy15771602622711657,961,450,74

*Mínimo de 32 partidas no comando do time nesse campeonato.

 

Os técnicos com as melhores defesas no Campeonato Brasileiro (média de gols sofridos)

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
José Poy15771602622711657,961,450,74
Muricy Ramalho181100503128715664,461,590,86
Ney Franco3517810563156,191,600,89
Rubens Minelli3920910743558,971,900,90
Carlos Alberto Silva5021236794557,331,580,90
Telê Santana13258403416512154,041,250,92
Ricardo Gomes59261518816352,541,371,07
Cilinho57221718776948,541,351,21
Roberto Rojas40201010685358,331,701,33
10ºPC Carpegiani4525416826158,521,821,36

*Mínimo de 32 partidas no comando do time nesse campeonato.

Poy montou uma das melhores defesas do São Paulo em todos os tempos, responsável por uma sequência de 47 jogos invictos em meados da década de 70 (maiores detalhes sobre esse fato em uma futura matéria). Muricy Ramalho, no Brasileirão de 2007, por alguns jogos superou os indíces daquele sistema defensivo do técnico argentino e, de modo geral, Muricy ainda possui uma excelente marca na competição.

 

Os técnicos com melhores aproveitamentos no Campeonato Brasileiro como mandante

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Carlos Alberto Silva261862531876,922,040,69
Rubens Minelli201442521676,672,600,80
Muricy Ramalho91622181716075,821,880,66
Ney Franco171223361174,512,120,65
Oswaldo de Oliveira161114452570,832,811,56
Paulo César Carpegiani211425462669,842,191,24
Ricardo Gomes301884482068,891,600,67
Telê Santana694216111075068,601,550,72
José Poy703722111074663,331,530,66
10ºRoberto Rojas201154342263,331,701,10

*Mínimo de 32 partidas no comando do time nesse campeonato.

 

Os técnicos com melhores aproveitamentos no Campeonato Brasileiro como visitante

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
José Poy873438151207053,641,380,80
Roberto Rojas20956343153,331,701,55
Muricy Ramalho903829231169652,961,291,07
Oswaldo de Oliveira17755272950,981,591,71
Paulo César Carpegiani2411211363548,611,501,46
Nelsinho Baptista21849313344,441,481,57
Rubens Minelli19658221940,351,161,00
Ney Franco18567202038,891,111,11
Telê Santana63162423587138,100,921,13
10ºCarlos Alberto Silva243174262736,111,081,13

*Mínimo de 32 partidas no comando do time nesse campeonato.

 

JOGOS NO CAMPEONATO PAULISTA

Os técnicos com mais partidas disputadas na competição

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Vicente Feola248161464164729571,102,611,19
Muricy Ramalho17399423232717765,321,891,02
José Poy16887463525514160,911,520,84
Cilinho16677602925013658,431,510,82
Telê Santana16287482728315063,581,750,93
Rubens Minelli1055129251459057,781,380,86
Joreca866217727310378,683,171,20
Carlos Alberto Silva84372720915954,761,080,70
Osvaldo Brandão825415131617971,951,960,96
10ºJim Lopes61428111294973,222,110,80

 

Os técnicos com melhores aproveitamentos de pontos no Campeonato Paulista

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Joreca866217727310378,683,171,20
Emerson Leão402875964675,832,401,15
Jim Lopes61428111294973,222,110,80
Osvaldo Brandão825415131617971,951,960,96
Vicente Feola248161464164729571,102,611,19
Paulo César Carpegiani382567854471,052,241,16
Béla Guttman39241051054570,092,691,15
Muricy Ramalho17399423232717765,321,891,02
Telê Santana16287482728315063,581,750,93
10ºFormiga372179623163,061,680,84

*Mínimo de 37 partidas disputadas.

 

Os técnicos com melhores médias de gols marcados no Campeonato Paulista

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Joreca866217727310378,683,171,20
Béla Guttman39241051054570,092,691,15
Vicente Feola248161464164729571,102,611,19
Emerson Leão402875964675,832,401,15
Paulo César Carpegiani382567854471,052,241,16
Jim Lopes61428111294973,222,110,80
Osvaldo Brandão825415131617971,951,960,96
Muricy Ramalho17399423232717765,321,891,02
Sylvio Pirillo53271511935360,381,751,00
Telê Santana16287482728315063,581,750,93

*Mínimo de 37 partidas disputadas.

 

Os técnicos com melhores médias de gols sofridos no Campeonato Paulista

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Carlos Alberto Silva84372720915954,761,080,70
Jim Lopes61428111294973,222,110,80
Mário Travaglini4421176623660,611,410,82
Cilinho16677602925013658,431,510,82
Formiga372179623163,061,680,84
José Poy16887463525514160,911,520,84
Rubens Minelli1055129251459057,781,380,86
Telê Santana16287482728315063,581,750,93
Osvaldo Brandão825415131617971,951,960,96
10ºSylvio Pirillo53271511935360,381,751,00

*Mínimo de 37 partidas disputadas.

 

Os técnicos com melhores aproveitamentos de pontos como mandante no Paulistão

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Jim Lopes282422812188,102,890,75
Emerson Leão221822571884,852,590,82
Vicente Feola12599141238913982,933,111,11
Osvaldo Brandão413245993681,302,410,88
Joreca4029741425078,333,551,25
Béla Guttman241752762677,783,171,08
Mário Travaglini23157134975,361,480,39
Telê Santana845618101717473,812,040,88
Formiga191333371373,681,950,68
10ºPaulo César Carpegiani201352462073,332,301,00

 

Os técnicos com melhores aproveitamentos de pontos como visitante no Paulistão

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Joreca46331031315378,992,851,15
Paulo César Carpegiani181215392468,522,171,33
Emerson Leão181053392864,812,171,56
Osvaldo Brandão4122118624362,601,511,05
Jim Lopes331869482860,611,450,85
Vicente Feola12362322925815659,082,101,27
Muricy Ramalho854223201419458,431,661,11
Béla Guttman15753291957,781,931,27
Telê Santana783130171127652,561,440,97
10ºRubens Minelli51221415654852,291,270,94

 

JOGOS NA COPA LIBERTADORES DA AMÉRICA

Os técnicos com mais jogos disputados na competição

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Muricy Ramalho4423813613958,331,390,89
Telê Santana301677432361,111,430,77
José Poy191054321561,401,680,79
Edgardo Bauza14545211545,241,501,07
Cuca12813211269,441,751,00
Ricardo Gomes1173114272,731,270,18
Ney Franco10316181833,331,801,80
Alfredo Ramos1044214953,331,400,90
Paulo Autuori971121581,482,330,56
10ºRubens Minelli61326733,331,001,17
10ºMílton Cruz63127555,561,170,83

Muricy foi o treinador que mais vezes comandou o Tricolor no torneio sul-americano, mas quem detém o melhor aproveitamento é o campeão de 2005, Paulo Autuori. Além destes, completam o quadro de treinadores do São Paulo na competição: Emerson Leão, 4 jogos; Cilinho, 3 jogos; Pepe, 2 jogos; Zé Carlos Serrão, 1 jogo.

 

Os técnicos com melhor aproveitamento de pontos na Copa Libertadores

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Cuca12813211269,441,751,00
José Poy191054321561,401,680,79
Telê Santana301677432361,111,430,77
Muricy Ramalho4423813613958,331,390,89
Edgardo Bauza14545211545,241,501,07

*Mínimo de 12 jogos disputados.

 

Os técnicos com melhor média de gols marcados na Copa Libertadores

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Cuca12813211269,441,751,00
José Poy191054321561,401,680,79
Edgardo Bauza14545211545,241,501,07
Telê Santana301677432361,111,430,77
Muricy Ramalho4423813613958,331,390,89

*Mínimo de 12 jogos disputados.

 

Os técnicos com melhor média de gols sofridos na Copa Libertadores

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Telê Santana301677432361,111,430,77
José Poy191054321561,401,680,79
Muricy Ramalho4423813613958,331,390,89
Cuca12813211269,441,751,00
Edgardo Bauza14545211545,241,501,07

*Mínimo de 12 jogos disputados.

 

Os técnicos com o melhor aproveitamento de pontos como mandante na Libertadores

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
Telê Santana15141035795,562,330,47
Cuca651012388,892,000,50
Muricy Ramalho221723411480,301,860,64
José Poy962124874,072,670,89
Edgardo Bauza750214471,432,000,57

*Mínimo de 12 jogos disputados no geral.

Sem palavras para descrever o desempenho de Telê Santana.

 

Os técnicos com o melhor aproveitamento de pontos como visitante na Libertadores

C.TREINADORJVEDGMGS%PGMMMS
José Poy94328655,560,890,67
Cuca63039950,001,501,50
Muricy Ramalho226610202536,360,911,14
Telê Santana1526781626,670,531,07
Edgardo Bauza704371119,051,001,57

 

TODOS OS TREINADORES DA HISTÓRIA DO TRICOLOR POR PASSAGEM E PERÍODO

TREINADOR E SITUAÇÃOPERÍODOJ%PG
Desconhecido – 1ª passagem1930/312271,21
Mário Cunha Bueno – Interino 1ª vez1930644,44
Ramón Platero – 1ª passagem19301881,48
Rubens Salles – 1ª passagem1931-321394,87
Afrodísio Camargo Xavier (Formiga) – Interino 1ª vez1932638,89
Eugenio Medgyessy (Marinetti) – 1ª passagem1932-331394,87
Clodoaldo Caldeira (Clodô) – 1ª passagem1933-357475,23
Armando del Debbio – 1ª passagem1936-374238,10
Vicente Feola – 1ª passagem1937-383842,11
Tito Rodrigues – 1ª passagem1938841,67
Vicente Feola – 2ª passagem1938-392962,07
Ignác Amsel – 1ª passagem19391542,22
Décio Pedroso – Interino 1ª vez1939560,00
Armando Gomes – Interino 1ª vez193910,00
Amílcar Barbuy – 1ª passagem1939-401963,16
Ramón Platero – 2ª passagem19403641,67
Vicente Feola – 3ª passagem1941-424957,82
Conrado Ross – 1ª passagem1942-434264,29
Joreca – 1ª passagem1943-4717272,87
Vicente Feola – Substituto 1ª Vez1944-45944,44
Zarzur – Interino 1ª vez1947250,00
Vicente Feola – 4ª passagem1947-5113967,87
Jaime Janessi – Substituto 1ª Vez1948133,33
Leônidas da Silva – Substituto 1ª Vez19501778,43
Leônidas da Silva – 1ª passagem19512553,33
Ariston de Oliveira – Interino 1ª vez19511654,17
Vicente Feola – 5ª passagem1951-538863,26
Jim Lopes – 1ª passagem1953-548871,21
Leônidas da Silva – 2ª passagem1954-553151,61
Vicente Feola – Substituto 2ª Vez1954540,00
Vicente Feola – 6ª passagem1955-5711767,81
Caxambu – Interino 1ª vez1957650,00
Béla Guttman – 1ª passagem1957-589758,08
Manoel Raymundo Paes de Almeida – Substituto 1ª Vez1958644,44
Manoel Raymundo Paes de Almeida – Interino 1ª vez1958483,33
Armando Renganeschi – 1ª passagem1958-595667,26
Vicente Feola – 7ª passagem1959-607860,26
Remo Januzzi – Interino 1ª vez19601435,71
Flávio Costa – 1ª passagem1960-616544,10
Manoel Raymundo Paes de Almeida – Interino 2ª vez1961560,00
Cláudio Cardoso – 1ª passagem19612272,73
Comissão de Atletas – Substituto 1ª Vez196110,00
Caxambu – Substituto 1ª Vez1961780,95
Caxambu – Interino 2ª vez1961761,90
Aymoré Moreira – 1ª passagem19621252,78
Caxambu – Substituto 2ª Vez19621566,67
Caxambu – Interino 3ª Vez19624100,0
Osvaldo Brandão – 1ª passagem1962-649666,32
Jair Rosa Pinto – Substituto 1ª Vez1963683,33
José Poy – Substituto 1ª Vez19641046,67
Vicente Feola – Substituto 3ª Vez1964-65377,78
Oto Vieira – 1ª passagem19643057,78
José Poy – 1ª passagem1964-656356,61
Jim Lopes – 2ª passagem19652359,42
Aymoré Moreira – 2ª passagem19665154,90
Sylvio Pirillo – 1ª passagem1967-688556,86
Diede Lameiro – 1ª passagem1968-698554,12
Zezé Moreira – 1ª passagem19705946,89
José Poy – Substituto 2ª Vez19702100,0
Osvaldo Brandão – 2ª passagem19714665,22
Hélio José Maffia – Substituto 1ª Vez19711100,0
José Poy – Interino 1ª vez19711364,10
Alfredo Ramos – 1ª passagem19724266,67
Cosme Damião Geraldino – Interino 1ª vez1972250,00
Vail Mota – 1ª passagem19721033,33
José Poy – Interino 2ª vez1972458,33
José Poy – 2ª passagem19721371,79
Telê Santana – 1ª passagem19732950,57
José Poy – 3ª passagem1973-7624459,56
Mário Juliato – Interino 1ª vez19761169,70
Rubens Minelli – 1ª passagem1977-7916657,03
Mário Juliato – Substituto 1ª Vez1977-78879,17
Alcides Romano Jr – Substituto 1ª Vez19781100,0
Mário Juliato – Substituto 2ª Vez1978-792065,00
Mário Juliato – 1ª passagem19793845,61
Carlos Alberto Silva – 1ª passagem19809857,48
João Leal Neto – Substituto 1ª Vez1980-81650,00
Íthon Fritzen – Substituto 1ª Vez1981580,00
João Leal Neto – Interino 1ª vez19811252,78
Formiga – 1ª passagem1981-827163,85
José Poy – 4ª passagem1982-837366,21
José Carlos Serrão – Interino 1ª vez19831100,0
Mário Travaglini – 1ª passagem19836358,73
Waldir de Moraes – Substituto 1ª Vez1983377,78
Waldir de Moraes – Interino 1ª vez19841139,39
Cilinho – 1ª passagem1984-8614456,02
Bebeto de Oliveira – Substituto 1ª Vez198410,00
José Carlos Serrão – Substituto 1ª Vez19861100,0
José Carlos Serrão – Interino 2ª Vez19861551,11
Pepe – 1ª passagem1986-874560,74
José Carlos Serrão – Interino 3ª Vez1987944,44
Cilinho – 2ª passagem1987-8910556,51
Pupo Gimenez – Substituto 1ª Vez1988266,67
Pupo Gimenez – Interino 1ª vez1989450,00
Carlos Alberto Silva – 2ª passagem1989-905653,57
Pupo Gimenez – Substituto 2ª Vez19891100,0
Pupo Gimenez – Interino 2ª Vez19901060,00
Pablo Forlán – 1ª passagem19903052,22
Telê Santana – 2ª passagem1990-9638158,71
Silva – Substituto 1ª Vez1991733,33
Waldir de Moraes – Substituto 2ª Vez1993458,33
Márcio Araújo – Substituto 1ª Vez1993850,00
Muricy Ramalho – Substituto 1ª Vez1994-954361,24
Muricy Ramalho – Interino 1ª vez1996988,89
Muricy Ramalho – 1ª passagem19963159,14
Carlos Alberto Parreira – 1ª passagem19962142,86
Muricy Ramalho – Interino 2ª Vez1996483,33
Muricy Ramalho – 2ª passagem1996-972751,85
Darío Pereyra – Interino 1ª Vez1997-98586,67
Darío Pereyra – 1ª passagem1997-985848,28
Nelsinho Baptista – 1ª passagem19984055,00
Pita – Interino 1ª vez1998266,67
Mário Sergio – 1ª passagem19981033,33
Paulo César Carpegiani – 1ª passagem19996764,18
Fernando Soares – Substituto 1ª Vez19991100,0
Mílton Cruz – Interino 1ª vez19991100,0
Levir Culpi – 1ª passagem20007861,54
Oswaldo Alvarez – 1ª passagem20012959,77
Ivo Secchi – Substituto 1ª Vez200110,00
Nelsinho Baptista – 2ª passagem2001-026854,90
Oswaldo de Oliveira – 1ª passagem20025862,07
Waldemar Lemos de Oliveira – Substituto 1ª Vez2003133,33
Roberto Rojas – Interino 1ª vez2003854,17
Roberto Rojas – 1ª passagem20034463,64
Cuca – 1ª passagem20045164,05
Mílton Cruz – Substituto 1ª Vez20041100,0
Emerson Leão – 1ª passagem2004-054568,89
Mílton Cruz – Interino 2ª Vez2005322,22
Paulo Autuori – 1ª passagem20055553,94
Muricy Ramalho – 3ª passagem2006-0925164,14
Silva – Substituto 2ª Vez20075100,0
Mílton Cruz – Substituto 2ª Vez2007216,67
Mílton Cruz – Interino 3ª Vez200910,00
Ricardo Gomes – 1ª passagem2009-107358,90
Mílton Cruz – Substituto 3ª Vez2010344,44
Mílton Cruz – Interino 4ª Vez2010133,33
Sérgio Baresi – Interino 1ª vez20101445,24
Paulo César Carpegiani – 2ª passagem2010-114766,67
Mílton Cruz – Interino 5ª Vez20112100,0
Adílson Batista – 1ª passagem20112245,45
Mílton Cruz – Interino 6ª Vez2011266,67
Emerson Leão – 2ª passagem2011-124463,64
Mílton Cruz – Interino 7ª Vez20122100,0
Ney Franco – 1ª passagem2012-137957,81
Mílton Cruz – Interino 8ª Vez201320,00
Paulo Autuori – 2ª passagem20131725,49
Muricy Ramalho – 4ª passagem2013-1510959,94
Mílton Cruz – Substituto 4ª Vez2014-15560,00
Mílton Cruz – Interino 9ª Vez20151269,44
Juan Carlos Osorio – 1ª passagem20152651,28
Mílton Cruz – Substituto 5ª Vez2015250,00
Doriva – 1ª passagem2015733,33
Mílton Cruz – Interino 10ª Vez2015475,00
Edgardo Bauza – 1ª passagem20164844,44
André Jardine – Substituto 1ª Vez2016520,00
Pintado – Substituto 1ª Vez20161100,0
Vizolli – Substituto 1ª Vez2016742,86
André Jardine – Interino 1ª vez2016250,00
André Jardine – Substituto 2ª Vez2016622,22
Ricardo Gomes – 2ª passagem20161842,59
Pintado – Interino 1ª Vez20162100,0
Rogério Ceni – 1ª passagem20173749,55
André Jardine – Substituto 3ª Vez2017955,56
Pintado – interino 2ª Vez201710,00
Dorival Junior – 1ª passagem20172650,00
Vizolli – Substituto 2ª Vez2017929,63

 

BÔNUS

Relação de treinadores demitidos ou que renunciaram logo após um clássico.
Não são considerados técnicos cujos contratos estavam por terminar. Também não foram levadas em conta partidas de final de temporada, onde a renovação do trabalho era opcional e que a não continuação do treinador nada teve a ver com o clássico (contudo, quando o contexto do jogo deixa claro que a partida influenciou a decisão, como na decisão do Paulista de 1957 ou outras decisões de título, foi levado em conta – vide notas).

Técnicos do Corinthians (14)

– Joseph Tiger (1944), após 0x4 São Paulo: 15/10/1944, Paulista;
– Alcides Aguiar (1946), após São Paulo 5×1: 01/01/1946, Amistoso;
– Rato (1954), após São Paulo 1×0: 03/07/1954, RJ-SP;
– Osvaldo Brandão (1957), após São Paulo 3×1: 29/12/1957, Paulista;
– João Lima (1961), após São Paulo 3×2: 22/03/1961, RJ-SP;
– Dino Sani (1970), após 0x1 São Paulo: 13/09/1970, Paulista;
– Dino Sani (1975), após São Paulo 2×1: 10/08/1975, Paulista;
– Julinho (1981), após 0x2 São Paulo: 25/10/1981, Paulista;
– Júnior (2003), após São Paulo 3×0: 12/10/2003, Brasileiro;
– Juninho Fonseca (2004), após São Paulo 1×0: 15/02/2004, Paulista;
– Tite (2005), após São Paulo 1×0: 27/02/2005, Paulista;
– Daniel Passarella (2005), após 1×5 São Paulo: 08/05/2005, Brasileiro;
– Antônio Lopes (2006), após 1×2 São Paulo: 12/03/2006, Paulista;
– Adhemar Braga (2006), após 1×3 São Paulo: 07/05/2006, Brasileiro.

Técnicos do Palmeiras (5)

– Cláudio Cardoso (1948), após São Paulo 2×1: 15/08/1948, Paulista;
– Ondino Vieira (1953), após São Paulo 3×1: 13/09/1953, Paulista;
– Mário Travaglini (1968), após 1×2 São Paulo: 14/03/1968, Paulista;
– Márcio Araújo (1997), após São Paulo 4×1: 25/05/1997, Paulista;
– Luís Felipe Scolari (2000), após 2×3 São Paulo: 27/06/2000, Copa do Brasil.

Técnicos do Santos (7)

– Aymoré Moreira (1952), após 0x3 São Paulo: 25/10/1952, Paulista;
– Giuseppe Ottina (1954), após São Paulo 2×1: 02/06/1954, RJ-SP;
– Urubatão Nunes (1977), após São Paulo 2×0: 01/05/1977, Paulista;
– Pepe (1980), após 0x1 São Paulo: 19/11/1980, Paulista;
– Candinho (1987), após São Paulo 3×1: 24/10/1987, Brasileiro;
– Evaristo de Macedo (1993), após São Paulo 6×1: 03/06/1993, Paulista;
– Levir Culpi (2017), após São Paulo 2×1: 28/10/2017, Brasileiro.

Técnicos do São Paulo após Majestoso (3)

– Ramón Platero (1940), após Corinthians 3×0: 22/12/1940, Paulista;
– Nelsinho Baptista (2002), após 1×1 Corinthians: 12/05/2002, RJ-SP;
– Ney Franco (2013), após 1×2 Corinthians: 03/07/2013, Recopa.

Técnicos do São Paulo após Choque-Rei (3)

– Vicente Feola (1951), após 0x2 Palmeiras: 18/02/1951, RJ-SP;
– Aymoré Moreira (1966), após 0x3 Palmeiras: 15/12/1966, Paulista;
– Alfredo Ramos (1972), após 0x0 Palmeiras: 03/09/1972, Paulista.

Técnicos do São Paulo após SanSão (1)

– Sylvio Pirillo (1968), após Santos 3×1: 01/06/1968, Paulista;

Notas

São Paulo: Somente Nelsinho e Ney Franco foram demitidos, todos os demais pediram demissão. Platero, nesse aspecto, é indefinido.
Contra o Corinthians: Platero (1940), apesar de ter sido em jogo de final de temporada e não ter o contrato renovado por isso, pelo resultado expressivo, foi considerado. Já Carlos Alberto Silva (1990), no empate em 0 a 0, não seguiu pois acabou o contrato e já estava certo não ser renovado. Rubens Salles saiu do São Paulo após ser campeão contra o Corinthians, em 1932. Clodô comandou o time pela última vez no Majestoso, mas não seguiu pelo interrupção das atividades do Tricolor em 1935. Feola foi vice-campeão paulista de 1938, em 1939, mas o resultado foi considerado ótimo e a não sequência dele no cargo não é relacionada com a partida (foi realocado). Em 29 de outubro de 1939, o comando técnico de Décio Pedroso/Ponzoníbio era interino e não é válido.
Contra o Palmeiras: Feola, em 1951, não foi demitido nem pediu demissão: foi realocado em outro cargo. O mesmo ocorreu com esse treinador após jogo contra o Santos (1957), mas dessa vez por motivo de participação dele na Seleção Brasileira. Aymoré Moreira estava em final de temporada, mas o resultado da partida influenciou a decisão de pedir demissão. Levir Culpi, em 2000, foi dispensado pouco antes de ter o contrato finalizado, no fim do ano: a saída não foi relacionada ao clássico.
Contra o Santos: Pepe, em 21/04/1987, alegou cansaço para deixar o time após o jogo Santos 3 x 2 São Paulo, do dia 19. O técnico, dois meses antes, foi campeão brasileiro e tinha muitos, muitos créditos. O resultado do jogo nada teve a ver com a saída dele do comando.
Corinthians: A demissão de Juninho Fonseca em 2004 foi no clássico imediatamente seguinte a demissão de Junior, em 2003. O mesmo se deu com Tite e Passarela, em 2005; e Antônio Lopes e Adhemar Braga, em 2006. Brandão (1957) estava no final de temporada, mas a maneira como perdeu o título é entendida como decisiva para a não continuação dele. Cilinho (1991) ainda permaneceu no clube após a decisão do Paulistão daquele ano.
Palmeiras: Existem dúvidas sobre Bianco (1931), após a goleada do São Paulo por 4 a 0, na Floresta, pelo Paulista em 06/12; e Del Debbio (1945), após um empate no Pacaembu em 23/09, pelo Paulista. Não encontrei confirmação. Hélio Maffia (1977) era interino.
Santos: Clodoaldo, técnico do Santos em 1982, pediu demissão antes do SanSão de 2 de maio, em que o Tricolor venceu por 1 a 0. A saída de Pepe em 1980 foi diretamente ligada com a perda do título do Paulista de 1980, conforme O Estado de S. Paulo de 21 de novembro. Contudo, a saída dele em 1990 não é enquadrada como válida (fim de temporada, não renovação e saída semanas após a partida). Serginho Chulapa, em 2009, era interino.