Além das 4 linhas – Leônidas, Chulapa e o preconceito

122

Torço para o clube que é o maior vencedor da história do futebol brasileiro, o país do futebol. Neste clube maravilhoso nunca vi o preconceito nascer e crescer. No Brasil, ter preconceito com negros é uma ignorância muito grande em relação à história deste país. Eu admito a pessoa não gostar de japonês, de Alemão, de negros e sei lá mais o que, mas, antes de agredir com palavras ou coisa do gênero, basta não conviver com estas pessoas. Agora, maltratar é coisa de gente pequena, de alma pequena. Eu não gosto de conviver com gente preconceituosa.

Neste clube maravilhoso, o maior artilheiro da sua história e o melhor jogador da sua história são negros. Impossível chegar ao caixa de um mercado, ver uma barrinha de diamante negro e não pensar em Leônidas da Silva. O gol mais marcante da minha vida estando no Morumbi é do Chulapa, naquele jogo contra o Operário pelo brasileiro de 1977 em cobrança de falta de Chicão. Para quem ama o futebol o negro é o artista principal. Ontem estava pensando sobre o negro na música e nos esportes e concluí que os maiores são sempre eles. Eu gosto muito de rock, blues, jazz e samba, área dos negros. Gosto muito de basquete, futebol, atletismo e boxe, área deles também. Também gosto muito de automobilismo, onde um negro domina e é cotado a melhor da história, gostemos ou não dele superar nosso querido Senna. O pior ser humano da História foi Hitler. Simplesmente 70 milhões de pessoas morreram por causa dele na segunda guerra. Este Alemão achava que a raça dele era superior às demais. O radicalismo é perigoso.

Mudando a rota do assunto, hoje estamos sem nosso querido futebol. Eu estava muito otimista com o SPFC dentro deste paulista e agora vejo tudo começar quase que do zero. Nós perderemos um jogador importante, o Antony. Aliás, nesta semana o Menon menosprezou a presença do Antony neste time, dizendo que não fará falta. Em minha opinião errou. Quando Antony voltou da seleção no início deste ano o time deslanchou de vez. Além de bom jogador e fazer seus gols, coisa que melhorou com o tempo, Antony é o único jogador de velocidade que joga pelos lados neste time. Como sempre faço questão de dizer, com a enorme diminuição no tamanho dos gramados, que fez o meio de campo congestionar, jogar pelos lados em velocidade tornou-se o caminho mais curto para o gol adversário.  É isso que faz Antony.

Para o lugar do Antony o clube tem Pablo, Everton e Helinho. Estes são os favoritos. No período que Antony estava na seleção Helinho ganhou o lugar, mas, por azar, contundiu-se. Tem outros jogadores que jogam pelos lados no elenco, Brenner é um deles, mas acho que ainda não é a hora dele, apesar de ter talento. O Rojas é uma incerteza total, afinal, ficar por dois anos fora do futebol é muita coisa.  

Ainda não há confirmação alguma sobre datas de volta dos campeonatos. Nosso diretor Raí vive dizendo que ainda é cedo, pois estamos no auge das contaminações deste maldito vírus. Tenho muita preocupação com o lado financeiro do clube. Eu não sou daqueles que torce apenas para o clube vencer um campeonato, quero o SPFC cada vez maior, cada vez mais organizado, voltando a ser a referência no setor como sempre foi. Para isso precisa de boa organização interna e consequentemente muito dinheiro, já que o futebol é hoje uma atividade muito cara.

Por querer ver o SPFC sempre na rota dos títulos, acredito que chegou a hora de mudarmos o grupo que comanda nosso futebol. Por isso vejo com bons olhos a candidatura do MAC a presidente.

Salve o tricolor paulista, o clube da fé.

Carlito Sampaio Góes

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor entre com seu comentário!
Entre seu nome aqui

doze + quinze =