São-paulina impressiona Bocardi em comentário sobre clássico e ganha chance

2611

UOL

O comentário da torcedora são-paulina Raquel de Almeida, entrevistada hoje durante uma entrada ao vivo do “Bom Dia SP”, impressionou o apresentador Rodrigo Bocardi e gerou uma chance para ela analisar o jogo por telefone durante a reportagem do clássico São Paulo 0 x 0 Corinthians no telejornal matutino da “TV Globo”. Tudo começou quando o repórter Marcelo Poli entrevistava torcedores em frente à estação Santana de Metrô sobre o clássico. Questionada, a são-paulina, que é professora, mostrou desenvoltura e conhecimento no comentário, o que impressionou Bocardi.

“Saímos frustrados porque jogamos mais, atacamos, não nos defendemos e infelizmente queríamos 1 a 0 para fazer a felicidade de quem estava no estádio”, disse a torcedora, que ainda analisou o uso do VAR (árbitro de vídeo). “O VAR  é uma tecnologia válida, mas ela tem que se melhorada, mais rápida. Demanda uma parada muito grande , tirou o ritmo do São Paulo naquele ataque que estava. Tinha que continuar”, disse.

Mostrando desenvoltura, ela ainda rebateu um comentário de um corintiano que tinha elegido Clayson o melhor do time e interagiu com Bocardi. “Olha o melhor do Corinthians é o Cassio, porque se não fosse ele vocês estavam fora. A molecada da base está no pique, são eles que vão fazer  a diferença na Arena. Adoro o Anthony, Luan e Liziero e Helinho. Mas sou fã mesmo do Pato e do Hernanes. Esperança  é a última que morre, segura essa Bocardi”, disse.

Primeiramente, Bocardi elogiou a torcedora, dizendo que ela poderia até mesmo tentar a profissão caso deixasse a sua paixão pelo São Paulo de lado na hora dos comentários. E brincou até sobre uma possibilidade de ela comentar o jogo de volta da final do Campeonato Paulista, que será disputado no próximo domingo em Itaquera.

“Se ela deixar um pouquinho esse negócio de time de coração de lado e ficar só comentando, pode passar lá no capital humano, como chama aqui o departamento, e vai ser contratada para o próximo jogo. Manda bem nos comentários. Se ela estiver procurando um (emprego)…”, disse Bocardi, que teve o “desafio” aceito por Raquel. “Só falar que eu mando currículo”, brincou a torcedora.

Ao longo do jornal, e diante de comentários de telespectadores elogiando o comentário, Raquel voltou a ser assunto no “Bom Dia SP”, o que fez Bocardi lançar um desafio. “A galera curtiu a Raquel, a nossa comentarista.  Cadê o Marcelo Poli? Perdeu a Raquel. Se ela estiver assistindo, volta para o ponto de ônibus, ou até mesmo por telefone.  Quero lançar o desafio, tira a camisa do São Paulo e vamos ver como ela toca o barco. Aparece Raquel, a gente quer você de novo aqui. Procura-se Raquel”, disse.

E foi o que aconteceu. Raquel entrou pro telefone e teve a chance de comentar o jogo junto a Bocardi e ao jornalista Thiago Oliveira. “Sou professora. Estou chegando aqui no meu trabalho com atraso, mas estou chegando”, contou. Prometendo isenção, ela voltou a mostrar desenvoltura. “Com a análise a gente sempre é criterioso, não puxa sardinha para nenhum lado”, avisou.

“Depois do jogo de ontem, vendo, assistindo, deixando o lado emocional. O São Paulo jogou bem melhor do que o Corinthians.  Teve umas duas, três chances claras de gol. O São Paulo teve uma boa, que eu até gritei, mas o Cássio tirou na linha. O São Paulo jogou muito mais para cima, a molecada está com garra para isso. Mas o Corinthians tem o estilo de jogo do Carille, ele é mais retranqueiro, queria o empate fora. Mas se o São Paulo jogar com essa mesma postura que jogou no primeiro jogo, o Corinthians vai ter trabalho”, analisou Raquel.

Depois de ganhar ainda mais elogios de Bocardi, Raquel se despediu pedindo paz entre as torcidas, em referência ao confronto entre são-paulinos e corintianos em Ferraz de Vasconcelos que deixou 14 feridos. Sem dúvida, uma manhã para Raquel não esquecer.