SPFC vê discurso de Dani Alves como ação para aliviar pressão sobre time

232

UOL

Arthur Sandes e José Eduardo Martins

Daniel Alves fez um discurso forte depois de o São Paulo ficar no empate por 1 a 1 com o CSA por no último domingo (15), em pleno Morumbi. Como publicou o UOL Esporte, além de questionar a imprensa, o camisa 10 mandou um recado para Cuca sobre o seu posicionamento durante as partidas do Tricolor e a necessidade de se ter uma convicção no trabalho com o time, independentemente do que pede a opinião pública. Apesar de toda a polêmica criada, o clube viu com bons olhos a postura de seu badalado reforço. A leitura é que, com a atitude, a intenção era tirar sobre seus companheiros, chamando a atenção para si.

A avaliação de dirigentes é que Daniel Alves teve sucesso em seu plano, desviando muito do foco que deveria estar sobre Cuca e elenco após desempenho decepcionante em casa. Em franca queda de rendimento, a equipe não vence há quatro rodadas do Brasileiro, mesmo estando dedicada exclusivamente ao campeonato. Mas as redes sociais tricolores foram dominadas pelas declarações do capitão da seleção brasileira na Copa América sobre o papel da imprensa esportiva na cobertura do futebol nacional.

O camisa 10 sabe que tem cacife para bancar tal posição e ganhar os holofotes. Como característica pessoal, gosta de trazer a responsabilidade para o seu lado — comportamento que já se repetiu em diferentes momentos pela seleção. No Barcelona, claro, não havia necessidade para se falar muito. Quase não havia crise por lá. E, quando havia, ídolos do clube catalão, como o zagueiro Gerard Piqué e o ex-volante Xavi, poderiam assumir facilmente esse papel.

Pela seleção, até mesmo durante a última Copa América, por exemplo, ele questionou o comportamento da torcida no Morumbi. Novamente repercutiu mais do que o fraco rendimento do time de Tite contra a Bolívia. Em 2014, depois do 7 a 1 para a Alemanha, ele publicou um post que gerou polêmica na internet ao elogiar os companheiros, que seriam muito mais valorizados no exterior do que no país.

Ou seja, se depender do São Paulo e se o camisa 10 julgar necessário, ele vai novamente se posicionar para tentar aliviar a barra dos colegas. O risco é que o discurso nem sempre poderá bater com o que pensam diretoria comissão técnica. Em meio a suas observações sobre jornalistas que nunca jogaram futebol, Daniel não se esquivou de dizer que prefere jogar como meia. Ao seu ver, é a forma como pode ajudar mais o São Paulo no Brasileirão – na lateral, pondera, teria influência reduzida.

Qual a situação de Cuca no momento? Segundo apurou o UOL Esporte, o treinador ainda tem o respaldo do departamento de futebol conduzido por Raí e do presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco — que acompanhou o treino de ontem (17), no CT da Barra Funda. Não há qualquer movimentação de bastidor para que o clube troque o comando do time neste momento.

No entanto, Cuca é alvo de críticas de alguns conselheiros e torcedores. A decepção no Morumbi foi grande. Por se tratar de um jogo em casa contra adversário posicionado na zona de rebaixamento, o CSA, a expectativa de um triunfo era elevada. Era a chance para o time voltar a somar três pontos, ultrapassar o Corinthians na classificação e não se desgarrar dos líderes. Depois do tropeço, agora dez pontos separam o clube, que está em sexto, do embalado Flamengo, o primeiro.

Na visão desses críticos, os resultados e o desempenho da equipe não são condizentes com o investimento feito para a montagem do elenco. A conta aumentou de modo considerável com a chegada de Daniel Alves. Nesse cenário, é improvável que Cuca perca seu cargo em caso de derrota para o Botafogo neste fim de semana ou até mesmo em um horizonte mais próximo. Mas a pressão externa aumentou.