Sem Soteldo e Douglas Costa, entenda como Ceni pode dar velocidade ao ataque do São Paulo

578

GloboEsporte

Tricolor não conseguiu contratar o ponta rápido tão pedido pelo treinador no final do ano passado.

Após não conseguir as contratações de Soteldo e Douglas Costa, o São Paulo deve iniciar o Campeonato Paulista no próximo dia 27, às 21h30, diante do Guarani, sem o atacante rápido e driblador pedido por Rogério Ceni.

O treinador deu algumas entrevistas no ano passado alertando que essa característica faltava ao elenco e que era necessário se reforçar.

Publicidade
Rogério Ceni comanda primeiro treino do São Paulo em 2022 — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc

Rogério Ceni comanda primeiro treino do São Paulo em 2022 — Foto: Rubens Chiri / saopaulofc

Mas sem o acerto com nenhum nome para o setor, Ceni terá que montar o time com o que tem à disposição. E como ele pode dar velocidade à equipe?

Abaixo, o ge mostra algumas possibilidades que o técnico terá:

Marquinhos

Marquinhos em jogo do São Paulo — Foto: Marcos Ribolli

Marquinhos em jogo do São Paulo — Foto: Marcos Ribolli

O atacante de 18 anos subiu para os profissionais no ano passado sob o comando de Hernán Crespo e logo nos primeiros jogos chamou a atenção pela velocidade e habilidade.

Em um dos jogos mais importantes da temporada, diante do Racing, fora de casa, pelas oitavas de final da Libertadores, ele marcou um gol, deu assistência e ajudou o São Paulo na classificação para a próxima fase.

Aos 46 min do 2º tempo – finalização certa de Marquinhos do São Paulo contra o Bahia

A partir daquele momento imaginou-se que a lacuna de um ponta estava solucionada, mas veio uma lesão que interrompeu os planos do clube e do atacante.

No dia 2 de agosto, Marquinhos teve diagnosticado um estiramento na região posterior da coxa esquerda e ficou praticamente dois meses fora. Quando retornou, não foi mais o mesmo velocista e driblador. Ele é a principal esperança para fazer a função.

Emiliano Rigoni

Embora tenha terminado a temporada passada em baixa, Rigoni pode ser esse escape pelos lados do campo. Em algumas ocasiões, ele já atuou desta forma e teve um bom desempenho.

No entanto, Rigoni não imprime tanta velocidade quanto Marquinhos, por exemplo. O ponto forte do atacante é o drible e a finalização. Ele também tem facilidade em levar a bola até a linha de fundo.

Em jogos que necessitam de mais inteligência pelos lados do campo e profundidade, Rigoni deve ser acionado.

Aos 23 min do 2º tempo – gol de dentro da área de Emiliano Rigoni do São Paulo contra o Fortaleza

Danilo Gomes

Após retornar de empréstimo do Cuiabá, o garoto revelado na base são-paulina pode ter mais uma chance de se firmar. Com contrato até o final deste ano, ele é um velocista de beirada de campo.

No entanto, o jogador nunca conseguiu se destacar no time principal do Tricolor. Em 2020, entrou em apenas um jogo pelo São Paulo, saindo do banco de reservas, e logo foi emprestado ao Brasil de Pelotas.

Devido ao histórico, seria uma surpresa Rogério Ceni apostar no atacante de 22 anos.

Gol do Atlético-GO! Danilo Gomes recebe na área, limpa para a canhota e amplia, aos 16 do 1º

Alisson

Não é um ponta driblador como Marquinhos, mas pode fazer a função pelos lados do campo para abrir espaço na defesa adversária. Como a vaga está aberta, não será surpresa se aparecer na equipe neste início de temporada.

Alisson, aos 28 anos, tem no São Paulo a chance de apagar a má impressão deixada na campanha do rebaixamento do Grêmio, período em que recebeu muitas críticas da torcida.

Veja gol de Alisson pelo Grêmio em 2021

Caio

Destaque na atual edição da Copinha, com três gols nos últimos dois jogos, Caio pode ser uma aposta para a sequência da temporada no time profissional.

Aos 17 anos, o garoto tem exatamente as características que agradam Rogério Ceni: driblador e velocista. Na Copinha, Caio tem se destacado exatamente por suas jogadas de efeito.

Outra coisa que tem chamado a atenção é a finalização. Na frente do gol, o jovem jogador tem mostrado frieza e habilidade. O que pode faltar a Caio para não subir aos profissionais é a falta força física.

LEIA TAMBÉM: