Apesar da “freguesia”, Rogério Ceni viveu momentos difíceis contra o Cruzeiro

178

GazetaEsportiva

Maior vítima dos gols de Rogério Ceni ao lado do Palmeiras, o Cruzeiro também foi responsável por momentos ruins na carreira de seu novo treinador. Como goleiro do São Paulo, o ex-atleta viu o Tricolor perder uma Copa do Brasil para a Raposa e foi eliminado de sua última Copa Libertadores para o time que agora irá comandar.

No ano 2000, paulistas e mineiros decidiram o torneio nacional. Com um empate por 0 a 0 no Morumbi, pelo jogo de ida, o Tricolor precisava de uma vitória no Mineirão para conquistar o título inédito. E aos 20 minutos do segundo tempo da partida de volta, Marcelinho Paraíba marcou em cobrança de falta e colocou o Tricolor perto do troféu.

Contudo, aos 35 minutos, Müller, bicampeão mundial pelo São Paulo, deu a assistência para Fábio Júnior igualar o marcador. Com o critério do gol qualificado, o empate ainda deixava a Copa do Brasil nas mãos da equipe do Morumbi. Aos 45 minutos, porém, Geovanni bateu falta no fundo das redes e tirou a taça do Tricolor de Rogério Ceni.

Em Libertadores, o Cruzeiro foi carrasco de Ceni duas vezes. Em 2009, a Raposa tirou o São Paulo da competição nas quartas de final, com duas vitórias, por 2 a 1 e 2 a 0. E no ano de 2015, os mineiros deram um fim à trajetória do novo técnico como jogador no torneio continental. Depois de uma vitória por 1 a 0 para cada time, nas oitavas de final, a disputa foi para os pênaltis no Mineirão. Rogério até converteu um e pegou dois, mas Lucão, Luís Fabiano e Souza perderam, eliminando a equipe do ex-arqueiro.

14 de agosto de 2019 20:50:42Em seu primeiro ano como técnico, a Celeste o fez de vítima mais uma vez. No entanto, o palco foi a Copa do Brasil de 2017. No comando do Tricolor, Ceni encontrou o entrosado time cruzeirense na quarta fase da competição. O gol contra de Lucas Pratto encaminhou a eliminação do time, pois, momentos depois, os adversários balançaram as redes novamente e levaram uma vantagem de 2 a 0 para o Mineirão.

No jogo de volta, o vilão se tornou herói. Em 15 minutos, o atacante argentino abriu o marcador e o São Paulo precisava de mais um para ir às oitavas. Porém, na volta do vestiário, Thiago Neves contou com um desvio na falta cobrada e acabou com as esperanças de Ceni.