Das vaias ao trono: como Reinaldo mudou sua história no São Paulo e virou “Kingnaldo”

315

GloboEsporte

Eduardo Rodrigues e Marcelo Hazan 

Vice-artilheiro do Tricolor do elenco, com seis gols, lateral-esquerdo ganha prestígio no clube, vira peça-chave e terá contrato renovado. Na primeira passagem ele ficou marcado pelas críticas.

Reinaldo terá seu contrato renovado no São Paulo e completará 200 jogos com a camisa do clube nesta quarta-feira, às 21h, no Mineirão, contra o Cruzeiro, pelo Campeonato Brasileiro.

Hoje chamado de “Kingnaldo” pela torcida, o lateral conheceu a ira dos são-paulinos no passado e percorreu longo caminho até conquistar seu trono.

Reinaldo ficou marcado pelas vaias em sua primeira passagem no Morumbi. Ele foi contratado em 2013, quando o São Paulo fugiu do rebaixamento no Brasileirão sob o comando de Muricy Ramalho, e permaneceu até 2015, ano em que o ex-presidente Carlos Miguel Aidar renunciou após denúncias de corrupção.

Reinaldo, inclusive, admitiu que do vestiário do Morumbi escutava as vaias da torcida quando o sistema de som anunciava seu nome na escalação titular, em entrevista no ano passado.

Reinaldo na primeira passagem pelo São Paulo, em 2013 — Foto: Carlos Augusto Ferrari

Reinaldo na primeira passagem pelo São Paulo, em 2013 — Foto: Carlos Augusto Ferrari

O início da reviravolta na carreira começou quando Reinaldo saiu do São Paulo. Para brilhar no Morumbi, ele primeiro teve de provar seu valor fora do clube. E fez gols no Tricolor.

Em 2016, Reinaldo foi emprestado para a Ponte Preta, pela qual fez 51 jogos e quatro gols, sendo um deles contra o São Paulo (veja abaixo). Na época, o lateral disse:

– Chegava em casa triste por causa das vaias da torcida, mas nunca abaixei a cabeça. Vinha treinando forte lá, mas esse ano não deu para ficar. O professor (Edgardo Bauza) optou por não me inscrever em nenhuma competição, e eu optei em vir para a Ponte Preta. Agora estou aqui, vou dar meu máximo para conseguir o objetivo, que é se Deus quiser ser campeão.

Em 2016, Reinaldo faz o gol da vitória da Ponte Preta sobre o São Paulo pelo Paulistão

Em 2016, Reinaldo faz o gol da vitória da Ponte Preta sobre o São Paulo pelo Paulistão

+ Leia mais notícias do São Paulo

Não teve título na Macaca, mas sim na Chapecoense, pela qual conquistou o Campeonato Catarinense e foi eleito o melhor lateral do torneio. Reinaldo, aliás, viveu em números o auge da carreira em 2017, quando fez 65 jogos, nove gols e deu 15 assistências. De quebra, ele novamente anotou mais um gol contra o São Paulo (veja abaixo) e já era chamado de Kingnaldo.

Reinaldo faz gol de pênalti pela Chapecoense contra o São Paulo, em 2017

Reinaldo faz gol de pênalti pela Chapecoense contra o São Paulo, em 2017

Antes de retornar ao Morumbi, Reinaldo sabia que precisaria reconquistar a torcida depois da primeira passagem marcada pelas críticas.

Ele voltou em 2018 como titular absoluto da lateral e teve seu ponto mais alto com os são-paulinos ao fazer dois gols na vitória por 3 a 1 sobre o Corinthians, mesmo rival do último domingo (veja os gols abaixo). Virou até copo oficial do clube.

Os gols de São Paulo 3 x 1 Corinthians pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro

Os gols de São Paulo 3 x 1 Corinthians pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro

Novamente titular absoluto nesta temporada, Reinaldo passou a dividir a braçadeira de capitão com Hernanes e Daniel Alves, contratado em agosto.

Neste mesmo mês, o São Paulo recusou proposta do Al-Ahli, da Arábia Saudita, de 2,5 milhões de dólares (cerca de R$ 10,3 milhões) pelo jogador. Agora o clube vai valorizar o lateral tão criticado no passado e hoje referência nos números.

Reinaldo comemora gol do São Paulo contra o Corinthians — Foto: Marcos Ribolli

Reinaldo comemora gol do São Paulo contra o Corinthians — Foto: Marcos Ribolli

Veja números de Reinaldo no São Paulo:

  • 2º atleta com mais jogos (199) do atual elenco, atrás de Hernanes (273)
  • 2º maior goleador do elenco no ano, com seis gols
  • Líder em assistências no ano, com quatro passes para gols
  • Líder em atuações entre os jogadores de linha no ano (44 partidas)
  • Líder em finalizações entre os são-paulinos no Brasileirão (38)
  • Líder em roubadas de bola entre os são-paulinos no Brasileirão (44)