Prancheta Tricolor – A chatice que é o papo James Rodriguez

1162

Pelo segundo jogo consecutivo Luis Zubeldía não relacionou o meia James Rodriguez, que não viajará para o Chile para a partida contra o Cobresal. Mais uma vez a ausência do colombiano domina as manchetes, algo plenamente justificável pelas métricas de cliques dos portais e redes sociais. Mas como esse assunto é chato, hein?

Está claro que o São Paulo não precisa de James. Ele só voltou à tona, quando estava afastado, porque Carpini passou a perder. Aí a torcida encontrou no colombiano a solução para todos os problemas do time que, hoje sabemos, era outra.

Onde encaixar o James no time de Zubeldía? O argentino deixou claro que quer intensidade. Física, tática e psicológica. James não oferece nenhuma das três. É um grande jogador, mas precisa de um time que joga para e por ele. No São Paulo de hoje não se encaixa.

Até acho que James poderia ser uma boa opção no banco de reserva, não fossem seus altos vencimentos. É um jogador capaz de fazer a diferença em jogos grandes, com uma bola pode mudar a história, mas será que cabe? Ou com seu salário não seria possível pegar jogadores que melhor se enquadram no perfil do time?

Publicidade

Passados pouco mais de nove meses da contratação, já podemos afirmar que a presença do colombiano foi um sucesso. Calma, eu não enlouqueci: considero sim, um sucesso. O anúncio de James provocou um alvoroço na torcida do São Paulo às vésperas da semifinal contra um rival que costuma nos superar em mata-matas. James ajudou a aproximar ainda mais a torcida do time, mesmo sem entrar em campo. Foi o salto de confiança que o torcedor e o elenco precisavam.

E tem outra: graças a James, temos Lucas. Alguém acha que ele viria sem a contratação do colombiano? Ou já esqueceram da torcida invadindo as redes sociais do Lucas para que ele viesse?

Obrigado por tudo, James! Seja feliz em sua próxima aventura!

André Barros é jornalista e são-paulino, não necessariamente nesta ordem…