Intensidade, vídeos e conversas particulares: a primeira semana de Fernando Diniz no São Paulo

427

GloboEsporte

Eduardo Rodrigues e Marcelo Hazan 

Veja em vídeo um resumo e uma análise de como o treinador iniciou sua trajetória no Tricolor; ele terá primeiro contato com a torcida neste sábado, às 17h, no Pacaembu.

As primeiras impressões de Fernando Diniz no comando do São Paulo

A primeira semana de treinos de Fernando Diniz no São Paulo deu uma prévia do que será o trabalho do treinador no comando da equipe. Com dois treinos totalmente abertos, dois com apenas o aquecimento liberado e um totalmente fechado, muitas coisas puderam ser observadas.

Em seu primeiro contato com a imprensa, na segunda-feira, Diniz não deixou que as câmeras gravassem o trabalho tático. Em um dos campos do CT da Barra Funda, porém, ele fez o que chama de 11×0 (o popular “treino fantasma”: ou seja, os 11 titulares foram para as suas posições e a bola tinha que passar por todos com apenas dois toques até chegar no centroavante para a finalização acontecer.

O time teve só uma mudança em relação ao que deve ser o titular. Reinaldo naquele dia foi realizar exames e ficou fora da atividade. No dia seguinte, ele treinou normalmente. Com isso, uma provável equipe para enfrentar o Fortaleza, às 17h, neste sábado, deve ter um 4-1-4-1: Tiago Volpi; Juanfran, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Luan; Antony, Daniel Alves, Hernanes e Tchê Tchê; Pablo.

Além do trabalho ser bem didático, com muitas instruções do treinador antes e durante a execução, outra coisa que chamou a atenção foram as cobranças que Fernando Diniz fez a cada jogador. Ele correu a todo instante e constantemente pediu para os atletas sem a bola aparecerem para receber o passe.

Os reservas também fizeram o “treino fantasma” após minijogos em campo reduzido realizados em outro campo do CT. A ideia com esse método é com que todos saibam o que fazer quando forem acionados durante uma partida.

Na terça-feira, no último treino aberto da semana, Fernando Diniz liberou as imagens, mas mudou a atividade. Em quatro times divididos com cinco atletas em cada, o técnico promoveu partidas em campo reduzido. Cada jogador só podia dar dois toques na bola.

A cobrança dessa vez era para que houvesse pressão na saída de bola dos goleiros. Uma das características dos times dirigidos por Diniz é o jogo de apoio dos goleiros com os pés para que haja uma quebra da primeira linha de marcação do adversário (assista abaixo um trecho do treino em campo reduzido).

Conversas particulares

Psicólogo de formação, Fernando Diniz costuma dizer que o futebol vai muito além do jogo e gosta de ter conversas rotineiras com os jogadores sobre diversos assuntos. Ele acredita que dessa forma, aquele que não está jogando ou está em um momento de baixa fique motivado assim como o titular.

Nos primeiros treinos, porém, praticamente todos tiveram conversas particulares ou em dupla com o treinador. Daniel Alves e Hernanes, Igor Vinicius e Juanfran, Luan e Liziero foram alguns dos papos em dupla. Hernanes, especialmente, foi marcado por uma mensagem.

– Ah, essa… Ele falou uma frase que me marcou muito e até mencionei em outra entrevista, que futebol “é uma porrada de coisas simples”, (ele diz) meu estilo de jogo não é difícil, não quero que façam nada magico, drible três e faça gol do meio de campo, não, é uma porrada de coisas simples. Então… Eu tenho uma filosofia, um slogan também que é do Steve Jobs, que ele dizia que a maior sofisticação é a simplicidade, então os gênios procuram fazer o simples de maneira efetiva e eficaz, ele soltou essa aí que eu já guardei (risos) – disse o Profeta.

Daniel Alves e Hernanes ouvem instruções de Fernando Diniz no São Paulo — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Daniel Alves e Hernanes ouvem instruções de Fernando Diniz no São Paulo — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Antony e Alexandre Pato tiveram conversas individuais. O jovem atacante não vive seu melhor momento e voltou a ser titular após a saída do técnico Cuca. Os dois últimos jogos do treinador foram com Antony no banco.

Já Pato se recupera de um estiramento na coxa direita, não deve ir para o jogo deste sábado, mas tem moral com Diniz. Após o empate com o Flamengo, o técnico afirmou que o atacante é um jogador que deveria ter jogado nas últimas duas Copas e se preparando para uma terceira.

Na última quarta-feira, os dois ficaram conversando por volta de 30 minutos em um banco do CT da Barra Funda, longe de qualquer outro companheiro.

Alexandre Pato e Fernando Diniz conversam no CT da Barra Funda — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Alexandre Pato e Fernando Diniz conversam no CT da Barra Funda — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Vídeos

Antes do treino da quinta-feira começar, todos os presentes no CT estranharam a demora para os atletas irem para o campo. Após um atraso considerável em relação ao horário inicialmente marcado, veio a informação: os jogadores estavam em uma sala assistindo a vídeos passados por Fernando Diniz e sua comissão técnica por aproximadamente 40 minutos.

– A gente joga futebol desde criança e às vezes falta a parte teórica. Nós nunca sentamos na sala de aula para aprender o que é o futebol. Ele é um professor, porque ensina realmente cada coisa que tem de fazer, por que fazer e por que não fazer. Cada movimento é bem pensado. Então tem sido bem intenso, mas ao mesmo tempo legal – disse Hernanes, em entrevista ao Grupo Globo publicada na última quinta-feira.

Fernando Diniz não implementou muito seu estilo na estreia pelo São Paulo. Neste sábado, no entanto, muitas características já devem aparecer. Os jogadores se mostram favorável ao novo treinador, que em sua coletiva falou na expectativas por títulos e um bom trabalho no Tricolor.

Fernando Diniz em seu primeiro treino pelo São Paulo — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Fernando Diniz em seu primeiro treino pelo São Paulo — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net