Com Cotia em alta, SPFC se agarra a boa fase de jovens para fazer diferença

1193

UOL

Arthur Sandes

Rubens Chiri / saopaulofc.net

O São Paulo só empatou por 1 a 1 com o Flamengo na tarde de ontem, pelo Campeonato Brasileiro, porque encontrou forças em seus garotos da base para chegar ao gol de Tchê Tchê na reta final. Além de Toró e Antony terem sido muito agudos nos lados do campo, Liziero fez jogo seguro no meio e Walce fez sua estreia como profissional. Em maior ou menor medida, todos foram elogiados por Cuca e pela torcida. “A estreia do Walce deu certo. Foi o primeiro jogo do menino, em atmosfera completamente diferente de qualquer coisa que já viveu.” Cuca.

O defensor de 20 anos foi a maior surpresa preparada por Cuca, que montou esquema com três zagueiros para ter força nos lados com Antony e Toró. O problema foi que o flamenguista Diego estava tomando conta do jogo no setor de Walce, onde a marcação do São Paulo não encaixou direito, por isso o treinador resolveu mudar. Desta forma Walce fez função de volante e retornou a ser zagueiro, desta vez em linha de quatro defensores. “Ele é polivalente, faz lateral, pode ser volante, zagueiro… Eu procuro dar tranquilidade [aos meninos], eu não pressiono, mas de qualquer forma eles sentem a sequência de jogos. O Toró por exemplo pode ter sentido [o cansaço], porque é muito intenso nos jogos”, afirmou Cuca durante entrevista coletiva no Morumbi.

Base está em alta com a galera A titularidade dos quatro garotos dá orgulho ao são-paulino, que vê Cotia ganhando cada vez mais espaço no elenco profissional. Da versatilidade de Walce às escapadas de Antony, o torcedor aprova cada vez mais os frutos do trabalho nas categorias de base.