Por conflito em final com Boca, River enfrentará São Paulo com portões fechados

311

GazetaEsportiva

O River Plate enfrentará o São Paulo, no Monumental de Núñez, com os portões fechados no dia 22 de abril, partida válida pela quinta rodada da fase de grupos da Copa Libertadores. Nesta terça-feira, o Tribunal Arbitral do Esporte (TAS) divulgou a sanção dada ao clube argentino pelos conflitos no jogo de volta da final do torneio continental em 2018, contra o rival Boca Juniors.

O TAS decidiu punir o River Plate com dois jogos com portões fechados na Copa Libertadores de 2020 e uma multa de 400 mil dólares (pouco mais de R$ 1,6 milhões). O Boca Juniors, que entrou com a ação, também pedia a eliminação do rival da competição, o que foi rejeitado pela Corte. Além do duelo com o São Paulo, a partida contra o Binacional, no dia 11 de março, também terá arquibancadas vazias.

Monumental de Núñez deverá permanecer vazio por toda a fase de grupos da Libertadores (Foto: AFP)

A ação movida pelo Boca Juniors contra o River Plate se deve ao fato dos incidentes ocorridos na chegada da delegação xeneize ao Monumental de Núñez. Na ocasião, o ônibus da equipe foi apedrejado pelos torcedores da casa, ferindo jogadores e comissão técnica, que também foram atingidos por gases de pimenta que os deixaram sem condições de entrar em campo.

Mas, a sanção de dois jogos com portões fechados pode passar para três. Isso porque, além da punição dada pelo TAS, o River Plate também deve ser advertido com mais uma partida sem a sua torcida pelo uso de sinalizadores na semifinal da Libertadores do ano passado, contra o Boca Juniors. Desta forma, o confronto com a LDU, do Equador, também aconteceria sem qualquer contingente nas arquibancadas.