Entrevista de Dani Alves revela muito sobre o São Paulo e futebol no Brasil

1209

UOL

André Rocha

O empate por 1 a 1 foi mais um resultado desastroso para o São Paulo no Morumbi pelo Brasileiro. Não fosse a falha do goleiro Jordi no gol de Reinaldo e o CSA que se recupera sob o comando de Argel Fucks, com o gol de Bustamante, poderia ter saído com mais dois pontos que deixariam a equipe com os mesmos 18 do Fluminense, hoje o 16º colocado e primeiro fora do Z-4.

Na entrevista pós-jogo, realizada na zona mista, Daniel Alves estava visivelmente irritado. E jogador aborrecido costuma abrir a “torneira da verdade”. Mesmo para um multicampeão com moral para falar o que pensa há sempre um certo verniz nas declarações. Uma polidez. Mas não desta vez. E o que falou revela muito sobre o São Paulo e também o futebol no Brasil.

O camisa dez são-paulino tinha até razões para estar incomodado. Atuando pela primeira vez na lateral direita no Brasileiro, participou bem menos dos ataques e viu Hernanes centralizar demais o jogo. Evolução coletiva zero. Daniel Alves disse que a imprensa não era capaz de entender suas dificuldades em campo porque os jornalistas nunca jogaram.

Curiosamente, este blog registrou logo no anúncio da contratação que era um desperdício não aproveitá-lo no meio-campo. Como um “oito” ajudando na articulação, não um meia centralizado e avançado jogando de costas para a marcação. É contraproducente e não precisa ser um gênio ou ter entrado em campo para perceber.

O atleta veterano também deixou claro que os protagonistas do futebol não gostam muito do contraditório: “A imprensa sempre está para gerar um certo desconforto e debates. Não podemos gerar debates”, criticou. Bem, se as quatro vitórias e seis empates em casa, enfrentando reservas do Flamengo e Grêmio, não podem provocar uma discussão séria e responsável sobre o desempenho são-paulino que não se reflete nos resultados é porque a noção de liberdade de expressão do jogador é um tanto enviesada. Ou elogia ou fica em silêncio porque “nunca chutou uma bola”? Democrático, não?

De positivo, a postura de líder ao não jogar a toalha e afirmar que o título não é do Flamengo – conclusão óbvia com um turno ainda em disputa, mas necessária pelos dez pontos de distância na tabela. Também uma observação importante sobre padrão de jogo: “Às vezes as pessoas acham que um padrão de jogo é feito em treinamento. Padrão de jogo é feito mais em formação teórica do que tática”, explicou Daniel.

Perfeito. Ainda mais no país em que se acreditava, e muitos ainda acreditam, que padrão se alcança repetindo o time em treinos e jogos. É bem mais que isso, com definição de princípios de jogo que vão ajudar na construção do modelo. Primeiro a forte base teórica, depois a prática. Daniel aprendeu com Guardiola, Thomas Tuchel, Massimiliano Allegri e outros treinadores. Cuca acredita em construção intuitiva, jogo a jogo em função do adversário. Fica mais complicado.

O lateral da seleção brasileira já percebeu que a missão de resgatar a autoestima e o espírito vencedor do São Paulo será mais complicada do que ele imaginava. O clube parece estacionado em uma espécie de “zona morta”. Sem um fundo do poço para se reconstruir do zero, nem o “turning point” para virar tudo do avesso e mudar a história na década que entra na reta final apenas com o título da Sul-Americana de 2012. É muito pouco para um gigante do futebol brasileiro. Se nada mudar, Daniel Alves ainda sairá incomodado muitas vezes do Morumbi.

1 COMENTÁRIO

  1. Não dá para entender, o time teve 8 dias para treinar. Todos, na arquibancada ontem, viam que o time embolava pelo meio facilitando, e muito, a marcação adversária. Pergunto, o Cuca fecha o treino para quê? Será que treina mesmo?