Cria tricolor, David Neres volta ao Morumbi para defender a Seleção

112

GazetaEsportiva.net

Gabriel Ambrós e Victor Boni*

David Neres Campos nasceu em São Paulo em 3 de maio de 1997, 19 anos antes de estrear profissionalmente com a camisa do Tricolor e 22 anos antes de disputar seu primeiro torneio com a camisa da Seleção Brasileira, a 46ª edição da Copa América, que começa nesta sexta-feira em sua cidade natal.

O palco não será novidade. Após três jogos no Morumbi com a camisa do São Paulo, o atacante do Ajax retornará ao estádio que rapidamente o consagrou no segundo semestre de 2016. Em uma crescente astronômica, Neres passou de promessa da base para uma venda multimilionária no espaço de seis meses.

Dois anos e meio adiante, o atacante tem tudo para ser o substituto de Neymar, cortado por lesão no tornozelo, na escalação inicial de Tite para o confronto do Brasil contra a Bolívia, a partir das 21h30 (horário de Brasília).

História no Morumbi

Após disputar duas Copinhas pelo São Paulo, Neres estreou no profissional na noite de 17 de outubro de 2016. Na zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, o Tricolor lutava desesperadamente contra o Fluminense, no Giulite Coutinho, por uma virada após sair atrás do placar. Foi aí que Ricardo Gomes colocou o jovem Neres em campo pela primeira vez. Com poucos minutos de São Paulo, ele já arriscava, driblava, ia para cima, e ajudava os paulistas a mudarem a cara da partida, que seria vencida de virada.

A partir de então, gol crucial contra a Ponte Preta no Morumbi, e mais um no estádio, na goleada de 4 a 0 sobre o Corinthians. Para fechar o ano, o tento de adeus marcado frente ao Santa Cruz no Pacaembu na rodada derradeira do Brasileirão. Neres seria vendido no próximo mês de janeiro para defender o Ajax no futebol holandês.

Começo de volante

Nove anos antes da estreia no Campeonato Brasileiro, um jovem Neres chegava as categorias de base do time do Morumbi. Um dos primeiros profissionais a conhecê-lo foi Toninho, supervisor das categorias sub-11 e sub-13 do clube. “Ele chegou com uns 11, 12 anos como volante. Mas eu já observei as características e vi que ele não tinha nada de volante e coloquei como atacante”, relembrou.

A mudança de Toninho renderia frutos anos depois, quando Júnior Chávare assumiu a coordenação da base são-paulina no fim de 2014, com uma proposta clara de reformulação. Mesmo assim, quando o coordenador chegou ao clube após passagem no Grêmio, se deparou com uma promessa ainda longe do ideal.

David Neres é uma das joias de 97 da base tricolor (Fotos: Djalma Vassão/Gazeta Press)

“A dúvida em relação ao David Neres era da questão física, do enfrentamento, se ele seria um jogador que suportaria o jogo de profissional mesmo. Mas aí a gente percebeu claramente, com pouco mais de um mês de treino, que ele tinha muito potencial para isso, tanto que ele foi imediatamente inscrito na Copa São Paulo (2015)”, recordou o profissional, hoje no Atlético-MG.

“Quando a gente chegou no fim do 2014 ele estava no sub-17, aí em 2015 subimos ele para o sub-20. Reformulamos o sub-20 com a chegada do André Jardine após a Copa São Paulo, trouxemos também o preparador físico Caco e implementamos um trabalho muito específico para ele. Lembro que foi trabalhado muito a questão de força, de potência, de enfrentamento”, explicou.

Melhor preparado, Neres foi destaque da Copa RS 2015 e da Copinha de 2016, meses antes de ser integrado definitivamente ao elenco profissional.

“Falso tímido”

Apesar do destaque dentro de campo, Neres não é de se soltar na frente dos microfones. Com fala rápida e baixa, o jogador já admitiu não gostar de dar entrevistas e parece desconfortável toda vez que é colocado para falar com o público.

“É da personalidade dele. Tinha seu grupo de amigos, tinha muita amizade com o grupo nascido em 1997, com o Lucas Fernandes, mas era muito isolado”, relembrou Toninho.

O jeito mais quieto do atacante, porém, não tem a ver com falta de confiança. “O que mais me surpreendeu é que de primeira impressão ele pareceu um jogador muito tímido, que a gente ia ter que trabalhar muito o lado psicológico. Mas depois ele me surpreendeu muito”, relembrou Chávare.

“Na verdade ele parece só tímido mas ele é um jogador de muita entrega, de muita autoestima própria, de muita confiança, e isso foi um fator que me surpreendeu positivamente. Realmente ele almejou, traçou o futuro dele e foi caminhando dia-a-dia para conseguir alcançá-lo”, seguiu.

(Foto: Djalma Vassão/Gazeta Press)

“Ele é quieto. É um menino que fica na dele, mas dentro de campo ele é um jogador que tem muita confiança. A gente até brincava, dizia que ele é o falso tímido, que a timidez dele é mais no relacionamento dele, na conversa; mas dentro de campo, é cobrado, cobra, tem liberdade de falar, no vestiário sempre foi um jogador que quando precisou falou, então essas características realmente me surpreenderam de forma positiva”, pontou o ex-coordenador das categorias de base tricolor.

Problemas na escola

Além dos microfones, Neres não fazia sucesso nos boletins escolares. “Na escola que era o problema, as notas eram baixas. E o São Paulo é muito rigoroso com a escola. Durante o campeonato brasileiro sub-17, vencemos o primeiro jogo contra o Criciúma com dois gols dele, mas depois ele foi suspenso por mau comportamento na escola e só voltou na fase final”, explicou Toninho.

O supervisor se refere ao caso do afastamento do atleta em 2014, quando o atacante foi suspenso do alojamento do clube após recorrência de problemas de indisciplina. “Sinto que ele aprendeu com isso, ele entendeu que era para o bem dele e amadureceu”, disse.

(Foto: Sergio Barzaghi/Gazeta Press)

O susto pareceu realmente ter surgido efeito. A partir do fim do ano, quando Chávare assumiu a coordenação da base, nenhuma reclamação por indisciplina ou falta de foco foi feita, o problema seguia mesmo nas notas tiradas pelo estudante Neres.

“Não era de aprontar não, nunca me deu trabalho. Tinhas algumas birras para estudar, era meio teimoso para isso, como todo atleta que às vezes pensa que o futebol era a única coisa que ia servir na vida. Mas quanto a indisciplina, essas coisas, nada, nunca tive nenhum problema com ele”, lembrou o coordenador.

“(Na escola) eu lembro que ele não um dos melhores não, não lembro se passou com 5, com 4,9, mas não era dos mais tranquilos não (risos)”, brincou Chávare.

Laranja Mecânica e Amarelinha

Após a negociação do São Paulo em janeiro de 2017, Neres chegou ao Ajax, clube com tradição ofensiva e de formação e desenvolvimento de grandes jogadores. Não demorou muito para o brasileiro se destacar, sendo eleito o melhor jogador do 1º turno do Campeonato Holandês na temporada 2017/2018.

Depois de alguns altos e baixos, o atacante apareceu como peça chave da surpresa da Liga dos Campeões desta temporada. Com Neres, o Ajax eliminou Real Madrid e Juventus e chegou perto de se garantir na decisão, mas acabou eliminado pelo Tottenham.

“Acho que a questão física foi um complemento, a Europa sempre acaba trabalhando muito isso. Na parte tática, ele conseguiu ter um maior comprometimento dentro do que o Jardine já tinha trabalhado com ele”, comentou Chávare. “E lá, com o aspecto da mudança, da cultura, o jogador tem um choque de possibilidades, que quando ele está muito afim, quando ele coloca o aspecto profissional acima de tudo, isso supervaloriza, e foi o caso dele”, completou.

O camisa 7 terminou a competição com dois gols, contra Real e Juventus, e duas assistências em 11 jogos, além de um holofote maior que lhe garantiu sua primeira convocação para a Seleção Brasileira, em amistosos contra Panamá e República Tcheca. Na próxima lista, a da Copa América, Tite o chamou novamente entre os 23.

“Falo com ele até hoje. Ele amadureceu muito, principalmente depois de ir pro Ajax. Morar sozinho, solteiro na Holanda não é fácil”, disse Toninho. “Ele já uma realidade, está em um grande time e na Seleção Brasileira”, cravou.