Raí diz que contratação de Fernando Diniz foi “consenso” no São Paulo e que jogadores foram ouvidos

350

GloboEsporte

 Eduardo Rodrigues e Marcelo Hazan 

Dirigente elogia “filosofia de jogo” do novo treinador do Tricolor paulista e diz que foi “pego de surpresa” com saída de Vagner Mancini.

O executivo de futebol do São Paulo, Raí, concedeu entrevista coletiva na manha desta sexta-feira, no CT da Barra Funda, para apresentar o novo técnico do Tricolor, Fernando Diniz. É a décima troca de treinador em quatro anos da gestão Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco

A chegada de Fernando Diniz gerou a saída do coordenador técnico Vagner Mancini. Raí disse que a contratação do novo treinador foi “consenso”.

– Estou muito feliz com a chegada do Diniz, um nome muito admirado. Nessas conversas que tivemos foi um consenso. Abrimos para conversar com pessoas que trabalharam com o Fernando, jogadores também fizeram parte dessa troca de ideias – disse Raí.

– Cada característica desse time levava a crer no acerto da decisão. Acho que o trabalho do Diniz nos comentários, independente de resultados, é muito consistente, tem filosofia de trabalho que foi debatido pela gente. Um característica que a gente admira e ele tem competência para cumprir. A filosofia de domínio de jogo, as características que definem o trabalho dele. A gente vem buscando isso desde o início do ano e temos a convicção que o Diniz pode mobilizar esse grupo nessa filosofia – completou o dirigente.

– Claro que foi de surpresa. Ele (Mancini) viu que estava se encaminhando a decisão do Diniz e deixou em nota bem claro. Quis deixar à vontade a diretoria, Diniz e sua equipe para decidir quem seria a equipe de trabalho. Por enquanto, a gente não está pensando em ninguém para substituir, mas claro que agradeci muito o profissional e toda lealdade do Mancini e todo trabalho que fez no São Paulo.

Fernando Diniz e Raí em entrevista coletiva no São Paulo — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Em sua apresentação, Fernando Diniz foi questionado sobre a média de tempo de técnicos no São Paulo, um a cada cinco meses:

– A ideia de permanência do treinador, de maneira especial no Brasil, é resultado. Tem de dar resultado. Não é o meu trabalho, qualquer um precisa. As necessidades são urgentes. Precisamos de vitória o quanto antes. É isso o que sustenta bom ambiente, acalma torcedor, alegra e dá sustentação ao trabalho – disse o técnico.

A estreia do novo treinador será neste sábado, às 19h, no Maracanã, em confronto contra o Flamengo, líder do Brasileirão com 48 pontos, 13 a mais do que o São Paulo, sexto colocado, faltando 17 rodadas para o fim.

As dez trocas de técnico da era Leco*:

  • Doriva por Milton Cruz
  • Milton Cruz por Edgardo Bauza
  • Edgardo Bauza por Ricardo Gomes
  • Ricardo Gomes por Rogério Ceni
  • Rogério Ceni por Dorival Júnior
  • Dorival Júnior por Diego Aguirre
  • Diego Aguirre por André Jardine
  • André Jardine por Vagner Mancini
  • Vagner Mancini por Cuca
  • Cuca por Fernando Diniz

*O levantamento conta com os interinos.

Fernando Diniz afirma: "O DNA do São Paulo tem muito a ver comigo"

Fernando Diniz afirma: “O DNA do São Paulo tem muito a ver comigo”

Leco é presidente do São Paulo desde 27 de outubro de 2015. Ele assumiu o Tricolor após o pedido de renúncia do então presidente Carlos Miguel Aidar. Em 2017, Leco venceu as eleições sobre Eduardo Mesquita Pimenta. O mandato vai até o fim de 2020.

As mudanças na diretoria e no comando técnico marcaram a trajetória de Leco até aqui. Em seus dois primeiros anos na presidência – entre 2015 e 2017 –, houve sete mudanças no comando de futebol do clube.

Todas essas mudanças de rotas não surtiram efeito, e o São Paulo não conquistou nenhum título neste período. O máximo que conseguiu foi uma final, a do Campeonato Paulista deste ano, a qual foi derrotado pelo Corinthians.

– Esse negócio de trocar treinador dá certo? Você vê que não dá certo. Mas se troca por que? Porque não ganha, mas o problema é que eles não tem essa certeza que o treinador que vão trazer vai dar estabilidade para o São Paulo, vai dar um jeito de jogar para o São Paulo. Essa insegurança que vem de cima passa para o campo também. O jogador está inseguro, time sem confiança, um time sem brilho, porque isso passa para as pessoas, para o clube, passa para o time. Acho que a diretoria tem que rever o trabalho deles. Não é possível trocar tantos treinadores – afirmou M no podcast GE São Paulo.

Veja como foi a apresentação de Fernando Diniz, o novo técnico do São Paulo

Veja como foi a apresentação de Fernando Diniz, o novo técnico do São Paulo