Danilo compara períodos no Timão e Tricolor e diz que Recopa é diferencial

97

Fonte: SporTV.com

Aos 35 anos, Danilo atuou profissionalmente por apenas Goiás, Kashima Antlers, São Paulo e Corinthians. E, apesar de estar no Timão desde 2010, onde teve participação decisiva nas conquistas do Mundial e da Libertadores, o meia não esqueceu a fase como atleta Tricolor. Em entrevista ao “SporTV News“, o camisa 10 lembrou o período vitorioso como atleta nos dois clubes paulistas e disse que apenas a Recopa Sul-Americana, conquistada pelo Alvinegro, até o momento diferencia a passagem pelos clubes.

– Para quem morava em Minas Gerais e tinha um sonho de ser jogador profissional, ter jogador só em quatro clubes até agora é muito importante. Quanto mais tempo ficar em um clube, melhor será (…). Isso mostra que eu tive uma história muito bonita lá, nós ganhamos tudo. A diferença de título fica na Recopa Sul-Americana, que eu ganhei aqui e lá eu perdi. Nesses momentos decisivos eu joguei todos os jogos lá. É uma história muito bonita e que ninguém nunca vai apagar também. Já que quando você ganha, ninguém pode apagar.

Danilo, meia do Corinthians (Foto: Reprodução SporTV)
Danilo estará em campo pelo Corinthians na partida contra o São Paulo nesta quarta-feira (Foto: Reprodução SporTV)

Danilo comemorou o retorno do técnico Tite ao Corinthians no início de 2015. O meia lembrou a última passagem do treinador pelo clube, quando juntos conquistaram os títulos Brasileiro, da Libertadores, Mundial, Paulista e da Recopa Sul-Americana, e garantiu que ele é querido por todos no Parque São Jorge.

– Passei com ele o momento pós-Tolima. Um momento difícil para todo mundo e que ninguém esperava. Depois disso saímos para ganhar tudo. Ganhamos o Paulista, Libertadores, Mundial e Brasileiro. É um treinador que tem história no clube e todos gostam. Acho que ele veio em uma hora boa.

Corinthians e São Paulo jogam nesta quarta-feira pela primeira rodada do Grupo 2, no estádio do Alvinegro. O SporTV transmite, ao vivo, a partir das 22h (de Brasília), com narração de Milton Leite, comentários de Maurício Noriega, Roger Flores, William Machado e Belletti e reportagens de Thiago Crespo, Felipe Diniz e André Hernan.