Everton Felipe se emociona em saída do Sport e revela influência de Diego Souza

656

GloboEsporte.com

Rômulo Alcoforado

Meio-campista celebra reencontro com atacante no São Paulo, a quem considera “um pai e um irmão” que teve no período do rubro-pernambucano.

Everton Felipe sai do Sport para o maior desafio da carreira. Jogará pelo São Paulo, um dos maiores clubes do país, dono de uma das torcidas mais numerosas do Brasil e que fez um investimento milionário para contratá-lo. O jogador, porém, nunca deixará de ser rubro-negro. Formado na base do Leão e torcedor confesso do time, Everton se emocionou ao dar “até logo” ao clube da Ilha do Retiro – para onde prometeu voltar um dia. Menos mal que, na nova equipe, reencontrará um companheiro que é, ao mesmo tempo, “irmão e pai”: Diego Souza.

Em relação ao adeus ao Sport, Everton tentou evitar se emocionar, mas não conseguiu. Durante entrevista exclusiva ao Globo Esporte, o agora jogador do São Paulo lembrou de todos os momentos nos oito anos de Leão (dos 13 aos 21). Não deu para conter as lágrimas.

Everton Felipe falou do amor ao Sport (Foto: Rômulo Alcoforado)

Everton Felipe falou do amor ao Sport (Foto: Rômulo Alcoforado)

– Queria pedir desculpa à torcida se magoei em algum momento. Tudo que fiz pelo clube foi com muito amor. Não é um adeus. É um até logo. Se Deus quiser tudo vai dar certo. Neste momento passa um filme na cabeça. Sempre sonhei em jogar no Sport. Vestir a camisa nunca foi uma obrigação. Foi uma felicidade. Amava vestir a camisa do clube. Faz parte da vida, foi bom para todo mundo e vai dar tudo certo – disse, emocionado.

Torcedor do Leão desde que se entende por gente, Everton tem as lesões como os piores momentos no clube. Sobretudo a última, no fim de 2017, quando rompeu o ligamento cruzado do joelho direito e teve de ficar seis meses em recuperação.

As boas lembranças, no entanto, são mais marcantes. Entre elas, duas se destacam: os gols que marcou contra o Santa. O da vitória por 5 a 3 na Ilha do Retiro, na Série A de 2016, mas principalmente o que fez no triunfo por 2 a 0 na semifinal da Copa do Nordeste de 2017, no Arruda.

– O gol no Arruda teve um sabor ainda melhor. Teve a polêmica no jogo anterior, que eles ganharam na Ilha e foram comemorar em cima do escudo do Sport. A gente foi recebido de uma maneira hostil, todo mundo tirando onda com a gente. Conseguimos reverter o placar de 2 a 0 no Arruda, 35 mil pessoas lá dentro. E eu ter feito o gol que abriu caminho para a classificação foi uma alegria muito grande – declarou Everton, que também lembrou o gol do título pernambucano do ano passado (contra o Salgueiro).

Gol contra o Santa, na semifinal do Nordestão de 2017, é momento mais marcante da carreira (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Gol contra o Santa, na semifinal do Nordestão de 2017, é momento mais marcante da carreira (Foto: Marlon Costa / Pernambuco Press)

Diego Souza

Alegadamente mais maduro e disposto a fugir das polêmicas que marcaram a sua ainda incipiente trajetória, Everton Felipe sempre teve um espelho: Diego Souza. Consagrado, o hoje atacante do São Paulo abraçou o prata da casa desde o início no Sport. A amizade perdurou e foi fundamental para o acerto da joia rubro-negra com o Tricolor Paulista.

“Não vou mentir que o fato de Diego Souza estar lá é um peso muito grande. É um cara que aqui foi um irmão, foi um pai para mim. Dentro de campo e fora éramos muito amigos. Isso pesou também para eu ir para o São Paulo.”

O contato entre Everton e Diego foi incessante nos últimos dias – justamente os do desfecho da negociação.

– Conversei muitas vezes com ele. A gente vem se falando bastante ao longo desses dias, desde que começou essa negociação. A primeira pessoa que liguei quando tive a proposta foi ele. A primeira pessoa que o São Paulo procurou para saber de mim foi ele. A gente vem mantendo esse contato – disse.

Feliz com o acerto no São Paulo e em seu maior objetivo na carreira, Everton agora se diz tricolor de coração. Aliás: tricolor, não – para não confundir com o Santa Cruz, arquirrival do Sport.

– Agora eu sou são paulino. A torcida do Sport vai entender. O Sport é meu time de coração e eu não posso dizer que sou rubro-negro. Rubro-negro é torcedor de qualquer clube vermelho e preto. Eu sou Sport Club do Recife. E não posso dizer que sou tricolor porque seria tricolor no geral. Eu sou são paulino desde pequeno, como se diz. Agradeço ao clube pela oportunidade.

Everton Felipe e Diego Souza têm relação especial (Foto: Aldo Carneiro/ Pernambuco Press)

Everton Felipe e Diego Souza têm relação especial (Foto: Aldo Carneiro/ Pernambuco Press)