Jogadores decisivos, gerentes do banco, anjos da guarda… confira oito rankings do Brasileirão 2018

436

GloboEsporte.com

Guilherme Maniaudet, Guilherme Marçal, Leandro Silva, Roberto Maleson e Valmir Storti

Diego Souza é o mais decisivo, Cazares o solidário, Ricardo Oliveira e Róger Guedes formam a dupla artilheira: Espião Estatístico apresenta os principais dados do Campeonato Brasileiro.

 

O Brasileirão acabou, o Palmeiras foi campeão, Gabriel terminou como artilheiro e Dudu, o jogador com mais assistências. Essas informações são as mais relevantes, mas ainda é pouco dentro de uma competição com 20 clubes e 380 jogos disputados. No principal torneio do país, outros atletas se destacam em diversos quesitos.

Sabe quem foram os jogadores de linha e gol que mais atuaram? Quem foi o principal bloqueador de finalizações? O que mais entrou no decorrer dos jogos? O que deu mais passes para chutes ou cabeçadas? Confira essas e outras respostas a seguir!

Jogadores decisivos: quem decide quando o time está perdendo por um gol ou empatando

 — Foto: Infoesporte

— Foto: Infoesporte

Eles resolvem! Se o jogo está difícil os jogadores decisivos descomplicam no momento do aperto. Ou seja, balançam a rede ou dão assistência quando o time está perdendo por um gol ou empatando. Entre todos os atletas do Brasileiro, ninguém foi mais importante nas horas difíceis que Diego Souza. O atacante ajudou o São Paulo em 14 lances decisivos – 12 deles, gols.

Eleito o craque do Brasileirão e principal jogador do campeão Palmeiras, Dudu aparece em segundo, com 13 jogadas decisivas, sendo três bolas na rede e dez assistências. Na sequência está Ricardo Oliveira, do Atlético-MG, com 12 lances desse tipo.

A surpresa fica por conta de Pedro, lesionado desde o fim de agosto. O centroavante anotou dez gols pelo Fluminense, sendo 90% decisivos, além de dois passes para gol. Nico López, do Internacional, Willian, do Palmeiras, e Yago Pikachu, do Vasco, também participaram de 11 lances cruciais.

Goleiros decisivos: defesas difíceis quando o time está vencendo por um gol ou empatando

 — Foto: Infoesporte

— Foto: Infoesporte

Seu time pode ter um goleiro que faça várias defesas num campeonato, mas a verdade é que um verdadeiro paredão aparece em horas críticas. Santos, camisa 1 do Atlético-PR, lidera o índice que leva em conta defesas difíceis decisivas (intervenções quando o time está vencendo por um gol ou empatando) e gols sofridos: 64,3%. Éverson, destaque do Ceará em 2018, vem na sequência, com 62,8%; e Marcelo Lomba fez milagres decisivos ao longo de 24 partidas, cavando vaga no pódio.

Solidários: quem mais dá passe para finalização

 — Foto: Infoesporte

— Foto: Infoesporte

Quando um jogador dá uma assistência, mas o companheiro de time não faz o gol, raramente o autor do passe é lembrado. Por isso, o Espião Estatístico resolveu criar o ranking dos “solidários” para saber quem se destaca nos passes para finalizações. No Brasileirão, ninguém superou Cazares, do Atlético-MG, que deu 69 assistências para conclusões. Éverton Ribeiro, do Flamengo, serviu 67 vezes seus companheiros e ficou na segunda posição. Jadson, do Corinthians, com 64 passes para finalizações, Leonardo Valencia, do Botafogo, com 63, e Dudu, do Palmeiras, com 62, fecham o Top 5.

Duplas Dinâmicas Goleadoras: panelinhas com mais gols no Brasileirão

— Foto: Infoesporte

Apesar de ter saído para a China durante a Copa do Mundo, Róger Guedes formou com Ricardo Oliveira no Atlético-MG a dupla com mais gols no Campeonato Brasileiro. Com finalização de um e passe de outro, os dois marcaram seis gols na competição. Após perder o parceiro, Ricardo Oliveira formou com Cazares a segunda dupla artilheira da competição. O atacante brasileiro e o meia equatoriano participaram juntos de cinco gols. Com quatro gols cada, estão empatadas as duplas formadas por Leandro Damião e Edenílson (Internacional) e Everton e Diego Souza (São Paulo).

Homens de ferro: quem tem mais minutos em campo

 — Foto: Infoesporte

— Foto: Infoesporte

Este ranking mostra os jogadores que sobraram fisicamente na competição, tendo permanecido em campo o máximo possível para ajudar suas equipes. Naturalmente, os goleiros costumam apresentar os melhores números. Victor, do Atlético-MG, é o homem de ferro, seguido por Jandrei, da Chape, ambos com mais de 61 horas de jogo. Os dois atuaram nas 38 rodadas do Brasileirão.

Entre os jogadores de linha, o zagueiro Igor Rabello fez 37 partidas pelo Botafogo, num total de quase 60 horas de gramado. O lateral-esquerdo santista Dodô disputou apenas um jogo a menos, e o zagueiro Henrique, do Corinthians, fecha o Top 3, com pouco mais de 56 horas em 35 jogos.

12º jogador: quem tem mais minutos saindo do banco de reservas

 — Foto: Infoesporte

— Foto: Infoesporte

Bruno Silva, da Chapecoense, foi o reserva mais utilizado no Campeonato Brasileiro. O atacante saiu do banco em 22 partidas, totalizando 710 minutos em campo nessas condições. Além disso, ajudou a Chape a permanecer na Série A, com três gols e uma assistência. Raniel, do Cruzeiro, que foi o líder no quesito no primeiro turno, ficou na segunda colocação, com 20 jogos e 595 minutos como reserva. Rodrigo Pimpão (Botafogo), Matheus Alessandro (Fluminense) e Lucas Fernandes (Vitória) completam o Top 5.

Anjos da guarda: quem mais bloqueia finalizações adversárias

— Foto: Infoesporte

Esse é aquele que está sempre disponível a levar bolada para evitar que seu goleiro trabalhe. Igor Rabello, do Botafogo, foi quem mais bloqueou finalizações no Brasileirão. Ao todo, o zagueiro evitou em 36 oportunidades que chutes ou cabeçadas alcançassem a meta do Alvinegro. O segundo colocado também é de um time carioca: Réver, do Flamengo, bloqueou 31 finalizações. Henrique (Corinthians), Luiz Otávio (Ceará) e Víctor Cuesta (Internacional) completam a lista dos principais Anjos da Guarda da competição.

Gerentes do banco: um time dos jogadores com mais tempo no banco de reservas

— Foto: Infoesporte

Sabe quem mais “esquentou” o banco neste Brasileirão? O goleiro Cleiton, reserva de Victor, que atuou em todos os jogos do Atlético-MG. O camisa 40 do Galo ficou incríveis 61 horas e 35 minutos no banco – cerca de dois dias e meio. Ele foi relacionado para todos os compromissos do clube mineiro no Campeonato Brasileiro, mas não entrou em campo nenhuma vez.

Entre os atletas de linha, o lateral Uendel viu a boa fase do titular Iago diminuir suas chances de ganhar minutos em campo no torneio. O camisa 6 do Internacional passou mais de 56 horas assistindo aos jogos com “visão privilegiada” do banco de reservas. Ficou curioso em saber quem mais passou tempo dali? O Espião montou um esquadrão no 4-3-3 com estes atletas. Veja a escalação completa dos Gerentes do banco do Brasileirão:

Espião Estatístico mostra números gerais e curiosidades do Brasileirão 2018

Espião Estatístico mostra números gerais e curiosidades do Brasileirão 2018

*A equipe do Espião Estatístico é formada por: Cássia Moura, Guilherme Maniaudet, Guilherme Marçal, Gustavo Pereira, Leandro Silva, Roberto Maleson e Valmir Storti.