Troca de treinador não ajuda São Paulo a conquistar vaga direta na Libertadores

164

Robson Morelli – Estadão

O São Paulo ficou fora do G-4 do Campeonato Brasileiro. Terá então de disputar a repescagem da Libertadores no começo de 2019. Era tudo o que o clube não queria porque sabe que terá em janeiro um elenco despreparado ainda para a temporada e, mesmo assim, terá de decidir sua vida na competição sul-americana, ainda a mais importante do ano. Outros times queriam estar no seu lugar, mas para o São Paulo, a classificação em quinto teve sabor de derrota. Não penso assim. Penso que o São Paulo melhorou de uma temporada para outra e que deve continuar seu trabalho para voltar a ser importante. Os planos de Raí, diretor de futebol, são ambiciosos, do tamanho das glórias do time.

Isso é uma coisa. A outra é comprovar que a troca de treinador faltando cinco rodadas para o fim do Brasileirão se provou um grande erro. Diego Aguirre foi demitido porque a cúpula do Morumbi entendeu que ele não tinha condições de levar o São Paulo ao G-4. O cara era André Jardine. Nenê havia discutido com Aguirre, ou “estava trabalhando” para sua saída.

Jardine entrou e não deu conta da missão, a primeira que lhe confiaram. Nada contra Jardine. Em cinco jogos, não dá para avaliar ninguém. Mas é fato que a direção do São Paulo mexeu as peças de forma equivocada no tabuleiro. Deveria ter deixado Aguirre até o fim. Ele é melhor que Jardine. Conhecia o elenco. A diretoria deveria ter apagado o incêndio e levado do jeito que estava até o fim. Teria sido, assim, mais honesta com o treinador demitido. Agora, com o Campeonato Brasileiro encerrado, faria sua avaliação e poderia mudar, com mais dignidade. Errou, portanto.

Talvez tenha sido motivada pelas trocas de treinadores que deram certo. Dorival Junior, no Flamengo, por exemplo. E Felipão, no Palmeiras. Há outros. Agora, o São Paulo começa 2019 com um treinador que terá de se provar. Encara o trabalho já sob a desconfiança do torcedor são-paulino.

1 COMENTÁRIO

  1. Como já foi dito varias vezes, o problema do São Paulo não é treinador, mas sim fruto
    de uma Diretoria acéfala e incompetente liderada pela JERICO DO LECO.
    Está provado que o problema é o elenco sem qualidade.
    Atributos do atual elenco, paneleiros, meia boca, refugos, lixos, etc, vão ganhar o que com este perfil.
    Apenas coleção de vexames, eliminações, etc.
    Acorda Leco pede para cagar e saí..
    Precisamos de jogadores não: meia boca, refugos e lixos idêntico aos que contratem.
    Faxina geral, Diretoria e elenco.
    Fora Leco……