Análise: a Crespo não bastam promessas de cartolas, é preciso voltar a vencer no São Paulo

216

GloboEsporte

Leonardo Lourenço 

Treinador tem respaldo de dirigentes, mas realidade pode atropelar juras feitas na internet.

No futebol, promessas de dirigentes têm validade curta. Podem durar só até a próxima partida. O técnico Hernán Crespo, do São Paulo, acordou na última quarta-feira respaldado por publicações do diretor Carlos Belmonte e do presidente Julio Casares em redes sociais, ambos garantindo o emprego do argentino sob qualquer resultado na Copa do Brasil.

Publicidade

Há também uma visão ainda mais descrente de declarações como essas, que as aproxima de um aviso prévio.

A Crespo, há menos de um ano no Brasil, o conselho é não se fiar a juras como essas. Melhor tratar de voltar a entregar resultados.

Hernán Crespo em jogo do São Paulo contra o Fortaleza — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

Hernán Crespo em jogo do São Paulo contra o Fortaleza — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net

O início promissor no São Paulo já parece distante. O time ofensivo, protagonista – termo que Crespo repetiu e repetiu ao chegar ao Morumbi – e goleador que venceu o Paulista é hoje só uma boa memória. O São Paulo que se vê em campo erra muito, ataca mal e luta pouco.

As duas últimas eliminações foram semelhantes. Contra o Fortaleza, na derrota por 3 a 1 na Copa do Brasil, na última quarta, ou contra o Palmeiras, na Libertadores, o São Paulo falhou e jogou num ritmo distante do que se espera em uma partida decisiva de mata-mata.

Em setembro, o que resta ao time agora é o Brasileiro.

E no Brasileiro, a realidade, por ora, é a de fugir do rebaixamento, papel do qual a equipe não conseguiu se livrar após 20 jogos, agora com as desculpas esgotadas.

É elogiável a postura da diretoria de garantir Crespo, que conseguiu se esquivar das críticas até aqui. Elas geralmente miram o goleiro Tiago Volpi, o atacante Pablo ou mesmo o departamento médico do clube.

David comemora o terceiro gol do Fortaleza; são-paulinos lamentam ao fundo — Foto: Kid Jr. / SVM

David comemora o terceiro gol do Fortaleza; são-paulinos lamentam ao fundo — Foto: Kid Jr. / SVM

Crespo demonstrou boas ideias, fez o time jogar bem e sofreu com desfalques que se acumularam rodada a rodada. A diretoria investiu tempo e dinheiro em sua contratação.

Mas é preciso ir além da retórica. A Crespo, o exemplo do antecessor lhe serve de precaução. Fernando Diniz teve o emprego garantido por Casares, recém-eleito no São Paulo, em janeiro. A promessa não suportou a pressão, e Diniz deixou o cargo antes do fim do Brasileiro de 2020.

O técnico agora terá tempo para armar o time e recentemente ganhou dois reforços – Calleri, que nem estreou ainda, e Gabriel.

No equilibrado Brasileiro, em que sete pontos separa o São Paulo do Corinthians, que abre o G-6, é permitido sonhar com um futuro mais digno. A realidade, porém, é livrar-se da degola.

É a realidade que pauta decisões de cartolas. Promessas na internet são efêmeras. Melhor Crespo não se prender a elas e já tratar de buscar uma vitória contra o Atlético-GO, domingo, às 16h, no Morumbi.

LEIA TAMBÉM: