Análise: brilho de Gabriel Sara pelo São Paulo no clássico é ponto para Fernando Diniz

5

GloboEsporte

Marcelo Hazan

Técnico banca jogador em meio a críticas, e ele responde com dois gols contra o Santos.

“Eu não desisto de jogador”. A frase que virou uma das (muitas) marcas de Muricy Ramalho poderia também ter sido usada por Fernando Diniz.

Publicidade

Em meio às críticas de torcedores pela manutenção de Gabriel Sara no time titular, o garoto revelado em Cotia brilhou pelo São Paulo no clássico empatado por 2 a 2 contra o Santos, sábado à noite, na Vila Belmiro.

No lado Tricolor, o San-São ficou marcado pelos dois gols de Gabriel Sara e a falha do goleiro Tiago Volpi na falta cobrada por Marinho. Fernando Diniz fez questão de defender os dois num longo desabafo em entrevista coletiva após a partida.

O resultado deixa o Tricolor com 18 pontos, no bloco de cima da tabela. Internacional e Flamengo jogam neste domingo. O time volta a campo contra o River Plate, na quinta-feira, no Morumbi, pela retomada da Copa Libertadores.

Fernando Diniz manteve Gabriel Sara no time titular: garoto foi decisivo no San-São — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Fernando Diniz manteve Gabriel Sara no time titular: garoto foi decisivo no San-São — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Fernando Diniz escalou o time com: Tiago Volpi; Igor Vinicius, Diego Costa, Léo e Reinaldo; Tchê Tchê, Gabriel Sara, Hernanes e Igor Gomes; Vitor Bueno e Luciano.

No primeiro tempo o São Paulo apagou a má impressão deixada no empate por 1 a 1 com o Bragantino, quarta-feira, no Morumbi.

Nem sempre os números refletem bem o que aconteceu dentro de campo. Mas no caso do San-São o domínio do Tricolor na primeira etapa ficou claro, inclusive, na estatística de finalizações: 11 x 5.

Gabriel Sara encontrou espaço pelo lado direito, onde os santistas Luan Peres e Pituca (improvisado como lateral-esquerdo) tiveram dificuldades.

Além dos dois gols de Gabriel Sara, o São Paulo criou outras chances. Veja os lances:

Reinaldo

Reinaldo avança com a bola e bate para boa defesa de João Paulo, aos 6' do 1T

Reinaldo avança com a bola e bate para boa defesa de João Paulo, aos 6′ do 1T

Primeiro gol de Gabriel Sara

Gol do São Paulo! Gabriel Sara rouba a bola e toca na saída do goleiro, aos 7' do 1T

Gol do São Paulo! Gabriel Sara rouba a bola e toca na saída do goleiro, aos 7′ do 1T

Igor Vinicius

Igor Vinicius recebe belo passe, mas finaliza para fora, aos 10' do 1T

Igor Vinicius recebe belo passe, mas finaliza para fora, aos 10′ do 1T

Gabriel Sara

Gabriel Sara sai na cara do gol, mas manda para fora, aos 22' do 1T

Gabriel Sara sai na cara do gol, mas manda para fora, aos 22′ do 1T

Segundo gol de Gabriel Sara

Gol do São Paulo! Gabriel Sara recebe o passe na área e pega de primeira para marcar, aos 37' do 1T

Gol do São Paulo! Gabriel Sara recebe o passe na área e pega de primeira para marcar, aos 37′ do 1T

O Santos cresceu no segundo tempo, e o São Paulo baixou as linhas. Passou a marcar com os 11 jogadores atrás da bola.

Embora o rival tenha melhorado, e o Tricolor (mais uma vez) tenha diminuído de produção ofensiva, é impossível descolar do clássico as falhas individuais nos gols do Santos, ambos em bolas paradas.

No primeiro, Madson deixa Gabriel Sara para trás na movimentação antes da batida e aproveita a bola que passou por cima de Léo para marcar.

No segundo, Tiago Volpi erra ao inverter o lado da barreira e depois falha ao sofrer o gol em chute de Marinho de longe.

Gol do Santos! Madson sobe mais que a defesa do São Paulo e marca, aos 29' do 1T

Gol do Santos! Madson sobe mais que a defesa do São Paulo e marca, aos 29′ do 1T

Gol do Santos! Marinho solta a bomba de muito longe e faz um belo gol, aos 45' do 2T

Gol do Santos! Marinho solta a bomba de muito longe e faz um belo gol, aos 45′ do 2T

Apesar desses erros, o São Paulo sai do clássico com mais motivos para comemorar do que lamentar, embora haja frustração óbvia na torcida pela maneira como o time sofreu o gol de empate.

Depois do clássico, Gabriel Sara deu boa entrevista ao amigo e repórter André Hernan. Admitiu ter “sentido um pouco” as críticas, mas não quis usar os gols como uma “resposta aos críticos”.

O brilho do garoto no clássico após seguidos elogios e proteção pública de Fernando Diniz (mesmo quando não foi perguntado a respeito) é também mérito do treinador. Ponto para Diniz.

Gabriel Sara comemora dois gols no clássico e diz que absorver críticas faz parte de seu trabalho

Gabriel Sara comemora dois gols no clássico e diz que absorver críticas faz parte de seu trabalho

Leia também: