São Paulo espera propostas e não irá segurar Sidão, Rodrigo Caio e Edimar.

1141

GazetaEsportiva.net

José Victor Ligero

Sidão, Rodrigo Caio e Edimar não devem ficar no São Paulo em 2019 (Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press)

Trabalhando na montagem do elenco para a temporada de 2019, o São Paulo não deve impor empecilhos para as eventuais saídas de Sidão, Rodrigo Caio e Edimar. A diretoria entende que não haverá prejuízos à equipe, caso um deles seja negociado durante a janela de transferências.

A saída mais óbvia é a de Rodrigo Caio. Com a relação desgastada, o zagueiro tem sido vaiado pela torcida até durante o trabalho de aquecimento antes dos jogos. Em entrevistas, ele já manifestou o desejo de deixar o clube, que precisa vender ao menos um jogador para fazer caixa.PUBLICIDADE

Apesar das críticas, na análise da direção, o camisa 3 é um dos atletas do elenco são-paulino com maior potencial de ser negociado. Recentemente, inclusive, Rodrigo Caio passou a ser agenciado pelo empresário Nick Arcuri, que viajou à Europa atrás de propostas.

Sondado por Milan e Roma, o jogador de 25 anos também não descarta ser emprestado ou defender outra equipe do País – o Flamengo apareceu como um dos interessados. Em busca de “novos ares”, Rodrigo Caio sonha em voltar a ser convocado para a Seleção Brasileira. Seu contrato com o Tricolor vai até o fim de 2021.

Sidão tem situação semelhante. Igualmente criticado pela torcida, o goleiro perdeu a titularidade para Jean na reta final do Campeonato Brasileiro e poderia começar 2019 atrás até mesmo do jovem Lucas Perri na briga por posição.

Diante desse cenário, o camisa 12 iria preferir ser emprestado para um clube com maiores chances de ser titular na próxima temporada, apesar do discurso de seguir no Morumbi. Aos 35 anos, Sidão tem vínculo com o São Paulo até o dia 31 de dezembro de 2019.

Edimar, por sua vez, também deve perder espaço no ano que vem. Com a chegada de Léo Pelé, a lateral esquerda passou a ter três opções. A tendência é que 2019 comece com o recém-contratado na condição de reserva imediato de Reinaldo. Assim, caso receba propostas, o Tricolor não deve barrar a saída do camisa 16, com quem tem contrato até o final de 2019.