Espião Estatístico: veja os números do São Paulo na temporada e os últimos trabalhos de Diniz

203

SporTV.com

Guilherme Maniaudet e Roberto Teixeira

Novo técnico tem a missão de aumentar o repertório ofensivo do Tricolor Paulista.

Rubens Chiri / saopaulofc.net

 — Foto: Infoesporte
Espião Estatístico mostra números de treinadores do São Paulo em 2019

Espião Estatístico mostra números de treinadores do São Paulo em 2019

Quarto técnico do São Paulo no Brasileirão 2019, Fenando Diniz chega ao São Paulo com a missão de recuperar o bom futebol do Tricolor Paulista. Com apenas uma vitória nos últimos sete jogos, Diniz assume o clube na sexta colocação. Na temporada, o Tricolor tem um aproveitamento de 46,51%.

Em 43 jogos são 15 vitórias, 15 empates e 13 derrotas. Ao lado do CSA, o time tem a pior média de gols entre os 20 clubes da Série A na temporada: 0,93 por jogo. No entanto, a equipe possui a terceira melhor média de gols sofridos (0,74 por jogo) entre os times da elite do futebol brasileiro, atrás apenas de Palmeiras (0,53) e Grêmio (0,6).

Primeiro técnico do Tricolor no ano, André Jardine comandou o time na eliminação na Pré-Libertadores, porém ainda foi o que teve a melhor média de gols marcados: 41,66. Já com Vagner Mancini, que assumiu o clube interinamente até a chegada de Cuca, o São Paulo obteve o seu melhor momento no ano.

André Jardine foi primeiro técnico do São Paulo na temporada 2019 — Foto: Marcos Ribolli

André Jardine foi primeiro técnico do São Paulo na temporada 2019 — Foto: Marcos Ribolli

Em nove partidas, o time venceu três, empatou quatro e perdeu duas. Acumulando um aproveitamento de 48, 14%. Cuca comandou o Tricolor Paulista em 26 jogos, com nove vitórias, dez empates e sete derrotas. Foram marcados 24 gols média de (0,92 por jogo) e teve 19 tentos sofridos (0,73).

O estilo Fernando Diniz

Fernando Diniz tem a tarefa de fazer o São Paulo melhorar o setor ofensivo. Embora não sofra uma crise na defesa, a equipe não consegue ameaçar a meta adversária com frequência. Conhecido por privilegiar o ataque, Diniz pode ser o técnico ideal para reverter o mau momento do ataque.

No Atlético-PR, seu primeiro trabalho em uma equipe da Série A. o técnico teve um aproveitamento baixo (34,92%), porém uma média de gols alta (1,19 por jogo). No Fluminense, o treinador esteve à beira do gramado em 44 oportunidades com um aproveitamento de 49,24%. Ofensivo, o time carioca marcou 71 gols (1,61), mas sofreu 48 (1,09).

*A equipe do Espião Estatístico é formada por: Guilherme Maniaudet, Guilherme Marçal, Leandro Silva, Roberto Maleson, Roberto Teixeira, Valmir Storti e Vitória Azevedo