Além das 4 linhas – Time titular

368

Ontem após o jogo meu primo Maurício e eu conversamos um pouco sobre o time titular do SPFC, e a conclusão do momento foi que, em verdade, com a possibilidade de 5 trocas, a gente pode dizer que há o time do primeiro tempo e o time do segundo tempo.

Tem dia que algum jogador não estará bem. Tem dia que o jogo do SPFC no primeiro tempo não dará certo. Podemos dizer que uma série de razões, inclusive físicas, do SPFC e do time adversário, nos provarão que este é mais um fator que fez o futebol mudar. O jogo contra a LDU é um exemplo entre tantos. Mas se considerarmos que o time que eliminou o time sem cor é o “chamado” titular, no banco haverá sempre boas opções para o segundo tempo.

Hoje o futebol é muito físico, sem deixar técnica e tática de lado, mas alterar o time para o segundo tempo, desde que o clube tenha boas opções para o treinador, faz cada vez mais diferença. Ontem havia Luciano e James no banco. Havia Luan no banco. Havia Alan, um bom zagueiro no banco para substituir a Beraldo. E em breve haverá Galoppo, Caio, Erison, David, Igor Vinícius, Mendez, Diego e mais alguns não menos importantes.

Publicidade

Sendo assim, não há mais que se falar em time titular em minha opinião a partir de hoje. Aliás, pode ser uma estratégia colocar um time no primeiro tempo e outro no segundo ao se estudar o adversário. Um bom armador que saiba lançar e um ponta são importantes num segundo tempo quando o adversário cansou. Podem não ser tão importantes no primeiro tempo, por exemplo.

Um elenco com muitas opções também se faz obrigatório em campeonatos disputados por pontos corridos como o brasileiro, onde ao longo das 38 rodadas muitos jogadores serão suspensos ou sofrerão contusões. O assunto contusões é importante neste SPFC dos dias de hoje. O clube foi sucateado e parece estar recuperando a boa forma. Equipamentos de fisioterapia são caros e super necessários. Imagina num clube onde nem a piscina tinha água como eram estes equipamentos?!?!

Bom meus amigos, o resultado da partida na altitude insuportável e absurda de Quito acabou não sendo dos piores e reverter o placar é possível em minha modesta opinião. O Morumbi estará lotado e pulsando. Os jogadores querem ganhar taças, este elenco tem sede. Teremos a volta do Pablo Maia para segurar a frente da zaga e o resto do time estará em campo. Vamos ver o que ocorreu na torção forte que sofreu o Beraldo, mas Alan Franco pode dar conta do recado.

Eu estarei no Morumbi!

Salve o tricolor paulista, o clube da fé.

Carlito Sampaio Góes