Além das 4 linhas – A lista

373

Continuando na reflexão da semana passada e entrando na lista de treinadores que passaram pelo SPFC a gente encontra as razões da falta de taças conquistadas.

Em minha opinião, clube grande pede treinador grande, ou seja, treinador bom, experiente e vitorioso na carreira. Pode dar certo de outro modo? Pode sim, apenas as chances diminuem como em tudo na vida. É como contratar alguém desonesto para trabalhar com você. Ele pode mudar? Sim, pode mudar, mas não seria melhor já começar pelo honesto, já que outras dificuldades irão surgir no trabalho?

Fui ao Google e pesquisei os nomes dos treinadores que vieram após o tri brasileiro de 2006, 2007 e 2008. A lista é grande e é assim: Milton Cruz, Ricardo Gomes, Sérgio Baresi, Carpegiani, Adilson Batista, Ney Franco, Osorio, Doriva, Bauza, Jardine, Pintado, Aguirre, Mancini, Cuca, Diniz, Visolli, Crespo, Rogério, Dorival e Carpini.

Publicidade

Quantos treinadores da lista acima eram bons, experientes e vitoriosos? De cara é possível citar alguns que nunca deveriam ter sido treinador do clube mais vitorioso da história do futebol brasileiro. A conclusão é que um clube não leva em consideração os méritos para escolher as pessoas que ocuparão as posições mais importantes, um absurdo típico da falta de profissionalização da instituição. Muricy declarou recentemente que o SPFC de hoje é profissional e não tem nada de indicação política lá dentro. Isso é muito bom e vamos torcer para ser verdade.

O clube acaba de perder um treinador bom, experiente e vitorioso. Qual foi o resultado da passagem dele pelo SPFC? Título com taça importante na galeria. O cara bom chega e já faz o time jogar bem. Basta dizer que foi criticado após a primeira convocação que fez para o time da CBF e logo de cara enfrentou duas pedreiras nas casas dos adversários. Ganhou um e empatou o outro com arbitragem estranha. Enquanto isso o SPFC era desclassificado jogando em casa diante do Novo Horizontino. A conclusão é óbvia, ou seja, o SPFC trocou 6 por 2 e não por meia dúzia. Falta de opção? Espero que sim.

O elenco teve alguns dias de treinos, coisa rara em um futebol sem organização como o brasileiro, e logo mais poderemos saber se o período foi proveitoso. Vamos descobrir na quinta feira se este limão vai fazer boa limonada.

A Libertadores 2024 começará para o tricolor e uma passada pela lista dos últimos ganhadores vale a pena: 2010 – Internacional, 2011 – Santos, 2012 – Corinthians, 2013 – Atlético MG, 2104 – San Lorenzo, 2015 – River Plate, 2016 – Atlético Nacional Colômbia, 2017 – Grêmio, 2018 – River Plate, 2019 – Flamengo, 2020 – Palmeiras, 2021 – Palmeiras, 2022 – Flamengo, 2023 – Fluminense.

O futebol brasileiro vem dominando a competição em função da enorme crise econômica que vive a Argentina. O SPFC está distante faz tempo da glória maior da América em função da enorme crise administrativa que gerou crise financeira sem precedentes. A saída de um bom treinador deixou-me pessimista para o resto da temporada. Eu sei que com Carpini a coisa não vai decolar, eu adoraria estar enganado e vou adorar se esta minha reflexão estiver errada.

Mas sei que alguns dos estrangeiros bons, experientes e vitoriosos tentados em janeiro estarão livres agora no meio do ano, assim como um bom lateral esquerdo.

Basta a Carpini conseguir levar o SPFC para a próxima fase.

Salve o tricolor paulista, o clube da fé.

Carlito Sampaio Góes